IIª CARTA AOS CORÍNTIOS


Autor

Segunda carta Aos Coríntios, autor apóstolo Paulo. Paulo de Tarso, também chamado Apóstolo Paulo e São Paulo, foi um dos mais influentes escritores do Cristianismo primitivo. Não há relatos da data de seu nascimento. Sabe – se pelo próprio Apóstolo Paulo que ele nasceu em Tarso, na província de Mergin, na parte meridional da Turquia (Atos 22:3).

Saulo, judeu helenista, filho de uma família de tecelões de cortinas, foi um dos perseguidores mais ativos que existiu na história da igreja (Atos 8:1; Atos 9:1-2; Atos 22:1-5). Ele havia sido testemunha do apedrejamento de Estevão (Atos 7: 54-58). Saulo foi enviado na adolescência à Jerusalém para estudar, sob a orientação espiritual de Gamaliel (Atos 22:1-3). Hebreu que falava seis idiomas judaico, aramaico (língua comercial da Judeia), siríaco, turco, grego e latim (I Co 14: 18) (I Co 14: 18- 20). Segundo as, palavras, fariseu (Fp 3:1-5), judeu da linhagem de Benjamim (Atos 21: 39; Fp 3:5) e romano por nascimento (Atos 22: 24- 28), Tarso era uma possessão romana, os habitantes nascidos nesta cidade, após sua conquista, automaticamente recebiam cidadania romana.

Destinatário


A igreja de Jesus Cristo que ficava na cidade de Corinto, capital da região da Acaia, situada ao sul da Grécia. II Co. 1: 1. Na verdade a igreja não é templo e nem construção formada por paredes e telhados, portas e janelas, a igreja é um grupo de pessoas I Co. 12: 12 – 27 que aceitaram a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador, pessoas que lavaram suas vestes no sangue do Cordeiro batizaram e são seguidores do evangelho de Cristo. Naquela época se reuniam em casas para louvar e escutar a palavra do Senhor e em Corinto ficava uma delas. A carta escrita era destinada a igreja de Corinto que provavelmente ficava na casas de Tito, o justo. Atos 18: 1 – 11.
A cidade de Corinto pululava a tal ponto com vícios e iniquidades, que seu nome se tornou a raiz de um verbo grego que significava “abandonar-se a mais baixa dissolução”; assim, no ano e meio que Paulo passou entre os habitantes dessa barulhenta e vulgar cidade portuária, ele fundou uma das igrejas mais populosas At. 18: 5-11, ainda que fosse sem dúvida fonte das maiores preocupações por seu caráter inquieto e indomável I Co. 1: 10.

A Epístola


A carta escrita foi baseada em informação que Paulo recebeu do portador que levou a primeira carta, pois este regressou logo a Éfeso, e trouxe informações sérias a respeito do estado que se encontrava a igreja II Co. 11: 1- 3. Paulo também foi informado que alguns dos falsos apóstolos II Co. 11: 12 – 15 estavam usando a palavra de Deus para questionar e desacreditar a sua pessoa e seus ensinos II Co. 7: 2 – 12; I Co. 4: 3. A carta foi escrita entre 55 e 60DC quando Paulo estava na Macedônia. At. 19: 1- 22; II Co. 7: 5- 12. A primeira carta é voltada em boa parte aos problemas específicos dos coríntios (Questões doutrinárias e práticas), a segunda carta Paulo abre mais o coração para mostrar os seus sentimentos fortes em relação aos coríntios e também a sua preocupação com os falsos obreiros e suas falsas doutrinas II Co. 4: 1 – 4; II Co. 10: 1 – 7; II Co. 11: 1 – 15.

II CORÍNTIOS – A igreja de hoje - Capítulo 1

Prefácio e saudação


IICORÍNTIOS 1:1 – Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, à igreja de Deus, que está em Corinto, com todos os santos que estão em toda a Acaia. As cartas do apóstolo Paulo têm duas marcas que o identifica como o autor das cartas.  A primeira marca está no início da carta. Paulo inicia sua saudação se apresenta e também apresenta aqueles que estão o ajudando na obra I Co. 1: 1; Rm. 1: 1; Gl. 1: 1 e 2; Ef. 1: 1.

A segunda marca está no encerramento da carta. O encerramento da carta a saudação final é a sua assinatura. I Co. 16: 19 – 21. Paulo usava as saudações como assinatura de suas cartas II Ts. 3: 17, pois como bem sabemos Paulo não escrevia as suas cartas, ele ditava as cartas, ele usava um irmão escriba copista para escrever as cartas Rm. 16: 22. Paulo ainda relata em sua carta o lugar para onde ele estava enviando a carta, cidade de Corinto capital da região da Acaia, que ficava ao sul da Grécia. Observamos que a carta é enviada a igreja de Deus que está em Corinto, mas também a todos os santos que estão em toda Acaia, ou seja, aquela região estava cheia de crentes, homens mulheres e crianças que já tinham entregado as suas vidas ao Senhor Jesus. Atos 16: 31; At. 18: 27,28.

IICORÍNTIOS 1:2 Graça a vós e paz da parte de Deus nosso Pai, e da do Senhor Jesus Cristo. A graça de Deus é a parte mais importante de Deus para o crente, por isso ao enviar uma carta, ao terminar uma carta, ao abrir o culto, ao terminar o culto, antes de iniciar ou terminar uma pregação desejar a graça é desejar a misericórdia o perdão a benevolência de Deus para com os homens II Co. 12: 1 – 9; Ef. 2: 1 – 9. A graça é dádiva de Deus, um presente de Deus para o imerecido e ingrato ser humano. Jõ. 3: 16. Graça favor imerecido. ITM. 1: 15.

O Deus de todo conforto


IICORÍNTIOS 1:3 – Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda a consolação; Deus é Pai de Jesus, Jesus Cristo foi gerado por Deus Cl. 1: 15.  Jesus Cristo é o Filho de Deus. Hb. 1: 1-4. Deus é o Pai das misericórdias. O que é misericórdia? Misericórdia é a capacidade de se doar Jõ. 3: 16 e perdoar Ef. 4: 32. Deus é o Pai de todas as misericórdias, a misericórdia foi gerada por Deus no início de tudo. Deus amou o mundo que se doou Jõ. 3: 16. Deus amou o mundo que perdoou Ef. 2: 1- 9. Deus fez isso não durante a existência do homem, mas antes, muito antes da existência do homem. A misericórdia de Deus para com os homens já estava preparada, era plano de Deus muito antes da fundação do mundo. I Pd. 1: 18 – 20; Pv. 8: 22; Cl. 1: 15- 17.

A misericórdia é um sentimento que não pode estar na nossa alma, não pode estar em nossa capacidade de raciocinar e agir; por que se ela estiver sob a direção da nossa mente vamos encontrar muitas razões para deixar de exercer LC. 10: 25- 32; At. 10: 36- 14, ou para exercer Mt. 6: 1,2; Mt, 23: 5- 7, mas se ela estiver no espírito (coração) o Espírito Santo vai nos fazer lembrar as palavras de Jesus Jõ. 14: 26, então vamos ver que se nós queremos ter misericórdia, também temos que doar misericórdia Lc. 10: 25 – 37; Lc. 6: 27- 36; Lc. 9: 51- 56; Mt. 6: 9- 15; Rm. 12: 9- 21; Ef. 4: 31, 32.

Deus é o Pai de toda consolação, o que é consolação? Consolação é o conforto o refrigério a ajuda e a compaixão, tudo isto Deus Pai nos deu; Deus nos ajudou, nos deu refrigério e conforto teve compaixão de nós, salvando – nos com o primeiro Consolador (Jesus) Jõ. 3: 16; Rm. 10: 3- 13, e agora nos guiando com o segundo (Espírito Santo) Jõ. 14: 15,16 e 26; Sl. 23: 1- 3; Rm. 8: 1- 17. Deus através de Seu Filho Jesus Cristo nos confortou, nos ajudou, trouxe a nós um refrigério, e teve compaixão de nós. Jõ. 16: 7- 15. Esta atitude de Deus Rm. 5: 5 – 8 é a mesma atitude que temos que ter com o nosso próximo Lc. 6: 36; Lc. 10: 25 – 37; Is. 35: 1 – 4.

IICORÍNTIOS 1:4 – Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus. Deus é quem nos consola, Deus é quem nos ajuda nos momentos difíceis Is. 25: 4,5; Jr. 15: 11. Seja qual for à situação o crente vai encontrar conforto e refrigério nos braços de Deus. Is. 25: 9. Aqueles que não têm Jesus se desesperam, recorrem as drogas as bebidas ao adultério ao crime e a corrupção Ap. 22: 11, mas quem tem Jesus Cristo espera pela consolação que vem de Deus através do seu Espírito Santo II Co. 7: 5 – 7; Sl. 40: 1 – 3. Veja o que Paulo diz: Que Deus nos consola para que venhamos a consolar outros, ou seja, as provas as lutas as dificuldades os momentos difíceis servem para que venhamos a ganhar experiência para ajudarmos a outros Rm. 5: 1- 5; Is. 49: 10; Zc. 13: 9. Veja: Is. 58: 11, 12.

IICORÍNTIOS 1:5 – Pois, como as aflições de Cristo transbordam para conosco, assim também a nossa consolação transborda por meio de Cristo. Paulo sentia gozo, satisfação prazer alegria em sofrer, padecer, ser perseguido difamado injuriado de correr risco de morte Gl. 2: 20; Fp. 3: 12- 14, por causa de Jesus e do evangelho. Rm. 1: 16, 17. Por isso Paulo fala: as aflições de Cristo transbordam para conosco. Rm. 8: 18; Sl. 23: 1- 6. Com este transbordar Paulo podia consolar a igreja, com satisfação gozo e alegria.

A visão a fé do apostolo Paulo é algo impressionante Gl. 2: 20, mas não é impossível Mc. 9: 23b podemos usar os nossos momentos difíceis, as nossas dificuldades, nossas lutas nossas aflições em benefício do próximo. Jõ. 1: 16. Através desta carta, Paulo lembra que as aflições de Cristo é a razão deste conforto, a graça de Cristo o amor de Cristo que estava sobre a sua vida o levava a consolar confortar e ajudar de alguma maneira os seus irmãos Lc. 6: 36; Lc. 10: 25- 37; Is. 35: 3,4.

IICORÍNTIOS 1:6 – Se somos atribulados, é para vossa consolação e salvação; se somos consolados, para vossa consolação é, a qual se opera suportando com paciência as mesmas aflições que nós também padecemos; As tribulações que Paulo tinha em sua vida e em seu ministério servia para que ele ganhasse cada vez mais experiência para consolar e salvar outros. Quando Deus o consolava com as aflições de Cristo, ou seja, o fazendo lembrar o sofrimento de Cristo, servia para que ele também com o seu sofrimento por causa do evangelho pudesse consolar seus irmãos, ensinando a todos a ter paciência nas lutas, nas provas nas dificuldades sabendo que as provas as lutas as dificuldades trarão gozo alegria e prazer. Os momentos difíceis da sua vida no futuro servirão para você consolar seus irmãos. Lc. 22: 31,32; Jõ. 21: 15- 18; At. 2: 14- 47; Is. 58: 11, 12.

IICORÍNTIOS 1:7 – A nossa esperança acerca de vós é firme, sabendo que, como sois participantes das aflições, assim o sereis também da consolação. Paulo esperava dos irmãos de Corintos os melhores frutos, frutos de vida eterna, Paulo sabia que eles eram participantes das aflições, era justo que eles participassem das consolações nos momentos de lutas e tribulações. Paulo diz: Vós fostes participantes das aflições de Cristo por isto vocês fazem parte do corpo, gora é justo que participem da consolação, as minhas lutas e minhas aflições servem para eu consolar vocês, consolar não com as minhas consolações, mas sim com as consolações que Deus me consolou, com esta mesma consolação eu posso consolar vocês. Rm. 8: 17; Rm. 5: 1- 5; Rm. 15: 1- 5.

IICORÍNTIOS 1:8 – Não queremos irmãos, que ignoreis a tribulação que nos sobreveio na Ásia. Fomos sobremaneira agravados mais do que podíamos suportar, de modo tal que até da vida desesperamos. Talvez para alguns dos irmãos da igreja de Corinto, os testemunhos de Paulo no que diz respeito às lutas as dificuldades e as tribulações sofridas por causa do evangelho não passavam de balela, contos ou invenções do apóstolo; para estes que pregam que crente não passa por lutas, que vida de crente é um mar de rosas, é só prosperidade e alegria, os testemunhos dos irmãos no que diz respeito a estar passando por provas lutas e aflições também não passam de balela, contos ou invenções II Tm. 3: 10 – 12; Jõ. 16: 31 – 33; Jõ. 17: 12 – 15; Mt. 7: 14.

Para estes os testemunhos edificantes e verdadeiros são aqueles que falam de dinheiro, riqueza, prosperidade e fortuna. I Tm. 6: 3- 10; Pv. 28: 20; Lc. 6: 19- 24; Mt. 7: 13. Paulo neste texto está falando das tribulações e lutas sofridas por ele na Ásia por causa do evangelho. Atos 19: 23 – 40; II Co. 7: 2 – 7; Rm. 1: 16 e 17.

IICORÍNTIOS 1:9 e 10 – Mas já em nós mesmos tínhamos a sentença de morte, para que não confiássemos em nós, mas em Deus, que ressuscita os mortos; O qual nos livrou e em quem esperamos que ainda nos livrará de tão grande morte. As lutas as provas e as tribulações de Paulo serviram para que ele ganhar experiência e aprender a depender totalmente do Senhor II Co. 12: 1 – 10.

As lutas as provas e as tribulações que passamos foram para nos ensinar a depender totalmente do Senhor Is. 48: 10, as lutas e as provas que estamos passando é o Senhor ensinando a dependermos totalmente dele. Is. 48: 17. E se ainda não aprendemos a depender totalmente do Senhor com certeza as lutas as provas e as tribulações que virão sobre nossas vidas no futuro irão servir para nos ensinar a dependermos totalmente do Dele. Jõ. 15: 5; Dt. 8: 1- 6. Não quer temer as lutas e tribulações? Dependa somente do Senhor. Jr. 17: 7,8; Sl. 1: 1- 3. Aprenda a temer ao Senhor. Sl. 34: 1- 19; Pv. 9: 10; Gn. 22: 1- 17.

O Deus todo poderoso, Senhor dono de tudo está acima da morte e do inferno Ap. 1: 8 e 17, 18. Livrou Paulo da morte: Atos 18: 9 e 10. É o mesmo hoje: Hb. 13: 8; livrou Paulo e vai livrar você também Sl. 23: 1 – 4. A morte é o último inimigo a ser vencido I Co. 15: 26. Não tema não se preocupe nenhum fio de cabelo cairá de vossa cabeça sem que seja feita a vontade do Senhor em sua vida. Mt. 10: 28 – 33; Lc. 21: 17- 19; Jõ. 10: 14- 18. Vamos ter que enfrentar a morte mais cedo ou mais tarde. Sl. 90: 10; Ec. 12: 1 – 7. Saiba de uma coisa, a morte foi vencida por Cristo I Co. 15: 55 – 57 e com certeza naquele dia nós também levantaremos triunfantes sobre a morte I Co. 15: 58; Hb. 6: 10; I Ts. 4: 13 – 17.

IICORÍNTIOS 1:11 – Ajudando-nos também vós com orações por nós, para que por muitas pessoas sejam dadas graças a nosso respeito, pelo dom que nos foi concedido por meio de muitos.

Paulo agradece a ajuda dos irmãos e as orações, e pede aos irmãos que continue a orar, para que muitos sejam agradecidos venham a ser participante da graça e ouvir a mensagem através dom da palavra e de poder. I Co. 2: 1- 5; I Co. 1: 17- 24; Rm. 15: 17- 19. O crente foi chamado para a salvação, mas também para ter uma vida de oração Lc. 18: 1; I Ts. 5: 17; Dn. 6: 1 – 10; Sl. 55: 17. Não adianta o crente dizer que não é por muito orar, é por muito orar sim, os grandes homens de Deus fizeram grandes obras e ficaram conhecidos por terem uma vida de oração.

Oração é falar com Deus, oração é buscar, clamar e suplicar a Deus. Jr. 33: 3; Jr. 29: 13. Existem muitos motivos para orar, nossa família nossa igreja nossos líderes espirituais, nosso país, nosso estado, nossa cidade, nossos governantes, nossa vizinhança, nossos irmãos, os enfermos, os problemáticos, os que estão nas drogas, nas ruas sem teto, por mais graça, mais unção, mais poder, se eu for fazer uma lista de motivos para orarmos vamos fazer um livro só com os motivos para orar. Quando você já estiver esgotado todos os motivos para orar; você pode orar por mim e minha família, se você quiser você pode passar horas falando com Deus. Sl. 55: 17; Pv. 8: 17; Pv. 13: 7. Sem oração não há poder. A oração abre portas, quebra os grilhões do inferno, quanto mais oração mais poder. Jr. 33: 3; Lc. 18: 1- 8; At. 16: 1- 26; At. 12: 5- 12; At. 4: 1- 31.

A mudança de plano de Paulo


IICORÍNTIOS 1:12 – Ora, a nossa glória é esta: O testemunho da nossa consciência, de que com simplicidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria carnal, mas na graça de Deus, temos vivido no mundo, e especialmente para convosco.

A glória de Paulo e sua equipe era o testemunho da consciência com simplicidade e sinceridade de Deus, o que Paulo está dizendo é que ele não criou, não inventou nada, as lutas as provas eram reais, ele não produziu nada não usou sabedoria humana, carnal para chamar a atenção e o consolo da igreja. O púlpito não é lugar de inventar ou criar testemunhos falsos com o objetivo de ludibriar, enganar e convencer.

A graça de Deus estava sobre ele, Paulo vivia no mundo, mas não no mundo do pecado, Paulo vivia no mundo porque ele tinha muitos motivos para continuar no mundo. Fp. 1: 21- 24. Paulo vivia no mundo pregando o evangelho, e por viver no mundo pregando o evangelho ele passava por lutas e provas, estas lutas e provas davam a Paulo bagagem para ele testemunhar e consolar a igreja e os irmãos Atos 16: 9 – 409; Atos 19: 23 – 41; Atos 21: 27 – 40.

IICORÍNTIOS 1:13 – Pois nenhuma outra coisa vos escrevemos; senão as que já sabeis ou também reconheceis; e espero que também até ao fim as reconhecereis. Tudo o que Paulo escreveu: seu testemunho suas lutas e provas já eram do conhecimento da igreja. O apóstolo Paulo teve informações de que alguns falsos apóstolos estavam tentando desqualificar seus ensinos e testemunhos. Estes falsos apóstolos semearam dúvidas a respeito da sua pessoa. II Co. 11: 1 – 15; I Co. 9: 1, 2; II Co. 10: 1 – 7; I Co. 2: 1 – 5; I Co. 3: 10- 17. Veja: Paulo tinha dúvida sobre a permanência da igreja na pratica de seus ensinos, por isso ele diz: E espero que até ao fim as reconheçais. I Co. 16: 13; I Co. 4: 16- 20; II Tm. 4: 1- 5.

IICORÍNTIOS 1:14 – Como também já em parte reconhecestes em nós, que somos a vossa glória, como igualmente vós sereis a nossa no dia do Senhor Jesus. Podemos entender que o apóstolo Paulo está falando; que a igreja poderia reconhecer no apóstolo Paulo e sua equipe, equipe está que era formada por vários discípulos, os mais conhecidos Lucas, Timóteo, Tito, Barnabé, João Marcos, Silas, Áquila, Priscila, Tíquico e outros. II Tm. 4: 6- 12; At. 19: 1- 22. Continuando: reconhecer que eles em parte eram a razão da glória da igreja, em parte por quê? Porque a glória só será completa na glória I CO. 13: 10; I Jõ. 3: 1- 3. Paulo continua: Vós sereis a nossa glória no dia do Senhor, ou seja, no dia em que a igreja for arrebatada e for viver para sempre com o seu Senhor. I Ts. 4: 13- 17.

Todos aqueles que pregaram que lutaram para arrebatar almas do inferno, verão a recompensa por salvar tantas almas. Sl. 126: 5,6; Pv. 11: 30; I Co. 15: 58; Ap. 2: 25 – 29. A igreja já em parte reconhecia o trabalho do apostolo Paulo e sua equipe e o crescimento espiritual da igreja se dava justamente por este reconhecimento, portanto era importante para a igreja permanecer firme nos ensinos do apostolo e sua equipe. I Co. 16: 13; II Co. 11: 1- 3; I Co. 4: 14- 21. O crescimento espiritual do crente se dá justamente quando ele reconhece que o que está escrito na palavra de Deus é uma obra do Espírito Santo para a edificação da sua vida. II Pd. 2: 15- 18; II Pd. 1: 16- 21; II Co. *6: 63.

IICORÍNTIOS 1:15: Com esta confiança quis primeiro ir ter convosco, para que tivésseis um segundo benefício. Paulo confiava, Paulo tinha a certeza da sua importância para a igreja, por isso Paulo tentava controlar a ansiedade o desejo de estar outra vez junto aos irmãos em Corinto, e Paulo ainda diz mais: Para que tivésseis um segundo benefícios, ou seja, cada vez que Paulo pregava ou trazia os ensinos da parte de Deus, era benefício para a igreja, portanto Paulo fala de uma segunda oportunidade para aquela igreja se beneficiar com a palavra e com o poder de Deus que acompanhava suas pregações e seus ensinos. I Co. 2: 1 – 5; I Co. 1: 18 – 24; I Co. 4: 14- 20; Rm. 15: 17 – 19. Não perca a oportunidade de se beneficiar da graça de Deus enquanto a porta ainda está aberta. Mt. 25: 1- 13; I Ts. 4: 13- 17; IITs. 2: 1- 12; Jõ. 10: 9,10.

IICORÍNTIOS 1:16 – Pensava em ir ter convosco a caminho da Macedônia, e da macedônia ir outra vez ter convosco, e ser guiado por vós à Judéia. Paulo pensava em passar em Corinto quando fosse visitar a igreja na Macedônia, igreja está revelada por Deus a Paulo na segunda viagem missionária de Paulo. Atos 16: 1 – 10. De Corinto Paulo iria a Macedônia, e depois na volta passaria em Corinto outra vez, ai sim iria a Jerusalém levar as ofertas aos irmãos necessitados At. 19: 21; I Coríntios. 16: 1 – 5; At. 11: 19 – 30.

IICORÍNTIOS 1:17 – Ora, deliberando isto, usei porventura de leviandade? Ou o que delibero, o delibero segundo a carne, para que haja em mim sim, sim, e não, não? Depois de muito pensar, Paulo decidiu no entendimento com leviandade (intenção suspeita) decisão humana, segundo a carne e não segundo o espírito. Diz Paulo: Para que haja em mim sim, sim e o não, não; Paulo está falando se for necessário não serei complacente, serei sim, sim, ou não, não.  O crente não pode ser meio termo, ficar em cima do muro, ser morno. Ap. 3: 14, 15. O crente tem que escolher um lado Mt. 6: 24; o crente deve ser sempre sim, sim, ou não, não. Tg. 5: 12; Mt. 5: 37.

IICORÍNTIOS 1:18 – Antes, como Deus é fiel, a nossa palavra para convosco não é sim e não. Paulo reconhece em Deus a sua fidelidade para com ele, e entende que a palavra que ele iria levar aos irmãos de Corinto era a palavra de Deus, e apalavra de Deus é Jesus Jõ. 1: 1 – 3; Ap. 19: 11 – 13; Hb. 1: 1- 4.

IICORÍNTIOS 1:19 – Pois o Filho de Deus, Jesus Cristo, que entre vós foi pregado por nós, isto é, por mim, Silvano e Timóteo, não foi sim e não; mas nele houve sim. Paulo reconhece que Jesus Cristo era o centro de sua pregação e da sua equipe II Tm. 4: 1- 5; I Co. 2: 1- 5. Em Jesus não ouve sim, sim, ou não, não, em Jesus ouve sim. Mc. 14: 32 – 36; Is. 53: 1- 11; Mt. 27: 32- 52.

IICORÍNTIOS 1:20 – Pois quantas promessas há de Deus, tem nele o sim, e por ele o Amém, para glória de Deus por nosso intermédio. As promessas de Deus têm Nele (Jesus) o sim, e por Ele o amem, ou seja, as promessas estão Nele (Jesus) e a confirmação da promessa também vem Dele, para glória de Deus. Cl. 1: 15- 20; Fp. 2: 5- 11; Mt. 11: 25- 30. Vejam como Paulo vê a palavra de Deus, diferente de muitos profetas, pregadores, pastores e apóstolos que só enxergam na Bíblia o não; não podem isso, não podem aquilo. I Tm. 4: 1- 5; Cl. 2: 13 – 23; Mt. 11: 29,30.

O sim de Deus não libera o homem para o pecado IS. 59: 1,2; mas libera o homem para desfrutar da graça do perdão da misericórdia e da consolação Ef. 1: 3- 14; Ef. 2: 1- 10, portanto verifiquem na Bíblia os sim de Deus e desfrute deles, porque as promessas de Deus que estão na Bíblia para seu povo, são o Seu sim, as promessas de Deus que contém o seu sim estão ocultas em Jesus Cristo. Rm. 15: 5- 13; Hb. 8: 1- 13; Hb. 10: 19- 25; Cl. 2: 1- 3. Se você aceitar Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador o sim de Deus estará sobre a sua vida eternamente. Mt. 28: 18- 20; Jõ. 14: 12- 14; Jõ. 16: 24- 27; At. 16: 31.

IICORÍNTIOS 1:21 - Mas aquele que nos confirma convosco em Cristo, e o que nos ungiu, é Deus. Para Paulo quem confirmava a sua obra o seu trabalho o seu amor pela igreja de Corinto era Deus, ou seja, aquele que o confirma o confirmava em Cristo. At. 9: 1- 6. Paulo está dizendo: “Quando irei ter convosco não estarei sozinho, a pessoa de Cristo estará comigo At. 18: 9,10; Gl. 2: 20; o que Paulo está dizendo é; caso vocês não enxergar a pessoa de Cristo em minha vida I Co. 9: 1,2; veja Cristo em minhas pregações I Co. 2: 1- 5 saibam de uma coisa: A unção que está sobre mim veio de Deus. II Co. 3: 5; Atos 13: 1 – 4; Atos 9: 1 – 16. Unção: autoridade e capacidade vinda de Deus. I Sm. 10: 1 e 6,7; Tm. 4: 6- 14. Veja também. I Sm. 16: 1- 23; I Sm. 17: 1- 58. Veja em outros assuntos os nossos estudos: “O Que é unção, a unção, o azeite da oliva, o trigo o vinho e o azeite”. Em pregação em texto: “A unção que derruba”.

IICORÍNTIOS 1:22 – O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações. Veja, Paulo fala da marca de Deus em sua vida, O selo era usado pelos antigos como marca que identificava o proprietário de escravos, de ovelhas ou outro animal qualquer, e foi usado pelo Senhor para marcar você Jõ. 6: 26, 27. Para firmar e findar compromisso: Dn. 12: 1- 4; Mt. 27: 62- 66.  Como garantia em alguma negociação qualquer: Gn. 38: 11- 18. O selo aqui é o Espírito Santo, para Paulo o Espírito Santo é uma marca que nos identifica como propriedade do Senhor. A presença do Espírito Santo na vida do crente é uma marca invisível aos olhos humano (mundo físico), mas visível no mundo espiritual por isso quando alguém aceita Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador, ele passa a ser propriedade de Deus, I Pd. 2: 1- 10; Dt. 26: 16- 19; Dt. 7: 6- 9.

O Espírito Santo é a marca que o identifica como propriedade de Deus II Tm. 2: 19. Quando alguém aceita a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador ele já recebe logo o Espírito Santo Atos 2: 37 – 39; Ef. 1: 3 – 14; Ef. 4: 17- 30. O Espírito Santo passa a habitar no coração deste novo crente. II Co. 3: 3; Rm. 5: 5; I Co. 6: 19,20. O Espírito Santo era a garantia (Penhor) que Paulo era de Deus e tinha a autoridade de Deus para pregar e ensinar sobre Jesus. Ap. 1: 4- 6; At. 26: 1- 18. O Espírito Santo é a garantia que Jesus Cristo com seu sangue comprou você. Ap. 5: 1- 10; Mt. 27: 1- 6; I Co. 7: 23. Como assim? Antes você não pertencia a Deus I Pd. 2: 10; Rm. 5: 12; Ef. 2: 1 – 9; Cl. 2: 4 – 17. Agora você pode dizer para o diabo: “Eu pertenço a Deus! Antes eu era a sua morada Mt. 12: 43; Ef. 2: 1- 3; agora sou morada do Espírito do Deus vivo. I Co. 6: 19 e 20; II Co. 6: 14 – 17; Ef. 2: 11 – 22. O Senhor Marcou a sua igreja Ef. 1: 13,14 firmou e findou um compromisso com ela Jõ. 14: 1- 3; At. 1: 6- 11; I Ts. 4: 13- 17, e deu como garantia o seu Espírito Santo. Jõ. 14: 15- 18; Jõ. 16: 7- 14; At. 1: 4,5; At. 2: 1- 4.

Qual a diferença do selo com o batismo no Espírito Santo? A palavra batismo significa mergulhar, emergir. A bíblia fala de dois batismos um do céu outro dos Homens, da terra. Mt. 21: 23- 25; I Jõ. 5: 7,8; um na água e outro no Espírito. Jõ. 3: 1- 5; I Jõ. 5: 7,8; At. 8: 26- 39. A bíblia só fala do batismo de João e o batismo no Espírito Santo. Mt. 21: 25; At. 18: 24,25. João Batista; embora as profecias anunciassem a sua vinda no espírito de Elias (virtudes de Elias) Ml. 4: 1- 6; Ml. 3: 1,2; Mt. 17: 1- 12; Lc. 1: 5- 17; Mt. 11: 12- 14; todo processo de seu nascimento foi humano e terreno. Lc. 1: 5- 25; Jõ. 3: 24- 31; Mt. 11: 1- 11. Por isso entendo que o batismo de João era o batismo dos homens, mencionado por Jesus. Mt. 21: 25; Lc. 3: 1- 3; Jõ. 3: 25- 31; Lc. 3: 1- 16; I Jõ. 5: 8. O batismo dos homens é o batismo para o arrependimento Lc. 3: 1- 9; At. 2: 37,38; At. 8: 26- 39.

O batismo de João é testemunho visível do arrependimento do velho homem, a morte do velho homem e a ressurreição de um novo homem. Batismo por imersão; mergulho ou sepultamento do velho homem na água At. 8: 26- 38; At. 1: 10- 47. O fim do velho e o início do novo Jõ. 12: 24,25; o surgimento de uma nova criatura. Rm. 6: 1- 6; I Pd. 3: 21; II Co. 5: 17. Batismo com o Espírito Santo significa imergir, mergulhar no derramar do Espírito Santo, batismo vindo céu. Jl. 2: 28- 32. O Espírito Santo não vai ser derramado de novo. At. 2: 16- 21. Batismo do Espírito Santo é o batismo do céu At. 8: 15,16; Jõ. 16: 7; Lc. 24: 36- 49; At. 1: 4,5; At. 2: 1,2; I Jõ. 5: 7. O batismo de João é uma decisão pessoal do homem At. 8: 26- 37; I Jõ. 5: 8. O batismo do céu é o batismo de um corpo e de todos os seus membros At. 2: 1- 4, o cumprimento da promessa de Deus para sua igreja. Jl. 2: 28- 32; At. 2: 14- 21; At. 37- 39; Gl. 3: 8- 14.

Batismo do Espírito Santo é o batismo da igreja e já aconteceu; por isto todos foram cheio do Espírito Santo e não apenas alguns. At. 2: 1- 4; Jl. 2: 28, 29; At. 2: 17,18; Mt. 16: 18, 19; Ef. 4: 1- 6. O batismo do Espírito Santo faz parte da igreja, pertence à igreja I Co. 12: 12-14. Se você faz parte da igreja de Cristo mergulhe fundo no derramar do Espírito Santo e se encha do Espírito Santo. Ef. 5: 18; Sl. 23: 1- 5.

Nos primeiros anos da igreja, no início de seu ministério ouve um mover muito grande do Espírito Santo que todos os crentes foram cheio At. 2: 1- 4; At. 4: 1- 31. Onde ouve o mover do Espírito Santo na época todos crentes se encheram do Espírito Santo, e não apenas alguns. At. 8: 14- 17; At. 10: 1- 44; At. 19: 1- 7. Era necessário, não havia tempo para ensinar, era o início da obra o evangelho tinha que ser espalhado, tinha que ultrapassar as fronteiras. At. 8: 1- 8; Atos 10: 1- 47; Jõ. 14: 12- 14.

A igreja precisava do poder At. 1: 8; Mc. 16: 15- 18. A necessidade era tamanha que os apóstolos tinham autoridade de Deus para confirmar o Espírito Santo por imposição de mãos. At. 8: 14- 17; At. 19: 1- 7. Neste caso aqui não ouve nem a necessidade da imposição das mãos At. 10: 1- 45. Porque na casa de Cornélio não ouve necessidade de imposição de mãos? Porque Cornélio e sua casa simbolizam o derramar do Espírito Santo a todos os gentios e não somente o poder. Agora não há mais necessidade de ser desta forma, temos o conhecimento, o ensino a palavra e o novo testamento, portanto agora não adianta o crente ficar esperando Deus o encher, que isto não vai acontecer. Deus não vai derramar o Espírito Santo de novo ele já foi derramado Ele já está em nosso meio. Jõ. 14: 15,16; Jõ. 16: 7; At. 2: 1- 4; At. 14: 1- 47. Ele está na igreja. I Co. 12: 12- 14; At.14: 26; II Co. 3: 3- 8.

A mensagem agora é outra. Ef, 5: 18- 20; Hb. 12: 14; I Pd. 2: 1- 5. Todos os crentes em Jesus têm o Espírito Santo Ef. 1: 13, portanto é um direito do crente desfrutar de todas as virtudes do Espírito Santo. At. 2: 37- 39; At. 10: 1- 45. Observação: Cornélio e sua família foram os primeiros gentios a receber o Espírito Santo At. 10: 1- 47, e deles o Espírito Santo se estendeu a toda igreja gentílica conforme a promessa. Mt. 4: 12- 16; Mt. 12: 18- 21; I Co. 12: 12- 14; At. 2: 37- 39; Gl. 3: 1- 8 e 13,14; At. 11: 1- 18; At. 15: 1- 14.

Porque João Batista fala batismo com fogo? Lc. 3: 16. Porque o fogo foi um sinal visível deste acontecimento At. 2: 1- 3, assim como a pomba foi um sinal visível do batismo de Jesus. Lc. 3: 21,22. E também porque fogo simboliza justiça, força e “agressividade” marcas da igreja de Cristo, marcas de quem está em guerra. Mt. 16: 13- 19; Gn. 32. 22- 31; Ez. 37: 1- 10; Is. 13: 1- 4. Marcas de quem tem a promessa. Gn. 32: 1- 12; Gn. 22: 1- 18; Gn. 28: 10- 16; Gn. 32: 1- 13 e 21 -30; Gl. 3: 13,14; I Co. 13: 12; II Co. 3: 3- 18. Observe: O ministério de Jesus começou logo após o batismo Lc. 4: 1- 19, agora vejam: O ministério da igreja também começou logo após o derramar do Espírito Santo. At. 2: 4 -47; At. 4: 1- 31; At. 5: 1- 9; At. 12: 1- 24.

A igreja é a continuidade da obra de Cristo na terra, por isto ela é o corpo. Cl. 1: 24; I Co. 12: 27; Rm. 12: 1- 5; Ef. 1: 15- 23. Se a cabeça é batizada o corpo também é. Lc. 3: 21, 22; Cl. 1: 15- 19. Se o corpo é batizado certamente seus membros também o são. I Co. 12: 12- 14; Atos 2: 1- 4; Jl. 2: 19- 32; At. 2: 1- 21; Ez. 37: 1- 10; II Co. 3: 3- 8. Não tem como separar a cabeça do corpo Cl. 15- 18, não têm como separar o corpo dos membros. I Co. 12: 12- 14. Observe: Após a descida do Espírito Santo na igreja, todos foram Cheio At. 2: 1- 4 e 37- 47, semelhante a Jesus vejam Lc. 3: 21, 22; Lc. 4: 1 e 14,15. Então porque falam batismo de poder? A bíblia não fala nada sobre batismo de poder, Jesus fala: recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo. At. 1: 8.

Tratamos o derramar do Espírito Santo como batismo de poder devido aos acontecimentos no dia de pentecoste. At. 2: 1- 12. Ao meu ver: o poder é uma essência do Espírito Santo, faz parte de sua natureza. L c.4: LC. 4: 14- 19; At. 10: 34- 38. Poder: Rm. 15: 18,19; I Co. 2: 1- 5; I Co. 12: 1- 11; Lc. 4: 14; Mq. 3: 8, assim como Consolador: Jõ. 14: 26. Amor: II Tm. 1: 6, 7; Rm, 5: 5. Intercessor: Rm. 8: 18- 27. Mestre Jõ.14: 26; Jõ. 14: 7- 14; Is. 48: 17; Is. 54: 13. Etc. Quanto mais o crente se enche do Espírito Santo, mais ele tem de sua natureza. Lc. 6: 45; II Co. 3: 3- 8; At. 4: 8- 12; Jõ. 15: 26,27. Observação: o falar em Línguas estranhas é o transbordar do Espírito Santo no espírito do crente Sl. 23: 1- 5, o crente fica muito cheio que não consegue se controlar. I Co. 14: 14-17; I Co. 14: 26- 28; I Co. 14: 32,33 e 38 - 40.

Tem crente que antes orava e cantava em línguas, hoje não ora nem em línguas e nem com entendimento, não louva nem em línguas e nem com entendimento, era cheio do Espírito Santo, agora é vazio, era um vazo que transbordava, agora é um vazo seco. Ap. 2: 4; Jó. 14: 7- 9; II Co. 4: 6,7. Você pode perguntar: O que devo fazer para desfrutar do poder do Espírito Santo? Mergulhar, imergir se encher do Espírito Santo. Ef. 5: 18- 21. Como assim? Negociando com Ele. Não estou entendendo? Buscando: Sl. 105: 4; Jr. 29: 11- 13. Clamando: Jr. 33: 3; Sl. 86: 3,4. Pedindo: Lc. 11: 5- 13. Pedir em nome de Jesus não falha. Jõ. 14: 12- 14; Jõ. 16: 24. Viva uma vida de Adoração. Jõ. 4: 23, 24. Louvai, louvai, louvai e louvai muito: Sl. 9: 1- 3; Sl. 119: 164; Sl. 22: 22. Hinos de adoração são melhores ainda. Ef. 5: 18, 19; Sl. 96: 8,9; II Cr. 7: 1- 6; I Cr. 16: 1- 34.  Muita oração: Lc. 18: 1; I Ts. 5: 17, na madrugada melhor. Pv. 8: 17; Jó. 8: 5- 7; Pv. 13: 7.

Muito jejum: Mc. 2: 18- 22; Mt. 17: 14- 21, com sabedoria. 109: 24. Muita leitura da palavra: Sl. 1: 1,2; Sl. 119: 11, 105; Is. 34: 16, com muita fome. Am. 8: 11; Lc. 4: 1 - 4. Muita fé em Jesus: Rm. 5: 1, 2; Mc. 16: 15- 18. Com muita obediência a sua palavra: Jõ. 7: 16,17; Jõ. 14: 24; Mt. 24: 35. Muito se fala em avivamento, mas avivamento só acontece quando um ou vários grupo de irmãos decide buscar a Deus com conhecimento e sabedoria. I Co. 2: 9; Jr. 33: 3; Jr. 29: 11- 13; Lc. 10: 17- 24; Pv. 13: 7.  Se Você fizer desta forma, você vai experimentar o verdadeiro poder de Deus como nunca na sua Vida. Mt. 7: 24; Lc. 17: 20, 21; Mt. 13: 44- 46 e 52.

IICORÍNTIOS 1:23 – Invoco, porém, a Deus por testemunha sobre a minha alma, de que é para vos poupar que não fui até agora a Corinto; Paulo colocava Deus como testemunha de sua alma, ou seja, Deus era testemunhava que Paulo estava sendo sincero em sua carta, Deus era testemunha dos seus desejos, sua vontade e ansiedade de estar em Corinto. Não havia alegria em Paulo, as informações que Paulo havia recebido o entristeceram, e sua tristeza seria a tristeza da igreja; por esta razão Paulo decidiu não ir a Corinto II Co. 2: 1, 2. A igreja de Corinto tinha um caráter sensível e a dureza de Paulo nas palavras iria com certeza magoar alguns irmãos II Co. 1: 16,17; I Co. 4: 17- 21.

Os crentes de Corinto acostumavam se magoar com facilidade, e por esta razão Paulo dava muitas explicações. A igreja de hoje está cheia de crentes assim, sensíveis que se magoa com muita facilidade, basta uma palavra mais áspera que o crente não quer mais ir à igreja, quer logo mudar de igreja, fica triste entra em depressão. Estes são chamados pela palavra de Deus “os fracos” I Co. 8: 9; I Co. 9: 22; I Co. 11: 30. Porque Paulo fala que foi para poupar a igreja que ele não foi a Corinto? Porque Paulo estava disposto a ir até Corinto para exortar a igreja, devido à desconfiança e a dúvida que a igreja estava tendo a respeito dos seus ensinos e da sua pessoa I Co. 4: 1 – 15; I Co. 9: 1- 3. Desconfianças e as dúvidas semeada por falsos apóstolos, obreiros da iniqüidade II Co. 11: 1 –15; II Co. 4: 1 - 5. Quantos sevos de Deus estão vivendo esta mesma situação em nossos dias? II Tm. 3: 10- 12; Jõ. 15: 20- 25; Jõ. 17: 14; II Tm. 4: 1- 4.

IICORÍNTIOS 1:24 – Não que tenhamos domínio sobre a vossa fé, mas somos cooperadores de vosso gozo; porque é pela fé estais firmados. O que Paulo está dizendo: “Nós não temos o poder de dominar a fé de vocês, a fé pertence a vocês, podem acreditar no que quiser e em quem vocês quiserem, mas saiba de uma coisa nós somos cooperadores de Deus, e como cooperadores de Deus somos cooperadores do vosso gozo, da vossa alegria do vosso prazer; por que é pela fé em Deus e em Jesus Cristo que estais firmados. I Co. 3: 10,11; Mt. 21: 42; Mt. 16: 18,19.

A igreja está liberada para crer em quem quiser e no que quiser IITs. 2: 9- 12; I Jõ. 4: 6, mas o crente só permanece firme em Deus, pela fé em Jesus Cristo e na sua palavra Jõ. 7: 16 e 17. Não há outro caminho. Jõ. 14: 6; Não há outra porta. Jõ. 10: 9,10. Ainda que a palavra seja dura é ELE sempre ELE. Jõ. 6: 60- 68; Jõ. 6: 35; Ap. 22: 17; Jõ. 7: 37,38. Portanto o crente tem que tomar muito cuidado com determinados ministérios que há por ai I Tm. 6: 3 – 10; Mt. 6: 19 – 24; Pv. 28: 20; II Co. 1: 3 e 4.


  • Pr. Ev. Sérgio Lopes - prsergio@palavrasdavida.com.br

  • II CORÍNTIOS - Capítulo 2



    IICORÍNTIOS 2:1 – Mas deliberei isto comigo mesmo; não ir mais ter convosco em tristeza. O Apóstolo, por algum motivo que o tenha entristecido, decidiu não ir naquele momento a Corinto. A carta anterior; e alguns comentários de Paulo no capítulo anterior nos fazem entender que obreiros da iniqüidade chamados por Paulo de falsos apóstolos estavam desqualificando seus ensinos e semeando duvidas sobre a sua carreira missionária e seu ministério I Co. 9: 1 – 3; II Co. 10: 1- 7; II Co. 11: 1- .15. Mas também pode ser que um episódio ocorrido na igreja, um episódio gravíssimo. A igreja não tomou a atitude que deveria tomar, e isto o entristeceu Paulo. I Co. 4: 16- 21; Ico. 5: 1, 2.

    IICORÍNTIOS 2:2 Pois eu vos entristeço, quem é que me alegrará, senão aquele que por mim foi entristecido?

    Paulo sabia que a sua presença naquele momento em Corinto não seria bom, ele não estava preparado espiritualmente para ministrar naquela igreja II Co. 1: 16, 17; II Co. 2: 1; I Co. 4: 17- 21. Você pode imaginar um pastor um líder entristecer a igreja toda e depois subir no púlpito para pregar, qual a alegria que se tem de pregar para uma igreja triste, a alegria do pregador é ver a alegria da igreja. O pregador quando é enviado por Deus ele não vê quantidade, vê verdadeiros adoradores, e verdadeiros adoradores estão sempre alegres. Sl. 122: 1; Sl. 1: 1- 3; Sl. 119: 11, 105. Sabe por quê? Sl. 101: 6; Jõ. 4: 23, 24. Finalidade do evangelho é boas novas; as boas novas não são tristeza. At. 8: 1- 8; Sl. 122: 1. O apóstolo Paulo viu desta maneira, pois se eu vos entristeço quem é que me alegrará, aquele que por mim foi entristecido, como esperar alegria de alguém que você entristeceu. Mt. 5: 23,24. A razão da tristeza da igreja seria pelo fato dela própria ter entristecido o apostolo. II Co. 2: 5. Pessoas mal preparadas estavam liderando a igreja II Co. 11: 1- 15; I Co. 3: 10- 17; I Co. 9: 1 e 2, e a igreja estava desacreditada I Co. 5: 1- 11;   I Co. 3: 1- 3; I Co. 6: 1- 11; I Co. 10: 1- 12.

    IICORÍNTIOS 2:3 – E escrevi-vos isto mesmo, para que, quando lá for, não tenha tristeza da parte dos que deveriam alegrar-me. Tenho confiança em vós todos, que a minha alegria é a de todos vós. O apóstolo Paulo sabia que o sentimento da igreja para com ele era de reciprocidade, a alegria de Paulo era a alegria da igreja; a alegria da igreja era a alegria de Paulo.

    A igreja tem que ser assim aqueles que dirigem trabalhos, que ocupam cargos de liderança tem que pensar desta maneira. O que vemos aqui é uma comunhão profunda entre o líder e seus liderados entre a igreja e seu pastor. Sl. 133. O que está escrito na Bíblia é palavra de Deus, e serve para edificar a nossa vida o nosso trabalho e aqueles que estão ao nosso redor. Jõ. 7: 16,17; I Co. 11: 1; Sl. 119: 11, 105; Sl. 1- 3; Mt. 24: 35.

    IICORÍNTIOS 2:4 – Pois em muita tribulação, e angustia de coração vos escrevi, com muitas lágrimas, não para que vos entristecêsseis, mas para que conhecêsseis o amor abundantemente vos tenho. Paulo estava passando por uma tribulação, no caso aqui a tribulação mencionada não era de ordem física, mas sim, de ordem espiritual. I Pd. 5: 8. Veja que ele continua: “Em angustia de coração vos escrevi, com muitas lágrimas. Sl. 126: 5,6. A situação da igreja e a desconfianças por parte de alguns trouxe muitas tristezas para o apóstolo Paulo II Tm. 3: 12. Desconfiança calunia difamação quando estas coisas acontecem mexe mesmo com a vida espiritual. I Pd. 5: 6; Tg. 4: 7; Ef. 6: 10- 12.

    Paulo antes de ir a Corinto estava resolvendo problemas internos I Co. 11: 28 – 32. Paulo estava combatendo consigo mesmo, combatendo para não deixar os problemas na igreja de Corinto o fazer agir pela carne II Co. 1: 16, 17; Ef. 4: 26,27; A primeira preocupação de Paulo era não entristecer a igreja II co. 2: 1, 2. Paulo menciona ter escrito esta carta com muitas lagrima, a vida daquele que leva a palavra de Deus, que ensina que se preocupa com as ovelhas que faz tudo por amor as ovelhas muitas vezes é de lágrimas Sl. 126: 5, 6. Apesar da dor na alma do sofrimento, Paulo sabia quem era que estava por traz desta bagunça. IPd. 5: 8; Ef. 6: 10- 12. Paulo aprendeu bem com o seu mestre. Mt. 10: 24,25; Mt. 5: 38- 48;  Rm. 12: 9- 21. A tristeza na carta, no coração de Paulo não era para entristecer a igreja, mas sim para que ela soubesse do amor abundante que ele tinha por eles. O pastor pode ser um grande pregador um mestre no ensino atencioso bom administrador, mas se não tiver amor pelos membros pela obra, ou seja, amor abundante, nada do que ele fizer tem valor diante de Deus. I Co. 13: 1 – 11; Rm. 13: 8; Pv. 15: 17.

    O perdão para o pecador


    IICORÍNTIOS 2:5 – Se alguém me entristeceu, não entristeceu só a mim, mas (para que não seja por demais severo) a todos vós. Vejam Paulo diz: se alguém me entristeceu, não entristeceu só a mim. Acredito que Paulo esta falando do episódio ocorrido na igreja, mencionado em I Co. 5:1- 9.

    Este acontecimento entristeceu a igreja toda. Apesar de ser um pecado gravíssimo, provavelmente ouve arrependimento por parte do irmão envolvido no caso. Lc. 18: 9- 14; Mt. 18: 15- 20. Paulo escreve a carta em tribulação e luta, mas entende. O amor tem que falar mais alto. II Co. 2: 4. A preocupação de Paulo é com o coração da igreja, perdoar é o melhor ensinamento. II Co. 2: 7. A repreensão por parte da igreja e por parte do Senhor vai ter. Rm. 13: 4,5; Gl. 6: 7.

    IICORÍNTIOS 2:6 – Basta-lhe ao tal esta repreensão feita pela maioria. Paulo fala de uma repreensão por parte da igreja, ele fala de uma repreensão moderada, Paulo aqui demonstra um grande amor pela igreja e pelas ovelhas deste rebanho. Na visão de Paulo qualquer repreensão mais dura como exclusão, disciplina como afastamento de cargos de liderança do púlpito ou do grupo de louvor pode trazer um prejuízo muito grande, a igreja inteira pode sofrer I Co. 12: 26, 27. O homem de Deus tem que ser sábio; e sabedoria é colocar o amor a frente de qualquer decisão Jõ. 3: 16;  Lc. 9: 51 – 56. Certos tipos de situações e certas decisões não devem ser tomada precipitadamente, e não devem ser decidida por um homem só. At. 15: 1- 28; Pv. 11: 14; Ex. 18: 1 – 22.

    IICORÍNTIOS 2:7 – De maneira que, pelo contrário, deveis antes perdoar-lhe e consolá-lo, para que o tal não seja de modo algum consumido por demasiada tristeza. Alguém dos envolvidos nesta mexida, nesta obra carnal e demoníaca merecia uma repreensão, Paulo pediu uma repreensão moderada por parte da igreja II Co. 2: 5, 6; Rm. 13: 8. O apóstolo pede a igreja para que antes de repreender perdoar Mt. 6: 15; Lc. 18: 15 -22; Mt. 5: 38- 48. Paulo não só pede para perdoar como também consolar, ou seja, trazer um conforto um refrigério uma paz, porque Paulo mandou fazer desta forma?

    Para que a repreensão não lançasse o irmão na rua, nas mãos de Satanás II Co. 2: 10,11; I Pd. 5: 8; Ef. 4: 27. Este viria a ser consumido pela tristeza (Depressão). Esta é a visão, sabemos que em nosso meio está Satanás Jõ. 13: 21- 27; Ef. 4: 27; I Pd. 5: 8. Os problemas dentro da igreja, que atinge a igreja e a vida da igreja (bom andamento) Satanás esta envolvido. Ef. 6: 10- 12 Mt. 16: 13- 19. O joio foi o inimigo que semeou, mas não devemos arrancá-lo Mt. 13: 24 – 29.

    Sabemos que falsos pastores Atos 20: 29 e 30; falsos apóstolos II Co. 11: 13 – 15; falsos profetas Mt. 7: 15; falsos obreiros, obreiros da iniqüidade. IITs. 2: 7. Estão em nosso meio. O amor as ovelhas, o amor a obra o amor ao Reino de Deus não devem ser comprometidos por esta situação Nm. 6: 1- 4; Mt. 16: 18. As ovelhas é a prioridade. Mt. 1- 6; Lc. 15: 1 – 7; Ez. 34: 1- 11.

    IICORÍNTIOS 2:8 – Pelo que vos rogo que confirmeis para com ele o vosso amor. A repreensão é necessária, não só necessária como traz benefícios para aqueles que são repreendidos Hb. 12: 5 – 11. A repreensão é um ato de amor Hb. 12: 6, mas ela só traz bons frutos se nela for enxertado o amor Rm. 13: 8; I Co. 13: 1- 11; Lc. 9: 51- 56; Jõ. 3: 16.

    II CORÍNTIOS 2: 9 E para isso vos escrevi, também para por esta prova saber se sois obedientes em tudo. Pelo que entendo o fato que entristeceu o apóstolo Paulo trouxe também muita tristeza para a igreja, e esta tristeza por parte da igreja estava levando ela dar uma punição grave para aquele ou aqueles que estavam envolvidos nesta obra maligna. Este assunto mencionado pelo apóstolo Paulo nesta carta tem como objetivo levar a igreja a ver importância do perdão; a ira à amargura o ódio são armas importantes para Satanás atingir o crente a igreja e o Reino de Deus Ef. 6: 10 – 12; Ef. 4: 27; I Pd. 5: 8.

    O perdão a misericórdia e o amor são armas importantes nas mãos do crente e da igreja. Jõ. 3: 16; I Jõ. 3: 18,19. Paulo escreveu para saber se a igreja realmente fazia o que ele ensinava, O que Paulo está ensinando não era fácil de ser aceito. Perdoar ninguém gosta é difícil, mas é um ato não só de amor, mas de obediência Mt. 5: 43 – 48; Rm. 12: 17 – 21; Mt. 5: 38 e 39.

    II CORÍNTIOS 2: 10 E aquém perdoardes alguma coisa também eu. E o e u perdoei, se é que tenho perdoado, por amor de vós o fiz na presença de Cristo, para que não sejamos vencidos por Satanás. Paulo sabia que o que Satanás queria era vê-lo mergulhado em um mundo de tristeza e angustia II Co. 2: 4. A tristeza e a angustia atinge a vida espiritual do crente, este é o objetivo de Satanás. Jõ. 10: 10. A tristeza e a angustia por muito tempo causa depressão e quando não causa depressão faz brotar a raiz de amargura, a raiz de amargura é o alvo final de Satanás, atinge a alma do crente e contamina a igreja toda Hb. 12: 14 e 15. Paulo percebe a obra de Satanás e logo contra atacou usando o perdão para bombardear o reino de Satanás Mt. 5: 38 e 39. Amargura vem de amargo, rancor um ódio em oculto. Jr. 17: 9. Liberar perdão, liberta deste mal. Lc. 17: 1- 4; Mt. 18: 18- 22; Mt. 6: 9- 15; Mt. 18: 23- 35.

    Paulo liberou perdão não só por amor a ele, ou seja, preocupação com a sua vida espiritual I Co. 10: 24; Rm. 12: 17,18, mas preocupado com o que Satanás estava pensando em fazer com a igreja, por isso ele diz: “O que eu tenho perdoado fiz por amor a vós na presença de Cristo, para que não sejam vencidos por Satanás”. Ef. 6: 10- 12; Mt. 16:18, 19. Paulo sabia que com Satanás não se brinca, se der brechas ele vai agir. Ef. 4: 27; I Pd. 5: 8; Mt. 16: 20- 23.

    II CORÍNTIOS 2: 11 Pois não ignoramos os seus ardis. Veja: Paulo não ignorou os ardis de Satanás, ou seja, Satanás é astuto e perigoso, com ele não se brinca vencê-lo não é tão fácil como muitos pensam. Jd. 5 – 10; Zc. 3: 1 – 4; Jó 1: 6 – 12; Jó 2: 1 – 6. Veja: formulas para vencê-lo Pv. 9: 10; Jr. 9: 23 e 24; Jõ. 7: 16,17; Lc. 10: 19- 21.

    Ministros da Nova Aliança


    II CORÍNTIOS 2: 12 Ora, quando cheguei a Trôade para pregar o evangelho de Cristo, e uma porta se me abriu no Senhor. O crente novo convertido tem que ter como primeiro objetivo ser espiritual I Co. 2: 15; Jõ. 4: 23 e 24; é muito importante ser espiritual Sl. 101: 6, as maiores experiência com Jesus somente os espirituais têm Mt. 18: 18- 20; Lc. 24: 13- 32, a glória de Deus somente os espirituais conseguem enxergar Sl. 34: 5; Is. 42: 18; Is. 45: 22, a comunhão com o Espírito Santo é somente para os espirituais I Co. 2: 9; Sl. 139: 1- 18; At. 15: 6- 28; II Co. 3: 3- 8.

    Paulo era um homem espiritual tinha visão e um objetivo Atos 1: 8; Mc. 16: 15; Gl. 2: 20, e por ser espiritual ter visão e objetivo foi alcançado pelo Reino de Deus Lc. 17: 17: 20 e 21; II Co. 3: 5 – 8. Por várias vezes o apóstolo Paulo tinha como objetivo ir a Bitinia, região da Ásia menor que ficava ao longo do mar negro, o objetivo do apóstolo Paulo era cumprir Atos 1: 8. O objetivo do apóstolo Paulo era alcançar e ganhar o mundo inteiro para Cristo Mc. 16: 15; II Tm. 4: 1,2. I Co. 9: 16- 27.

    A comunhão com o Espírito Santo o fez mudar de caminho Atos 16: 6 – 8; Paulo queria ir para Bitinia, mas o Espírito Santo tinha outros planos para ele e sua equipe, Paulo chegou a Trôades, hoje conhecida pelo nome de Eski-Stamboul é uma cidade portuária localizada na região oeste da Turquia. Paulo logo procurou um lugar para orar Lc. 18: 1; I Ts. 5: 17, como era seu costume. At. 19: 11- 13.  Mal ele sabia que ia ter que orar muito mais At. 16: 19- 26. Paulo procurou um lugar para descansar e dormir Atos 16: 9. Não têm como você alcançar o poder de Deus, receber dons espirituais e fazer a obra movido pelo poder de Deus sem ser espiritual Jõ. 4: 23 e 24; I Co. 2: 15; Sl. 101: 6.

    Paulo era espiritual e por ser espiritual, ele entendeu bem o momento Atos 16: 10; I Co. 2: 15; Deus estava abrindo uma grande porta para ele II Co. 16: 9; At. 26: 1- 18; Rm. 15: 18,19. Será que se Paulo não fosse espiritual ele teria entendido o momento? Ec. 3: 1. Claro que não; só os espirituais conseguem ouvir o Espírito Santo I Co. 2: 6 – 15; Jõ. 14: 26. Para Paulo a missão que o Espírito Santo tinha para ele era em Trôades Atos 16: 6 – 8, mas nesta noite Deus, iria mostrar para ele o destino da missão. Macedônia revelada em sonho pelo Espírito Santo era o destino de Paulo e sua equipe Atos 16: 9; Nm. 12: 6; Jó. 33: 14- 16. 

    II CORÍNTIOS 2: 13Não tive descanso no meu espírito, porque não achei ali meu irmão Tito. De sorte que, despedindo-me deles parti para a Macedônia. Provavelmente o apóstolo Paulo levantou alegre pronto para contar para seus companheiros a visão e a revelação do Espírito Santo, o destino da missão Is. 48: 17. Paulo esperava encontrar Tito em Trôades, e com isso revelar a ele os planos de Deus para eles. Pv. 16: 1; Jr. 29: 11- 13. Paulo não encontrou seu companheiro Tito, e isto trouxe a ele muita tristeza e angustia de espírito, um companheiro na obra é muito importante, pregar o evangelho nunca é bom estar sozinho Ec. 4: 9 – 12; Mc. 6: 7. Macedônia era o destino de Paulo Atos 16: 9 e 10. Tem alguém na Macedônia esperando que venhamos a passar por lá. Lc. 10: 25 – 37; Lc. 14: 22 e 23; Mc. 15: 15; Atos 1: 8. Convide alguém para passar á Macedônia contigo. Sl. 101: 6; Jõ. 4: 23, 24; Pv. 13: 7. Veja nosso estudo: “As riquezas do ide”.

    II CORÍNTIOS 2: 14 Mas graças a Deus, que sempre nos faz triunfar em Cristo, e por meio de nós manifesta em todo lugar o cheiro do seu conhecimento. A GRAÇA de Deus é a razão do triunfo da igreja, a graça de Deus é a razão do triunfo do homem, a graça de Deus é o triunfo do evangelho e do poder do nome de Jesus, a graça de Deus nos faz triunfar em Cristo Jesus. A graça de Deus qual nós os homens não somos merecedores; por isso ela é a graça (Dádiva não merecida). 

    A graça de Deus trouxe o amor de Deus em nossos corações. Rm. 5: 5; I Co. 6: 19 e 20. A graça de Deus trouxe o Espírito Santo em nossos corações e através dele nos tornamos testemunhas de Cristo. Jõ. 14: 26; II Co. 4: 6 e 7; Jõ. 15: 26 e 27; Jõ. 16: 7 – 15.

    II CORÍNTIOS 2: 15 Pois para Deus somos o bom cheiro de Cristo, tantos nos que se salvam, como nos que se perdem. Podemos entender que o bom cheiro de Cristo é o nosso testemunho de vida, a nossa mudança diante da sociedade, dos homens e do mundo Rm. 6: 1 – 11. Não é o caso aqui comentado pelo apóstolo Paulo, pois este testemunho de vida no qual podemos comparar com o bom cheiro de Cristo e o nosso testemunho pessoal. 

    O assunto aqui mencionado pelo apóstolo Paulo se refere à divulgação do evangelho, a mensagem de boas novas, a mensagem da cruz, a divulgação da salvação pelo nome de Jesus. Este bom cheiro de Cristo mencionado aqui pelo apóstolo Paulo, fala do falar de Cristo, se você prega sobre Cristo se você só ensina sobre Cristo, se na sua boca só sai mensagem de Cristo você exala o cheiro de Cristo Atos 11: 21 – 26; Lc. 6: 45; Mt. 13: 44 – 46; Mc. 9: 38 – 40. Porque Paulo fala: “Tantos nos que se salvam como nos que se perdem”? Porque o nome Jesus, não é um nome qualquer, o nome de Jesus não é um nome que se perde ao vento, ou que se esquece com o tempo. O nome de Jesus permanece, a obra de é Cristo é eterna, a salvação ou a condenação levará para a eternidade o poder do nome de Jesus Fp. 2: 9 – 11; Cl. 1: 15 – 20; Ap. 21: 1- 8; Ap. 1: 8 e 17,18.

    II CORÍNTIO 2: 16 Para este certamente cheiro de morte para morte, mas para aqueles cheiro de vida para a vida. Mas para estas coisas quem é idôneo?
    Para os que se perdem. Quem são os que se perdem? São aqueles que não aceitam este caminho, que não aceita esta fé II Co. 4: 3,4; para estes Cristo tem cheiro de morte, para estes nós portadores de boas novas Is. 52: 7; Dn. 12: 3; somos portadores de condenação, a presença de Cristo na vida daqueles pregam o evangelho Gl. 6: 17; Gl. 2: 20, para os que não aceitam o evangelho é cheiro de morte Mt. 10: 1- 13. Cheiro de morte, por causa da rejeição Mt. 7: 24- 27, mas cheiro de vida para os que aceitam. Ap. 22: 17; Is. 55: 1- 3; Is. 12: 3; Jõ. 1: 1 – 16; Rm. 10: 4- 13; Atos 5: 15 – 20.

    II CORÍNTIOS 2: 17 Nós não somos, como muitos falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade. Falsificadores são aqueles que não trabalham com o original, trabalham com imitação, não vão à busca do genuíno, são aqueles que não buscam na fonte Jõ. 7: 37 e 38; Jõ. 6: 60 – 68. Paulo fala de alguns falsificadores da palavra, talvez na Macedônia Paulo tenha encontrado muitos falsificadores, pessoas que estavam pregando mentiras e ensinando ao povo o povo a pecar contra o Senhor At. 16: 16- 23, e estes adversários podem ser os adversários mencionados pelo apóstolo Paulo I Co. 16: 9, ou ele estaria falando dos falsos apóstolos que se infiltraram na igreja de Corinto para tirar a simplicidade da igreja e pregar discórdia e rebelião II Co. 11: 1 – 15; I Co. 9: 1- 15; IICo. 4: 2- 5. Paulo diz: falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus.

    Não temos medo de falar de Cristo não temos medo de pregar a verdade, não temos medo de pregar só o que esta na bíblia. II Co. 4: 1- 7; II Co. 2: 1- 5. Falsificadores da palavra de Deus sempre existiram II Pd. 2: 1 – 3; I Jõ. 4: 1; I Tm. 4: 1; Atos 20: 28 – 30; Mt. 7: 15 – 20. O que mais temos hoje é falsificadores da palavra de Deus, de onde vêm os ministérios da prosperidade Mt. 6: 19- 24; I Tm. 6: 3- 10, de onde vem estes sinais e manifestações demoníacas que se passa pelo Espírito Santo? Doutrinas mentirosas Is. 28: 14- 16; I Tm. 4: 1; Jr. 2: 12,13; Is. 30: 1- 3; IJõ. 4: 5,6; falsificadores da palavra, enganadores e mentirosos, joio no meio do trigo servos de Satanás infiltrados no meio do povo de Deus, estes não usam o original, estes não usam o genuíno, não buscam na fonte Jõ. 1: 1 – 5; Jõ. 8: 12; Ef. 5: 6 – 11; II Co. 2: 5 – 11.


  • Pr. Ev. Sérgio Lopes - prsergio@palavrasdavida.com.br

  • II CORÍNTIOS - Capítulo 3

     

    CARTAS DE CRISTO

    IICORÍNTIOS 3: 1 - Começamos outra vez a louvar-nos a nós mesmos? Ou necessitamos, como alguns, de cartas de recomendação para vós, ou de recomendação de vós?
    O assunto aqui tratado é a continuação do assunto tratado no capítulo anterior. Louvar é engrandecer, exaltar. Veja que Paulo pergunta: “Começamos outra vez a louvar- nos a nós mesmos”? O fato de o apóstolo Paulo mencionar “outra vez”, nos faz entender que era costume de alguns buscarem glória para si mesmo (I Co 4: 6- 8). Como o apóstolo Paulo no capítulo anterior em seu testemunho comentou o seu triunfo e a sua vida semelhante a Cristo (II Co 2: 12-15; Gl 2: 20); para evitar comentários, tipo: “Ele está se exaltando” (II Co 11: 12- 15); Paulo continua: “Ou necessitamos, como alguns de cartas de recomendação para vós, ou de vós”? O apóstolo Paulo é um exemplo a ser seguido (I Co 11: 1). O apostolo Paulo tinha autoridade de Deus para entrar e sair (Atos 9: 1- 16; Atos 26: 1-18). Paulo não necessitava de cartas de recomendação de igreja nenhuma (II Co 12: 1). A sua obra o seu testemunho, falavam por si (II Co 3: 2; Rm 15: 18 e 19; Atos 19: 1-16; Atos 20: 7-11; I Co 2: 1-5). Não necessitamos louvar-nos a nós mesmos, a nossa vida e o nosso testemunho tem que falar por nós (Mt. 5: 13-16; Cl 3: 1-15; Gl 5: 16-26). Os homens exigem de nós cartas de recomendação, mas a nossa carta de recomendação é a presença de Cristo em nossa vida (Gl 2: 20; Gl. 6: 17; I Co 11: 1).

    IICORÍNTIOS 3: 2 - Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens.
    Veja o que o apóstolo Paulo diz: “Vós sois a nossa carta”. Para calar os seus acusadores e perseguidores; Paulo responde: “Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, ou seja, vos sois a nossa marca, vós sois o fruto da nossa obra, vós sois o selo do nosso apostolado”. (I Co. 9: 1-3). A igreja de Corinto era um projeto de Deus (Atos 16: 9 a Atos 18: 1-11). Projeto que Deus escreveu por obra do Espírito Santo no coração de Paulo (Atos 16: 6-10). A igreja de Corinto não era para ficar oculta, escondida longe da vista dos homens, era uma carta para ser lida por todos os homens (Atos. 26: 1-18; Ap 22: 16-20. A Palavra genuína (I Co. 2: 6,7; Cl 1: 15-17) o fundamento (I Co 3: 10,11); as doutrinas de Cristo (I Co 11: 23a), e o poder de Deus (I Co 2: 1-5), fez dela uma testemunha viva da glória de Deus (I Co 1: 1-6). O Espírito Santo esta dizendo! (Hb 3: 7; Jo 6: 63; II Co 3: 6). Você é a carta de Cristo, você é a testemunha de Cristo (Is 44: 8). Você tem o seu nome escrito no coração de Deus (Lc. 10: 19,20; Is 49: 14-16; I Co 1: 26-31; Pv 13: 17). Você é o bom cheiro de Cristo (II Co 2: 15). Você é a carta de Cristo conhecida e lida por todos os homens (Hb. 12: 1,2; Mt 5: 13-16; I Co 3: 3; Jo. 3: 16).

    IICORÍNTIOS 3: 3 - Já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração.
    Já está claro, é evidente que vós sois a carta de Cristo. Você não é a carta do homem, não foi o homem que escreveu a sua história (Rm. 5: 12-21), você é um projeto de Deus (Gn 1: 26; Rm 10: 4- 13; Is 53: 1- 11; Jo. 3: 16; Atos 16: 31). Ministrada por nós. Nós quem? O Espírito Santo (Jo. 14: 26; Is. 34: 16). Os homens de Deus (Ef 4: 7-14; II Cr. 20: 15-20; II Sm. 23: 1,2). A Palavra (Ap. 19: 1-10; II Pd. 1: 16- 21; Sl. 1: 1-3; Sl. 119: 11,105). O Espírito Santo, a Palavra os homens de Deus juntos em comunhão, trabalhando em sua vida (Atos 15: 6-28; Ap. 22: 17; Jo. 14: 15-23). Não foi caneta, lápis ou qualquer coisa semelhante que Deus usou para escrever a sua história, mas sim, com o seu próprio Espírito (Jr. 31: 31-34; Ez 36: 25-27; Jl 2: 23-29). O Espírito Santo é a pessoa de Deus dentro do homem ou da mulher de Deus; dentro de você (Ef 2: 19-22; I Co 6: 19,20; Lc 17: 19,20). O Espírito Santo é onipresente (Sl 139: 7), é ele quem te ensina (Jo. 14: 26; Is 48: 17), é ele quem decodifica a Palavra para você entender (Is 34: 16); aquele que abre o seu entendimento (Lc 24: 45; Pv 20: 27). O Espírito Santo é quem põe Palavra em sua boca, para você ensinar á outros (Mc 13: 11; II Sm 23: 1,2; Is 35: 3- 7). Onde o Espírito Santo trabalha na sua vida? Veja o que Paulo diz: “não em tabua de pedra”, ou seja, não através da lei (Gl 3: 13 e 14; Rm. 10: 4- 13). Não através da letra do conhecimento humano de Deus (I Co 2: 4; II Co 3: 6; Jo. 6: 63), mas sim nas tabuas de carne do coração, ou seja, um conhecimento íntimo e pessoal (Lc 24: 13- 32; Mt 28: 16- 18; Atos 18: 9- 10). O texto fala de um relacionamento intimo entre o Espírito Santo e o espírito do crente (Jo. 3: 1- 12; Jo. 4: 23 e 14; I Co 2: 9-15; Rm 12: 1,2).

    IICORÍNTIOS 3: 4 - E é por Cristo que temos tal confiança em Deus;
    De onde vem a nossa ousadia? Cristo nos dá esta ousadia. Diz Paulo: “E é por Cristo que temos tal confiança em Deus”. Paulo atravessou fronteiras (Atos 13: 1-4); enfrentou feras (homens maus) (I Co. 15: 30-32). Paulo não desafiou Satanás e seus demônios (Atos 26: 1-18; Atos 9: 1- 16), confiando na sua força e capacidade (Atos 18: 1-10; Jr 17: 5- 9). Paulo sabia em quem confiava (Ap. 1: 17 e 18; Mt 28: 18; Fp 2: 9-11).

    IICORÍNTIOS 3: 5 - Não que sejamos capazes, por nós mesmos, de pensar alguma coisa, como se partisse de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus.
    O verdadeiro homem de Deus sabe de onde vem a sua capacidade. As coisas concernentes ao Reino de Deus estão sob o controle de Deus e o Homem de Deus sabe disso (Is 45: 5-7). Veja o que Paulo diz: “Não que sejamos capazes por nós mesmos, de pensar alguma coisa”. O homem de Deus tem a sua mente cativa por Cristo (II Co 10: 3-5; Cl 3: 1-3). Os seus pensamentos suas decisões e suas atitudes estão totalmente sob o controle do Espírito Santo (Atos 16: 6-10; Jo. 3: 1-8; I Co 2: 9-16). Paulo continua: “Como se partisse de nós mesmo”; O homem de Deus fala coisas que você vai se escandalizar, dizendo este homem está se exaltando (I Co 11: 1);               o homem de Deus faz coisas que você vai dizer: “Nossa que homem maravilhoso”! (Atos 19: 1-16; Atos 5: 1-16; Sl 34: 5; Jo. 3: 13-16). A nossa capacidade vem de Deus; é Cristo quem faz a obra (Atos 3: 1-16; Fp 2: 5-13; Ef 4: 1-16; Atos 18: 9,10). Aquele que Deus chama ele capacita (I Sm 10: 1-7; I Sm 16: 1-13; I Sm 17: 1-57; Jo. 21: 15-17; Atos 3: 1-8; Atos 9: 36-43).

    IICORÍNTIOS 3: 6Ele nos fez também capazes de ser ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; porque a letra mata e o Espírito vivifica.
    Ele nos chamou para ser ministro de uma nova aliança, ou seja, Ele nos chamou para ministrar a salvação através da graça (Ef 2: 1-9; Jo. 8: 31-36). O povo de Israel estava preso na aliança do Sinai (Gl. 4: 21-25; e Ex capitulo 19,20). A lei que Deus entregou a Moisés em tabua de pedra. Deus chama o povo para uma nova aliança (Jr 31: 31-33), a aliança eterna (Hb 7: 22-28; Hb 8: 1-10; Jo. 3:16), Israel rejeitou (Rm 11: 1-32; Mt 23: 34-39). Com a rejeição de Israel nós fomos os beneficiados (Mt 12: 18-21; Rm 11: 33-36). Veja em estudos bíblicos no tema palavras o nosso estudo “As alianças”.

    Nós fomos chamados para ministrar uma nova aliança (Mc 16: 15; Atos 1: 8; Rm 1: 16,17); não da letra, não da lei, não o que está escrito em tabua de pedra (Rm 10: 4; Gl 3: 13,14; Hb 8: 13). A letra pelo que se entende é aquilo que se lê. A lei estava escrita em tabua de pedra, e não na tabua de carne do coração (Ez 36: 17-27; Jr 31: 28-35). A palavra esta escrita no papel, e não no coração (Is 29: 13). A palavra ela tem que estar escrita nas tabuas de carne do coração (Sl 119: 11; Rm 2: 14,15). A letra só no papel mata, no coração traz vida (Jo. 6: 63; Mt 24: 35; Hb 13: 8). Você lê, o Espírito Santo te faz lembrar, você estuda a Palavra, o Espírito Santo te ensina (Jo 14: 26. Você não consegue entender a Palavra, o Espírito decodifica para você (Is 34: 16). Porque a letra mata? Veja a lei dizia que não podia quebrar o sábado (Mc 2: 23,24); Jesus diz em caso de necessidade pode. O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado (Mc 2: 23-27). O nosso problema não é a lei, pois não somos judeus (Mt 23: 13-24), o nosso problema é letra veja: A letra diz: não permito que mulher ensine (I Tm 2: 12a). Então porque temos tantas mulheres na frente de trabalho e ensino? O Espírito Santo diz em caso de necessidade pode (Rm 11: 33,34). Os homens andam muito ocupados com seus próprios interesses (Lc 10: 2; I Tm 6: 9,10). Deus está chamando as mulheres (Is 32: 9). O ministério é o do Espírito, é o Espírito Santo que esta na frente da obra, é ele quem comanda, é ele quem manda (Ap 22: 17; Atos 15: 13-28; Atos 10: 9-20 e 24-29; Atos 16: 5-10).
    O Espírito Santo faz como ele quer, a hora que quer e com quem quiser. Veja o que Jesus falou: (Jo. 14: 15-26). O Espírito Santo veio fazer a obra de Jesus em nosso coração (Rm 5: 5). É o Espírito Santo que nos faz sentir a presença de (Cristo Lc 24: 13-32), é ele que nos da à certeza que estamos andando com Cristo (Atos 18: 9,10). Deus não nos chamou para ministrar a letra, ele nos capacitou ministrar o Espírito; Deus é Espírito (Jo. 4: 23,24). Deus não nos chamou para ministrar a morte, mas sim a vida (Jo. 6: 63). Deus não nos chamou para ministrar a letra, mas sim o Espírito (II Co 3: 2,3). Veja: Nicodemos era homem instruído, mestre, doutor em teologia da época, conhecedor da lei e de toda escritura, conhecia a letra e tinha o conhecimento humano de Deus. Conhecia o que estava escrito em tabuas de pedra, conhecia o que estava no papel, conhecia o ministério da morte, mas não conhecia o ministério da vida. Conhecia a letra, conhecia o que era humano, as coisas espirituais ele não conhecia (Jo. 3: 1-12).

    Deus não está presente no que se encontra em tabuas de pedra, Deus não está presente na letra no papel, no conhecimento humano (I Co 3: 18.19); Deus está presente no coração do crente (espírito), é no coração do crente que o Espírito do Deus vivo trabalha (espírito) (Lc 17: 19,20; II Co 6: 15,18; Ez 36: 25,27; Hb 8: 7,10).  Deus nos chamou para trazer ao povo uma aliança de vida, vida em espírito (I Co 2: 9,16). A letra mata, e o Espírito vivifica (Rm 7: 5,6). A lei não produz vida, produz morte (Rm 7: 7-9; I Co 15: 55,56). A letra não produz vida produz morte (Lc 11: 52; Mt 23: 1-39; Rm 2: 17-24). O Espírito de Deus é quem vivifica a Palavra no coração do crente (espírito) (Jo. 6: 63; Is. 34: 16; Jo. 14: 26). O Espírito de Deus é quem ensina o crente a viver uma vida agradável a Deus (Rm 2: 14,15; Rm 12: 1,2; Rm 8: 1; Gl 5: 16,17; Mc 14: 38). Contra o Ministério  do Espírito não existe argumento (Jo. 3: 1-12; Jo 4: 23,24; I Co 2: 15,16).

    IICORÍNTIOS 3: 7 - E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, ainda quem desvanecente,
    Se interpretarmos corretamente, vamos entender que a lei não era uma coisa boa (Gl 3: 10-13); veja o que Paulo diz: “E, se o ministério da morte. Porque morte”? (I Co 15: 55,56; Rm 7: 1-24). O absurdo é que muitos ainda insistem em viver pela lei (Tg 2: 10; Mt 11: 25-10; Jo 8: 32-36; Rm 10: 4; Gl 3: 15,16).  A lei foi gravada com letras em pedras, algo glorioso e maravilhoso, um espetáculo, as mãos de Deus á escreveram (Hb 12: 18-21; Dt 3: 23,24). A presença de Deus foi tamanha, que Moisés ficou todo tomado pela glória de Deus a ponto de que o povo não podia olhar para sua face; ainda que por momentos desaparecesse (Ex 34: 29-35; Ex 33: 14). Na presença de Cristo o homem brilha (Jo. 8: 12; Atos 6: 8-15; Mt 5: 14-16; Is 60: 1).

    IICORÍNTIOS 3: 8 - Como não será de maior glória o ministério do Espírito?
    Se o ministério que era para a morte, veio em glória, como não será de maior glória o ministério do Espírito? Se aquilo que era para a morte, que era pesado, difícil de carregar veio em glória (Tg 2: 10; Rm 7: 4-24), quanto mais a que veio para a vida (Jo. 10: 10; Rm 4: 25); leve e fácil de carregar (Mt 11: 25-30; Atos 16: 31), não será de maior glória? (Rm 8: 1,2). A lei que Moisés recebeu no Sinai estava gravada em tabuas de pedra (Ex 34: 1), não era perfeita ( Hb 7: 18; Hb 8: 7; Gl 3: 10-12). A lei do espírito de vida em Cristo Jesus (Rm 8: 1,2) é perfeita (Hb 8: 7-10), gravada no coração do crente pelo Espírito Santo que lhe foi dado (Rm 5: 5; II Co 3: 3; Ez 36: 25-27). A obra gloriosa do Espírito de Deus é preparar você, cuidar de você, deixar você pronto como uma noiva à espera do noivo (Jo. 3: 24-29; II Co 11: 2; I Ts 4: 13-17; Ap 19: 1-9). Veja nosso estudo: “Batismo no Espírito Santo, selo, batismo com poder ou batismo da igreja.

    IICORÍNTIOS 3: 9 - Se o ministério da condenação foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça.
    A lei veio revelar o pecado no homem (Rm 7: 7). O pecado condenou o homem à morte (Rm 7: 8-11; I Co 15: 56). Contudo isto ela veio coberta de glória (presença de Deus) (Ex 33: 14; Ex 34: 29; Hb 12: 18-21). Não será de uma maior glória, o ministério que veio fazer justiça (Rm 5: 12-21). O Ministério que veio libertar o homem do pecado (Is 53: 1-5) e salva-lo da morte (I Co 15: 55-57; Jo. 3: 16; Mt 1: 23; II Co 3: 17).                                                                                                                          
    IICORÍNTIOS 3: 10Pois o que foi glorioso, não o é em comparação com a glória inexcedível.
    Se a lei criada por Deus para o povo de Israel, vieram de uma maneira tão gloriosa, com muita presença de Deus muitos milagres e maravilhas (Hb 12: 18-21; Sl 68: 7-11). Se o ministério da morte (lei) que em pouco tempo também desapareceria foi glorioso (Hb 8: 1- 13; Hb 9: 1- 8). Não será á maior glória o ministério insuperável? (Hb 7: 11-28). Se o ministério que era para a morte foi glorioso, como não ver a glória maior no ministério da Vida (Hb 12: 22-28). O ministério eterno insuperável (Dn 2: 1-44; Fp 2: 9-11; Rm 8: 18; Rm 16: 20). Comece a viver o ministério da vida, aqui e agora (Rm 8: 1 e 2; Jo. 4: 23,24; Jõ 3: 1- 8; I Co 2: 9-15).
    IICORÍNTIOS 3: 11E se o que desvanecia teve a sua glória, muito mais tem o que permanece.
    Se o que estava chegando ao seu final teve a sua glória (Hb 8: 1-13). O que estava chegando ao seu final? O ministério da morte (II Co 3: 7). Porque ministério da morte? A morte reinou desde Adão até Moisés (Rm 5: 14). Porque a morte reinou? Porque Adão entregou o reino para ela (Rm 5: 17). E porque ela reinou até Moisés? Antes da lei havia o pecado, mas o homem não morria por causa do seu próprio pecado, morria por causa do pecado (Rm 5: 18ª; Tg 1: 13- 15). O homem morria, por que Adão desobedeceu a Deus (Gn 2: 16,17; Gn 3: 1-19; Rm 5: 14). A desobediência de Adão teve como conseqüência o domínio da morte (Rm 5: 12). Antes da lei o homem morria, mas não sabia por que morria (Rm 5: 19a; Rm 7: 7- 11; Tg 1: 13-15). A lei apontou para o homem a causa da morte (Gn 2: 16 - 17; Gn 3: 1-19). A lei passou a administrar a morte (Gl 3: 19- 23), mas não podia salvar o homem dela (Hb 7: 11-28). A morte passou a todos os homens por um homem (Rm 5: 12), e somente outro homem poderia salvar o homem da morte (Rm 5: 15-17; Is 53: 1-11; I Co 15: 55-57). A lei veio ministrar a morte até a chegada de um salvador (Gl 3: 15-25; Rm 5: 18-21; Rm 7: 1-25; I Co 55: 55-57). Se o ministério da morte que já estava perto do seu final teve a sua glória (I Co 15: 51-57; Hb 12: 18-21), quando mais digno de maior glória o ministério eterno da Vida (Hb 12: 22-24; Rm 5: 15-21; Hb 7: 11- 28; Jo. 10: 10; Jo. 14: 6; Hb 10: 19,20). O ministério de vida em espírito em Cristo Jesus (Rm 8: 1-10; Jo. 3: 1-8; Gl 5: 16,17; Mc 14: 38; Jo. 6: 63).

    IICORÍNTIOS 3: 12 – Portanto, tendo tal esperança, usamos de muita ousadia no falar.
    Veja que Paulo fala: “Portanto, tendo tal esperança”. Paulo não esta falando de uma esperança qualquer, Paulo não esta falando de algo que se espera para a vida presente (I Co 15: 19; Mt 6: 25- 33; II Tm 6: 3- 10). Paulo esta falando de uma esperança maior algo muito grande difícil de calcular o tamanho. Que esperança é esta? Esperança da glória inexcedível (Jo. 6: 60-68). A Glória insuperável (II Co 3: 10; II Co 3: 18; I Co 15: 49-54; Rm 8: 18). Quem tem essa esperança não fica intimidado no falar (Rm 1: 16,17; II Tm 4: 1,2; Mt 10: 32,33). A principal obra do Espírito Santo é não deixar você se calar (Atos 1: 8: Atos 18: 9,10; Mc 16: 15; Lc 19: 40).

    IICORÍNTIOS 3: 13 -
    E não somos como Moisés, que punha um véu sobre a sua face, para que os filhos de Israel não fitassem o fim daquilo que era desvanecia.
    Moisés entrava na presença do Senhor tirava o véu, quando saia à glória do Senhor resplandecia em sua face. Porque Paulo fala: “nós não somos como Moisés”? Durante a peregrinação de Israel no deserto, Moisés mantinha contato regular com o Senhor na tenda da congregação. Sempre que Moisés entrava para falar com o Senhor, sua face começava a brilhar, refletindo a glória da presença de Deus. Quando ele saia, tinha que cobrir o seu rosto. O brilho começava a desaparecer gradativamente, mas os israelitas não percebiam por causa do véu (Ex 34: 35). Nós não podemos esconder a glória de Deus! É isto que Paulo está dizendo: “A glória de Deus é a presença de Cristo refletindo em nossa vida” (II Co 3: 18; I Co 13: 11,12; Hb 1: 1-3). Como eu sei que a presença de Cristo, a glória de Deus está refletindo em minha vida? O Espírito Santo é quem forma a presença de Cristo no coração do crente (II Co 4: 3-7; Jo. 14: 15-26; Jo. 16: 7-15). Quando entramos na presença de Deus, quando andamos na presença de Deus, a glória de Deus tem que refletir em nossa vida (Mt 5: 13-16; Gl 2: 20; Fp 2: 13-15; I Pd 4: 13-16).

    II CORÍNTIOS 3: 14 - Mas os seus sentidos foram embotados; pois até hoje, a leitura da antiga aliança, permanece o mesmo véu. Não foi removido, porque somente em Cristo é ele abolido.
    Assim como o véu impediu a congregação no deserto de ver a glória de Deus na face de Moisés, a letra impede o crente de ver a glória de Deus que está por de traz da letra. O crente que não consegue ver a vida que se encontra na Palavra de Deus, não consegue desfrutar do ministério glorioso do Espírito (Atos 1: 8; I Co 12: 1-11; Ef 4: 7-16; Jo 14: 12). “Mas os seus sentidos foram embotados” diz Paulo. A palavra embotada, podemos entender como ficaram parados no tempo, cegados no entendimento, permaneceram no mesmo raciocínio (II Co 4: 3,4). Esperavam Messias, estudavam as escrituras, conheciam a letra (Jo. 5: 39), quando a Vida chegou, eles não enxergaram (Jo 9: 39). Não convém que seja assim conosco. A lei serviu de aio, para conduzir os judeus a Cristo (Gl 3: 24), mas depois que fé veio já não esta debaixo do aio (Gl 3: 25). A letra para nós tem o mesmo objetivo, nos conduzir á Cristo (Rm 10: 4-17). Se a letra não produzir em nós a fé (II Co 5: 7; Hb 11: 1-13), a vida de Cristo (Gl 2: 20; Gl 6: 17), e a experiência pessoal com o Espírito Santo (Jo. 4: 24; Jo. 14: 26), ela vai produzir em nós á cegueira (II Co 4: 3- 4). Conhecemos a cegueira pelos sintomas. E quais são os sintomas? Ganância (I Tm. 6: 3-10), soberba (Mt 23: 1-7) vaidade (Atos 12: 21-23), ou seja, sintomas de morte (Pv 12: 14; Pv 27: 20,21). Depois que a fé veio, eu não preciso mais, ser conduzido pela letra (II Co 5: 7; Jo 20: 24-29; Hb 11: 1-6). Se a letra não me conduzir quem vai me conduzir? Alguém que Jesus deixou especificamente para isto (Jo. 16: 7-15; Jo 14: 26; Rm 8: 22-27).
    Pois até hoje, a leitura
    da antiga aliança é lida nos templos, permanecem o mesmo véu (Atos 15: 21; Atos 13: 13-15). E os nossos pregadores e mestres que só vivem pregando e ensinando a velha aliança? Os nossos pregadores e mestre deveriam aprender mais com Pedro (Mt 16: 13-16; Jo 6: 60-68; Atos 3: 1-6). Permanece o mesmo véu, não foi removido. O véu não foi removido, a lei, a letra a antiga aliança permanece. Eles não enxergaram (Is 6: 1-10; Jr 5: 20,21). Rejeitaram a verdade (Jo. 14: 6), a liberdade (Jo. 8: 32-36) e a graça (Ef 2: 1-9); rejeitaram a vida  (Mt 21: 42; Jo. 8: 47-59). A Palavra de Deus é para ensino (Is 48: 17; Is 54: 13). A rejeição dos judeus não deve ser seguida por nós. Temos que enxergar (Jo. 9: 39); não podemos rejeitar a vida (Jo. 14: 6; I Jo. 1: 1,2; Hb 1: 1-3; Hb 12: 25-28; Ap 22: 17). Não podemos rejeitar o Espírito da Verdade (Jo. 16: 7-13). O Espírito que traz liberdade (II Co 3: 17, e graça Hb 10: 28,29; Zc 12: 10ª).
    Não podemos rejeitar a vida em espírito (Jo. 3: 1-12; Gl 5: 16,17; Jo. 4: 23,24; I Co 2: 9- 16). Não podemos rejeitar o Espírito de vida (Rm 8: 1,2). Não podemos rejeitar o Espírito dá Vida (Jo. 7: 37-39). Não podemos rejeitar o ministério glorioso do Espírito Santo (Lc 17: 20 -21; Jo. 16: 7; II Co 3: 7,8; Jo. 14: 26). Porque o véu não foi removido dos judeus até o dia de hoje? Porque só em Cristo ele é abolido (Mt 27: 32-51; Hb 10: 19,20; Jo. 10: 9; Rm 10: 4-13). A fé em Cristo Jesus removerá o véu da letra da sua face (Jo. 11: 25; Lc 24: 45; Lc 24: 13- 32). A fé em Cristo Jesus trará vida ao seu espírito (Ez 36: 25-27; Ez 37: 1-10; Jo 6: 63). A fé em Cristo Jesus removerá para sempre a morte da sua vida (I Co 15: 55-57; Ap 1: 17,18; Ap 21: 1-4; Ap 22: 1-7).
       
    II CORÍNTIOS 3: 15 - E até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles.
    Crentes antigos, velhos de igreja; os anos passaram e nada mudou, até hoje nada sabem sobre o Espírito Santo, conhecem a bíblia inteira de Genesis a Apocalipse (letra), mas nunca tiveram uma experiência pessoal com Ele. Alguns até sabem, mas conhecimento humano, coisas aprendida através de livros, ou coisas que ouviram de outros. Veja o que Paulo diz: “Até hoje; O tempo passou e nada mudou. Quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles”. Veja que Paulo não fala que o véu esta posto sobre a face deles, mas sim sobre o coração. A atuação do Espírito Santo não está nas aparências (I Sm 16: 1-7; Jo 7: 24; Lc 17: 20-21), e sim no coração (II Co 3: 3; Rm 2: 14,15; Ez 36: 25-27; Pv 23: 26). Os judeus fariseus viviam das aparências (Mt 23: 1-4) ouviam a lei de Moisés e nada mudava, o coração estava duro, a tabua era de pedra (Rm 2: 17-29). Ouviam as mensagens de Cristo (o evangelho), o coração endurecia mais ainda (Lc 23: 13-21; Atos 7: 1-60). Não convém que seja assim conosco, o véu da letra não pode endurecer o nosso coração (Hb 3: 7,8; Hb 13: 12; Hb 4: 7; Jo 6: 63).   

    II CORÍNTIOS 3: 16
    - Mas, quando um deles se converte ao Senhor, então o véu é-lhe tirado.
    Veja que há necessidade de aceitar Jesus (Rm 10: 4-13), para que o véu seja tirado. Quando o véu é tirado o judeu ganha à liberdade (Jo 8: 32- 36). Liberdade de que? Do jugo pesado da lei (Mt 11: 25-30). Para alguém se converter ele precisa aceitar a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador (Rm 10: 4- 13). Quando está pessoa aceita Jesus o véu é tirado e está pessoa ganha à liberdade (Jõ 8: 36). Como assim me explique? Fica livre do pecado (Rm 6: 1-14), do mundo  (Jo. 15: 18,19) e dos prazeres da carne (Rm 8: 1-10; Gl 5: 16,17). Então não podemos aceitar que depois de livre do pecado, do mundo e dos prazeres da carne venhamos a ser prisioneiros da letra? (Gl 5: 1; Ec 12: 11,12; Atos 26: 24). Somos prisioneiros dentro da nossa própria casa (igreja) (Mt 21: 13; Jr 2: 12,13; Is 29: 13; II Tm 2: 9).

    II CORÍNTIOS 3: 17
    - Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade.
    A lei gravada em tabuas de pedra não trouxe liberdade (Rm 7: 7-14; Rm 5: 12). Tudo que somos obrigados a fazer tira a nossa liberdade, a letra nos obriga a fazer: Obriga-nos a fazer, por quê? Porque está escrito. Temos que cumprir tudo que está escrito, ao pé da letra (Ml 3: 10; Mt 18: 7-9). E o Espírito de Deus onde entra, qual a sua função? Ensinar e lembrar o que lemos e escutamos (Jo. 14: 26); guiar-nos em toda verdade (Jo. 16: 7-15 e testificar a obra de Cristo ao mundo (Jo 15: 26,27; Atos 1: 8). Se andarmos pela letra, dispensaremos a ajuda do Espírito Santo, e dispensar ajuda do Espírito Santo, é o mesmo que dispensar a ajuda de Jesus (Jo. 15: 1-5; Mt 28: 18-20; Atos 18: 9,10.) A letra não pode nos tornar perfeitos, ninguém consegue fazer tudo que ela manda fazer (Tg 2: 10; Gl 3: 10-12; Rm 7: 9-24; Rm 2: 25-29). A lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus me livrou da lei do pecado e da morte (Rm 8:1,2; Ef 2: 1-9).

    O Cristo que traz liberdade para o judeu quando se converte (II Co 3: 14-16) é o mesmo Cristo que traz liberdade para nós (Jo. 8: 32-36). Jesus nos liberta da letra (Tg 2: 10-13; Jo 6: 60-68; Jo 17: 17). Só em Cristo Jesus nós nos tornamos perfeitos (Gl 2: 20). De que maneira? Quando deixamos o Espírito Santo nos ensinar (Jo. 14: 26; Is 48: 17; Is 54: 13; Atos 8: 26-40). Então porque a letra nos mantém preso? Os homens; eles são os grandes responsáveis, eles dizem o que devemos fazer ou não fazer (Jo 4: 20; Is 29: 13,14; Lc 11: 52). Os homens usam a letra para colocar sobre nossas costas o jugo pesado (Mt 23: 1- 4; Rm 2: 17- 23). Os homens usam a letra para satisfazerem seus desejos gananciosos e pessoais (Ag 2: 8; Ml 3: 10; Mt 7: 7- 15- 23; Jd 12-16; II Pd 2: 1-3; I Tm 6: 3-10). Satanás usa a letra para nos escravizar e obrigar a fazer a sua vontade (Lc 4: 1- 10; II Co 11: 13-15). A letra pode ser usada para muitas coisas, por isso ela mata (II Co 3: 6). A vida nova que Cristo nos traz (II Co 5: 17) é para andarmos em outra dimensão (Jo. 4: 21-24; Lc 22: 29; Cl 1: 12,13; Lc 17: 20,21; Rm 7: 1-6; Rm 2: 29; I Co 2: 15). O que pode nos colocar nesta dimensão? FÉ (Gl 3: 8-14; II Co 5: 7; Hb 11: 6; II Co 4: 18; I Co 2: 9). A onde está o Espírito do Senhor ai há liberdade. Por quê? A obra do Espírito Santo é a continuação da obra de Jesus (Jo 15: 20-27; Jo 8: 32-36; Mt 11: 25-30). Feita no coração (Ap 3: 20; Lc 17: 20,21; Jr 31: 31-33; Ez 36: 25-27; II Co 3: 3), e não nas aparências (I Sm 16: 1-7; Jo 7: 24; Lc 18: 9-14; Lc 21: 1-3). No ministério do Espírito a lei é a lei de Cristo (Tg 1: 22- 25), a lei da liberdade (Zc 4: 6b; Ef 2: 8, 9). O Espírito Santo ensina o crente a andar conforme a vontade de Deus (Rm 12: 12: 1,2; Hb 12: 1 e 2; Cl 3: 1- 3).                                      

    O Espírito Santo não obriga ninguém (Atos 15: 1-29). O Espírito Santo usa a palavra (Is 34: 16) e não a letra (I Co 3: 6). Semelhante a Jesus (Lc 4: 1-10; Jo 17:17; Lc 9: 51-56; Lc 10: 25-37; Mt 24: 35). Qual a diferença da Palavra com a letra? A Palavra é a presença (Jo. 1: 1-5; Atos 9: 1-5) você ouve (Mt 7: 24-27; Rm 10: 17; I Co 1: 21), é pessoal, é na hora (Hb 3: 7,8); não tem como fugir (Lc 24: 13-32; Sl 139: 1-18). Para a letra você precisa da visão, não precisa do ouvido. Com a visão você lê, se você quiser, e tira o entendimento que quiser. Dá letra você pode fugir. A letra é escrita no papel, pode ser mudada (Lc 18: 35) e (Mt 20: 29,30). Veja também: (Mc 5: 1,2 e Mt 8: 28). A Palavra é no coração (Sl 119: 11). A letra pode ser manipulada (Lc 4: 9-10), á Palavra ninguém manipula (Lc 4: 12). Pastor quando a letra se torna palavra? Quando eu abro a Bíblia e Deus fala comigo (Jó 33: 14,15). Você pode a dizer: Isto que o pastor esta dizendo é palavra rema? Não, o que eu estou dizendo é Palavra viva (Jo. 6: 63; Mt 24: 35; Hb 13: 8). Quando a Palavra se torna viva? Quando eu entendo isto (I Co 2: 15). E como eu entendo isto? Quando você abre a Bíblia e sente que Deus esta falando; neste momento, você esta lendo, vendo apenas a letra, mas a sua mente esta entendendo que Deus esta falando com você. Algo em sua mente diz que Deus esta falando: Você sabe por quê? Não por quê? Porque você esta ouvindo. Ouvindo como; com que ouvido? Ouvindo com o coração (espírito) (Jo 4: 23,24). Com ouvidos espirituais (I Co 2: 9-15), Isto é vida em espírito (Rm 8: 1,2).

    O que o Espírito Santo escreve em seu coração ninguém pode manipular (II Co 3: 3; Rm 2: 14,15). Mas a letra, aquilo que você lê por vontade humana e adquire conhecimento humano de Deus (Atos 26: 24; Ec 12: 12; Is 29: 13), estes podem ser facilmente manipulados (Rm 1: 18-23; II Pd 3: 15,16; Ap 2: 18-20; II Co 11: 13-15; Mt 24: 4-11 e 24). Podem ser facilmente manipulada por quê? Porque a letra está escrita em tabuas de pedra, e a Palavra é escrita pelo Espírito do Deus vivo nas tábuas de carne do coração (espírito) (Jr 31: 33; Ez 36: 25-27; II Co 3: 3). Tire as pedras e você vai entender este mistério (Hb 12: 14,15; Mt 6: 9-15; Mt 5: 43-48; Pv 13: 7).  

    II CORÍNTIOS 3: 18
    - Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.
    Mas todos nós; o assunto tratado aqui nesta carta, não esta só relacionada com os judeus e lei, até porque esta igreja não era formada só por judeus convertidos. Os judeus em sua conversão tinham que separar Cristo da lei (Rm 10: 4).
    Os gentios (nós hoje) quando se convertia o necessário era aprender a separar a obra de Jesus Cristo e o ministério glorioso do Espírito Santo, da letra (II Tm 4: 1-5; I Co 4: 17-20; I Co 2: 1-5). Com o rosto descoberto, ou seja, livre do véu. Paulo podia falar bem sobre este assunto, pois ele o dominava muito bem. Quando era Saulo ele estava debaixo do véu (Atos 7: 54-58; Atos 8: 1). Até o dia que? (Atos 9: 1-16). Paulo era mestre na letra (Atos 22: 1- 3).
    O que aconteceu? (Atos 22: 6,7a; Fp 3: 1-11). O dia em que Paulo encontrou com Jesus, o véu que cobria seu coração foi despedaçado (Atos 9: 1-4). O véu que lhe impedia de enxergar a glória de Deus caiu de sua face (Atos 9: 8-18). Veja o que um rosto descoberto e um coração livre do véu podem fazer com um crente livre da letra (Atos 26: 1-18; Dn 2: 1-35; Mt 24: 10-14; Mc 16: 15).
    A hora é agora, o tempo é hoje (II Co 6: 2); já esta na hora de você despertar do sono (Rm 13: 11). Encontre a vida (Jo. 6: 63); liberte- se da letra, agora (Ef 5: 14); encha- se do Espírito Santo (Ef 5: 17,18). Só o Espírito Santo pode nos fazer refletir a glória do Senhor. Como assim? Transformando-nos (Mt 5: 13,16; II Co 5: 17) através da Palavra (Sl 119: 11 e 105; Sl 1: 1-3; Pv 9: 10; Hb 4: 12). Transformando- nos de glória em glória na mesma imagem (I Co 15: 45-53; I Co 13: 11,12), como pelo Espírito do Senhor (Jo. 14: 15-26; Jo 16: 7-15). Ninguém se converte e já ganha um corpo glorificado (I Co 15: 49-53). Ninguém se converte e já é transformado. A transformação é no dia a dia, acontecem os poucos. Cada dia o Espírito Santo trabalha um pouco nesta transformação, uma glória hoje outra glória amanhã, todos os dias (Sl 84: 7). Este é o ministério glorioso Espírito Santo. Vida trabalhada, transformada; não pelo homem, não pela letra, não pelo conhecimento humano, mas pelo Espírito do Senhor (Sl 139: 7; Gn 1: 1-3; II Co 4: 7). Veja em Mergulhando na Palavra: I Coríntios, a igreja de hoje.


  • Pr. Sérgio Lopes - prsergio@palavrasdavida.com.br

  • II Coríntios - Capítulo 4


    Tesouro em vaso de barro


    II CORÍNTIOS 4: 1
    Pelo que, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos.
    De que ministério Paulo estava falando? Ministério da nova aliança, ministério da vida, ministério do Espírito (II Co 3: 1-6). Deus chamou Paulo para ser ministro de uma nova aliança (Ef 2: 1-9; Ef 3: 1-12; Atos 9: 1-20; Atos 26: 1-18). Todos os que são chamados por Cristo Jesus para a pregação do evangelho (Mc 16: 14,15); foram chamados para ser ministro de uma nova aliança (Lc 4: 18,19; Atos 1: 8; I Pd 2: 6-10; Jo. 3: 16).  A nova aliança é uma nova oportunidade (Ef 2: 11-17; Rm 5: 1-11). Que oportunidade? Perdão da dívida (Cl 2: 4-15; Is 53: 1-11; Rm 5: 12-21) .
    Caminho livre para o encontro com Deus (Am 4: 12). Livre acesso ao Pai (Hb 10: 19-22). Livre acesso á Vida (Jo. 14: 6). Como assim não estou entendendo? Passaporte, entrada para o Reino (Lc 22: 29; Mt 16: 13-19; Cl 1: 12,13). Ainda não estou entendendo? Presença, Vida, mundo espiritual (Jo. 4: 23,24; Jo. 3: 1-8; I Co 2: 9-16). Não á letra, não á história, mas Jesus o Cristo o ungido a Palavra viva de Deus (Jo. 1: 1- 14; I Jo. 1: 1; Ap 19: 11-13), presente vinte quatro horas por dia em nossa vida (Lc 17: 20,21; Mt 28: 18-20; Atos 18: 9,10). Então eu não devo me interessar pelas histórias da Bíblia? As histórias que estão na Bíblia estão nela para ser lida. O Espírito Santo só vai lembrar você daquilo que você lê. Somente aquilo que você ouve e lê é que vai ficar na lembrança. A Bíblia inteira de Genesis a Apocalipse é para ler e aprender.
    Agora aprender com quem? (Jo. 14: 26; Is 34: 16; Jo. 16: 7-15; Jo. 15: 26,27. Este é o ministério do Espírito; homens cheios do Espírito Santo ministram a Vida que está por traz da história, e da letra (II Cr 20: 15-20; I Sm 17: 1-51). O Espírito de Deus dentro de nós (Ef 2: 18-22; I Co 6: 19,20) transforma a letra em Palavra viva de Deus (Hb 4: 12; Jo 6: 63). Quem compreende este mistério? (Ef 1: 3-10; Ef 3: 1-3). Misericórdia de Deus presente em nossa vida (Lm 3: 22; Jo. 3: 16; Lc 9: 51-56; II Co 12: 1-9). Tempo da nova aliança é o tempo de desfrutar do ministério de reconciliação (Ef 2: 11-16; Rm 5: 1-11). Tudo isto provem de Deus, que também nos chamou para exercer este mesmo ministério (II Co 5: 18-19; I Tm 2: 1-5; Mc 16: 15).

    II CORÍNTIOS 4: 2
    - Pelo contrário, rejeitando as coisas que por vergonha se ocultam; não andamos com astúcia, nem falsificamos a palavra de Deus. Antes, recomendamo-nos à consciência de todos os homens, na presença de Deus, pela manifestação da verdade.
    Não desfalecemos pelo contrário rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam. E onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade (II Co 3: 17). O que Paulo está dizendo é; não enfraquecemos, não sedemos nem um pouco, não fazemos parceria (II Co 6: 11-14). O Espírito de Deus nos guiara em toda verdade (Jo. 16: 7-13; Ef 5: 6-10). A liberdade do Espírito é para adorar (Jo. 4: 19-24), e não para servir á demônios (I Tm 4: 1-2; Ef 4: 7-14; Ef 5: 5-12; II Co 11: 10-15). Não andamos com astúcia, ou seja, não usamos de espertezas, não usamos a letra para enganar os ouvintes (Lc 4: 9- 11). Malaquias 3: 10 é fácil; quero ver cumprir este? Mt 5: 27-30; Ou este? Mt 19: 21. Nem falsificamos a palavra de Deus.  Aqueles que manipulam a letra; manipulam porque tem objetivo.  Qual objetivo? Agradar o ego, agradar o ouvinte (Atos 12: 21-23).  Desejos de conquistas,  glória, honras, poder, riquezas e bens financeiros (I Tm 6: 3-10). Estes não têm nada haver com o ministério do Espírito (Jo. 3: 30; II Pd 2: 1- 3). Como vou discernir a palavra falsificada, dá palavra verdadeira?
    O Espírito Santo vos guiara ás palavras verdadeiras (Mt 6: 19- 33; Mt 24: 4,5). Ele vos guiara ás palavras do Senhor Jesus (Jo. 14: 26; Jo. 15: 26-27; Jo. 6: 63; Jo. 7: 16-17). O Espírito Santo vos guiara ao fundamento (I Co 3: 10,11), a Rocha (Mt 7: 24,25), á Palavra viva de Deus( Hb 1: 1,2), ao verbo vivo de Deus (Jo. 1: 1-14; Ap 19: 11-13). Veja que Paulo faz uma recomendação: Paulo recomenda á consciência dos homens, e não a ciência dos homens (I Co 3: 18,19). O Espírito Santo trabalha na consciência dos homens (II Co 10: 3-5; I Co 2: 9-16), e não com ciência dos homens (I Co 1: 25 e 26). Na presença de Deus, e não na letra (II Co 3: 3-6). Paulo continua: pela manifestação da verdade, ou seja, pela palavra da Verdade (Jo. 17: 17). Ministrada pelo Espírito da Verdade (Jo. 15: 26,27; I Co 4: 19,20; I Co 2: 1-5; Rm 15: 18,19). A obra do Espírito Santo é ensinar você o caminho da Verdade (Jõ 14: 26). Então conhecereis a Verdade e Verdade vos libertará (Jo. 8: 31,32; Jõ 14: 6).        

    II CORÍNTIOS 4: 3
    - Mas, se o nosso evangelho ainda está encoberto, para os que se perdem está encoberto.
    Por que Paulo fala; mas, se o nosso evangelho? Porque o evangelho é nosso, é meu é seu é nosso é de todos é para todos (Jo. 3: 16; I Tm 2: 1-6; Ef 2: 1-9). Veja que Paulo continua; está encoberto. O nosso, o meu o seu evangelho está encoberto. O amor, a graça, a misericórdia o perdão de Deus para toda humanidade (Rm 10: 4-13; Rm 5: 1-11; Ef 2: 11-22), ainda está encoberto. E o que nos espanta, é que não está encoberto só para as pessoas que estão lá fora, mas dentro da igreja temos muitos que ainda não entenderam nada (Os 4: 6a). Para os que se perdem está encoberto (Lc 4: 1-7). A letra não é o caminho, o conhecimento humano não é o caminho (Pv 14: 12; II Co 3: 6). O Objetivo da Palavra de Deus não é desviar ninguém do caminho, mas sim apontar o caminho (Jo. 14: 6); mostrar a porta Jo. 10: 9, matar a sede (Jo. 7: 37; Ap 22: 17) e saciar a fome (Jo. 6: 32-35).

    II CORÍNTIOS 4: 4
    - Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.
    O Crente tem que ter um alvo. O crente tem que ter um objetivo. Qual o alvo; qual objetivo? Riqueza, dinheiro, bens materiais, poder, honras, glórias? São estes os nossos objetivos (I Co 15: 19)? Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos. Para Paulo o crente que não tem o Reino de Deus em primeiro lugar no seu o objetivo já é incrédulo. A luz do evangelho esta apagada em seu coração e pior, o entendimento esta cegado pelo diabo (Lc 4: 1-7; Mt 6: 24). O diabo te cegou; você está cego, você é incrédulo. A Bíblia não pode nos induzir a estes interesses (Lc 4: 1-7). O objetivo da Palavra de Deus é outro (Mt 6: 25-33). O diabo tem cegado o entendimento de muitos (Is 30: 1,2; Jr 2: 12-13). O diabo esta usando a letra para desviar o crente do foco (Ef 4: 27; I Pd 5: 8). Veja que Paulo continua: “Para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imgem de Deus”. Todas estas ofertas é para cegar os entendimentos dos incrédulos. Qual objetivo de se manipular a letra e falsificar a Palavra de Deus? Desviar o crente do foco, do alvo, impedir a luz do evangelho de entrar, impedir o crente de desfrutar da glória de Cristo, que é a imagem de Deus. Não desvie do alvo (Hb 12: 1,2; Fp 3: 2-14). Não desvie o foco, permaneça olhando para Ele (Sl 34: 5; Jo. 3: 14-16; Atos 16: 19-31; I Ts 4: 13-17).

    II CORÍNTIOS 4: 5
    - Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus.
    A obra do Espírito de Deus é Cristocentrica (Atos 1: 8). O pregador é separado pelo Espírito Santo para pregar Jesus (I Co 2: 1- 5; I Co 3: 10,11; Atos 26: 1- 18). Tem muitos pregadores que falam tanto de si, que acabam esquecendo-se de falar de Jesus. Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus. Paulo pregava Jesus (I Co 2: 1-5) As pregações de Paulo estão na Bíblia para nos servir de ensino (I Co 11: 1). Ninguém foi chamado para pregar a si próprio, e nem foi chamado para ficar falando de si; e muito menos foi chamado para pregar bens materiais, riquezas e bens financeiros (Mt 6: 19-24). Jesus enviou o Espírito Santo aos seus servos para outros tipos de mensagens tais como: Mensagens da glória de Deus (Cl 1: 15-19; Rm 11: 33-36); do poder de Deus (Mt 28: 18; Fp 2: 9-11); de vida (Atos 5: 17-20); mensagens da Cruz (I Co 1: 18; Cl 1: 15-20; Cl 2: 4-15). Jesus enviou o seu Espírito Santo aos seus servos para a pregação de boas novas (Lc 4: 18,19; Is 52: 7). Pregação do evangelho do Reino (Lc 22: 29; Mc 16: 15; Rm 1: 16-17; Mt 10: 32-33). Como eu entendo este assunto? (Rm 5: 1-21; Ef 2: 1-22; Atos 4: 1-12; Rm 10: 4-13). Somos servos de Cristo (Jo. 15: 15-27). Foi Cristo quem nos chamou e capacitou (II Co 3: 5). Chamou-nos e capacitou para que? (Atos 1: 8; Mc 16: 15; Mt 4: 18,19). O servo faz o que o seu senhor manda, Paulo era servo do Senhor Jesus (Gl 2: 20); e você é servo de quem? (Mt 6: 24; I Tm 6: 3-10; Pv 28: 19-20; II Pd 2: 19b).

    II CORÍNTIOS 4: 6
    - Pois Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, é quem brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.
    Das trevas resplandecerá a luz; onde Deus disse? Em sua Palavra viva (Jo. 6: 63). Deus disse: - “Haja luz, e houve luz” (Gn 1: 3). E a Terra estava sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo (Gn 1: 2a). Quem é a terra? Você é a terra. Antes do Senhor você não tinha nada, você não era nada, você era vazio (a), as trevas tomavam conta da sua vida. A sua vida era um profundo abismo, mas também havia águas. O Espírito de Deus se movia sobre a face da águas (Gn 1: 2b). Como assim não estou entendendo? A Palavra de Deus entrava você ouvia, mesmo não entendo nada, mesmo com vida em pecado, perdido no mundão, você sentia Palavra dizendo: “você está errado” (Jo. 10: 16). Era o Espírito de Deus se movendo sobre a face das águas (Rm 2: 14 e 15; II Co 3: 3). Antes de haver luz na sua vida, o Senhor já andava com você (Is 42: 16; Sl 139: 12). Um dia na sua vida, disse Deus: “Haja luz, e houve luz” (Rm 10: 8-11). As trevas da sua vida se transformaram em luz (Jo. 3: 16; Jo. 8: 12) e brilhou em seu coração o conhecimento da glória de Deus, Jesus Cristo o Rei dos reis, o Senhor dos senhores (Ap 19: 11-16). O Senhor de tudo (Mt 28: 18; Fp 2: 9-11; Ap 1: 17,18; Jo. 11: 25,26; Cl 1: 15-19).

    II CORÍNTIOS 4: 7 -
    Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós.
    Jesus Cristo é o maior tesouro, a maior riqueza que você pode alcançar nessa Terra (Mt 13: 44-46). Alcançar esta presença, desfrutar desta presença, é alcançar e desfrutar do poder e da sabedoria de Deus (I Co 1: 24; Cl 2: 1-3).  Quanto mais fé eu tenho em Jesus, mais cheio do Seu Espírito eu fico (Ef 5: 18). Quanto mais eu me encho do seu Espírito (Ef 5: 18) mais vontades eu tenho de falar de Jesus (Atos 1: 8; Lc 6: 44,45). Jesus é o tesouro que esta dentro de nós (Jo. 14: 15-23). Nós somos os vasos de barro (Sl 31: 9-12; Jr 18: 1-6). Quando eu falo de Jesus, prego, ensino e dou testemunho dele, eu estou repartindo com o ouvinte este grande tesouro que esta dentro de mim. Porque acontece desta maneira? Para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós (I Co 2: 1-5; Rm 1: 16,17; Rm 11: 33-36; Cl 1: 15-19; Fp 2: 9-11).

    II CORÍNTIOS 4: 8 -
    Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.
    Viver e desfrutar desta presença traz luta, traz provas (Mt 7: 14; II Tm 3: 10-12). Veja o que Paulo diz: “somos atribulados, mas não angustiados”, a tribulação faz parte da vida do crente (II Co 8: 2; Rm 12: 12); angustia não. “Perplexos, mas não desanimados”, ou seja, surpreso com tantas lutas, mas não desanimados. Desanimar não resolve; a promessa acontece no tempo de Deus (Ec 3: 1; Js 14: 1-14; Sl 37: 23-25; Sl 27: 14).

    II CORÍNTIOS 4: 9 -
    Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos;
    Se você resolver viver verdadeiramente Jesus Cristo, você vai ser perseguido (Jo. 15: 18-21; II Tm 3: 10-12). Perseguido, mas não desamparado, ou seja, você não vai estar sozinho; a partir do momento que você tomou a decisão de aceitar Jesus na sua vida (Rm 10: 1-13) fique sabendo de uma coisa; sozinho você não esta e nunca vai estar (Lc 24: 13-32; Atos 18: 9,10; Mt 28: 18-20; Sl 34: 7; Sl 91: 7-12). Abatidos, mais não destruídos, ou seja, sofremos o impacto, sentimos o desgaste na pele, somos humanos e sentimos a dor como qualquer outro, mas continuamos em frente (Fp 3: 12-14; II Tm 4: 6-8; Hb 12: 1-2; Sl 84: 7). Perdemos algumas batalhas, mas a guerra nós não perdemos (Rm 16: 20; Is 10: 27; Is 12: 3-6; Rm 8: 37). 

    II CORÍNTIOS 4: 10
    Levando sempre por toda a parte o morrer do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos;
    O Que Paulo esta dizendo é: “renunciei tudo” (Mt 10: 37,38; Gl 1: 13-16; Fp 3: 5-11) renunciei a própria vida (Gl 2: 20; Gl 6: 17). Para que Jesus venha á ser exaltado será necessário que nós venhamos a sair de sena (Jo. 3: 30). Para que a vida de Jesus se manifeste em nós, precisamos renunciar a nossa própria vida (Rm: 6: 1-7; Cl 3: 1-3; Ef 2: 1-5; II Co 5: 17). Precisamos estar crucificado com Cristo (Rm 6: 6-7. Cl 3: 1- 3). Paulo enfrentou a morte, enfrentou as feras (homens maus) (I Co 15: 32; I Co 3: 1-8); enfrentou Satanás e seus demônios (Atos 16: 13-24). Não se calou. A maior obra do Espírito Santo em nossa vida é não nos deixar calar (Atos 1: 8; II Tm 4: 2; Mc 16: 15; Mt 10: 32,33). Siga em frente, não se cale (Atos 18: 9,10; Lc 19: 40). Não tenha medo (Lc 21: 15-19; Ap 1: 17,18; Fp 2: 9-11).

    II CORÍNTIOS 4: 11- E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal.
    Veja o que o apostolo fala: “nós que vivemos”. Vivemos como? Que tipo, de vida Paulo esta falando? Lógico que ele não esta falando de alguém que vive uma vida na religiosidade, preocupados mais consigo mesmo (I Co 3: 1-3). Paulo esta falando de alguém que vive para Jesus, que vive com o objetivo de anunciar o Reino de Deus (Lc 22: 29). Estes estão entregues a morte todos os dias, o dia todo (II Tm 3: 10-12; Mt 16: 24-25; Jo. 17: 14-15; Jo. 15: 18-25). Esta experiência com Jesus (Jo. 14: 15-23; Lc 24: 13-32), não é para qualquer um (Sl 101: 6; Jo 4: 23-24). Como assim? É preciso entrega, renuncia (Gl 2: 20; Gl 1: 10-16; Fp 3: 4-11). 

    II CORÍNTIOS 4: 12
    De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida.
    Veja que Paulo fala: “de maneira que em nós opera a morte”, Paulo esta falando dele e da sua equipe; Paulo esta falando do sofrimento que passa aqueles que decidem pregar o evangelho (Atos 12: 1-17; Atos 13: 49-52; Atos 16: 9-26; Atos 17: 1-9; Atos 19: 23-40; II Co 11: 30-33). Tudo isso para que? Para que a Palavra em espírito e em verdade (II Co 4: 2) chegue a o coração daqueles que pela fé irão herdar a salvação (Atos 10: 8 e 17; Atos 26: 16-18; Rm 1: 16-17; Rm 5: 1). Hoje esta muito fácil pregar o evangelho. Será? (I Ts 5: 3). Aqui no Brasil não é proibido pregar o evangelho, não sofremos perseguições; não somos impedido; temos o beneficio da facilidade. O diabo aqui usa outras estratégias (Gn 3: 1-7). Não estou entendendo me explique? Liberdade (I Co 8: 9; Lc 11: 52; Is 8: 20); estamos indo além das fronteiras da Verdade (Lc 4: 1-12; Jo. 7: 16-17; Jo. 8: 31-32).

    II CORÍNTIOS 4: 13 - E temos, portanto, o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos.
    Temos, portanto, o mesmo espírito de fé. O que Paulo esta falando? De dons espirituais é que não é.  Paulo não esta falando do dom da fé (I Co 12: 1-9). O Apóstolo Paulo está falando da fé que opera para a salvação (Rm 5: 1-11; Rm 3: 28; Ef 2: 1-9). Como está escrito: “Cri, por isso falei”, Paulo ouviu, acreditou e não duvidou (Atos 9: 1-6; Rm 10: 17). Por isso ele não se intimidou (Mt 10: 32-33; Rm 1: 16- 17; Mc 16: 15). Veja que Paulo fala: “como está escrito, cri, por isso falei”. Porque Paulo cita esta passagem das escrituras (Sl 116: 10a). Por que a Palavra é viva? (Jo. 6: 63). Se a Palavra ficar só no papel, ela é somente a letra, mas se ela sair do papel para a pratica, ai ela se transforma em vida (II Co 3: 3-6; Jr 31: 33). Paulo continua: “Nós cremos por isso falamos”; Cremos no que? Na Palavra; por isso falamos (II Tm 2: 1-11; Sl 119: 11 e 105, Sl 1: 1-3; Nm 23: 19; Js 21: 45).

    II CORÍNTIOS 4: 14
    - Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus, nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco.
    Paulo não estava em busca de dinheiro, riqueza, fama glória e honra vinda de homens. Paulo estava em busca de algo maior, bem maior (Fp 3: 12-14; Fp 1: 15-23; I Ts 4: 13-17; Ap 19: 1-9). A astucia de satanás tem levados muitos a se desviar do alvo (Hb 12: 1- 2; Sl 34: 5). Como assim me explique? Interesses, bens financeiros; o mundo é o alvo. O mundo é o objetivo, o crente esta perdendo o foco (Mt 25: 1-13; Lc 12: 13-21; I Tm 6: 3-10). Paulo esta falando: olha no dia em que o Deus que ressuscitou Jesus ressuscitar vocês, ele certamente nos ressuscitara, e nos apresentará juntamente com vocês (I Ts 4: 13-17). Portanto meus irmãos os patriarcas, os reis, os profetas, os apóstolos todos vão ressuscitar no mesmo dia (II Pd 3: 1-8; Jó 19: 23-27; Is 25: 6-9).

    II CORÍNTIOS 4: 15
    - Tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, torne abundantes as ações de graças para glória de Deus.
    Todo sofrimento por causa do evangelho tem recompensa (I Co. 15: 58; Is 40: 10-11). A recompensa para Paulo era a igreja, o crente. Paulo amava a igreja, Paulo amava o crente. Paulo sofreu muito para que evangelho iluminasse a mente dos crentes da cidade de Corinto (II Co 4: 1-6; II Co 10: 1-5). O objetivo de Paulo era fazer chegar a aqueles crentes a graça (Jo. 3: 16). A graça quebra o jugo (Mt 11: 25-30), a graça liberta (Jõ. 8: 32-36). Paulo não queria que ela somente chegasse, mas também que fosse multiplicada (Jõ 15: 1- 5). Deu resultado; a graça tornou abundante, e nos alcançou (Dn 2: 1-35; Jo. 10: 10; Is 55: 1-3; Ap 22: 17).

    O desígnio e efeito das aflições

    II CORÍNTIOS 4: 16
    - Por isso não desfalecemos. Ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.
    Quer você queira, quer você não queira você que aceitou Jesus você entrou em batalha espiritual (Ef 6: 10-18). Paulo vivia em batalha, entendia e conhecia de batalha espiritual (II Co 10: 3-4; Ef 4: 27; I Pd 5: 8). Em batalha espiritual você não pode desfalecer (Jr 12: 5). Batalhas espirituais só vencem os que perseveram (Rm 8: 18; Rm 12: 11-12; Tg 1: 2- 4). Veja o que Paulo fala: Ainda que o nosso homem exterior (aparência física) se corrompa. Paulo não esta falando de corrupção (pecado), Paulo esta falando de desgaste, sofrimento por causa do evangelho (II Tm 3: 10-12).
    O assunto aqui tratado fala de combates, batalhas lutas em níveis espirituais. A batalha é na carne (I Co 10: 13), o sofrimento é visível (Gl 5: 16-17; Rm 7: 15-24; Mc 14: 38; Mt 16: 20-23; Lc 22: 31-62). Paulo continua: o interior, contudo, se renova cada dia. Paulo não cedia nada. Paulo não dava lugar ao diabo (Ef 4: 27). Quanto mais sofrimento o diabo impunha sobre a sua vida, mais ele buscava o Senhor (Atos 16: 9-26; Jr 33: 3; I Ts 5: 17; Lc 18: 1-8). Paulo aproveitava cada experiência, todo dia era dia de crescimento (Rm 5: 1-4; II Co 3: 17-18; II Pd 3: 15-18). Paulo era um verdadeiro adorador (Rm 11: 33-36). O verdadeiro adorador adora no homem interior (espírito) (Jo. 4: 23-24).
    As lutas travadas na carne edificam o homem interior (espírito) (Is 48: 10). Quanto mais o crente espiritual sofre mais alegria ele tem na pregação do evangelho (Atos 5: 1-41; Atos 13: 13-52). É o homem interior que se renova cada dia (Lc 1: 46-47). É o homem interior que a cada dia fica mais forte (II Co 4: 7-11; Rm 7: 22-25; Rm 8: 1; Gl 2: 20; Jo. 6: 63). É o homem interior que a cada dia experimenta, mais e mais desta vida abundante (Jõ. 10: 10). È nas batalhas espirituais que o Senhor se revela (Atos 18: 1- 10; Atos 16: 9-26; Dn 3: 1-25).

    II CORÍNTIOS 4: 17
    - Pois a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós o eterno peso de glória acima de toda comparação.
    Paulo sofreu de mais por causa do evangelho (II Co 11: 1-33; II Tm 3: 10-11). Paulo apanhou muito (Atos 16: 9-23). Passou pela morte muitas vezes (II Co 1: 8- 9; II Co 4: 11). Paulo sofreu tudo isso na carne. A vida na carne para ele era somente para glória de Deus (I Co 9: 15; Fp 1: 21-22). O sofrimento para Paulo, por maior e mais pesado que fosse não era para se comparar com o tamanho, e com peso que tem aquilo que espera os que sofrem por causa do evangelho (Rm 8: 18; I Co 2: 9; II Co 12: 1-4). Paulo trata o peso o tamanho do seu sofrimento como uma leve momentânea tribulação. Como se comparar com um homem deste? (Gl 3: 20) Como comparar a nossa fé com a fé de um homem deste? (II Tm 4: 6-8). Paulo tinha um alvo (Fp 3: 12-14). Paulo tinha um objetivo (Fp 1: 15-23).
    O alvo e objetivo de Paulo não estavam neste mundo (II Co 12: 1-9). O Alvo que Paulo buscava não tinha como alcançar lutando no nível deste mundo (Jõ. 15: 18-19; Jo. 17: 6-14). As lutas de Paulo aconteciam nas regiões celestes (Ef 6: 10-12). O diabo tem se infiltrado dentro das igrejas e através das novas doutrinas tem levado o crente a se desviar do alvo e do objetivo (I Tm 4: 1; II Pd 2: 1-2; Jd 3-16). Não se desvie do alvo (Hb 12: 1-2; Sl 34: 5); não se desvie do objetivo (I Ts 4: 13-17; Ap 19: 1-9). O Peso da tribulação não se compara com a glória que há de vir (Rm 8: 18;  Ap 21: 1-4; Ap 22: 1-4).

    II CORÍNTIOS 4: 18 – Portanto, nós não atentamos nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem. Pois as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.
    O objetivo do evangelho não é ensinar o crente a buscar as coisas deste mundo (Tg 4: 4-5). Pois tudo que há no mundo, é a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. Não sou eu que estou dizendo e a palavra (I Jo 2: 15-17). Este também não sou eu que estou dizendo é a palavra (Jo. 17: 14-16). Veja o que Paulo esta falando a esta igreja: nós não atentamos nas coisas que se vêem, ou seja, nós não estamos interessados nas coisas que se vêem os nossos olhos não estão voltados para aquilo que o mundo pode nos oferecer       (I Jo. 2: 17; Lc 4: 1-12). Aqueles que estão envolvidos na pregação de um evangelho de interesses, de um evangelho voltado para este mundo, voltados para aquilo que os nossos olhos podem e gosta de ver, estão totalmente tomados por outro espírito (Lc 4: 1-7; Is 30: 1-2; II Co 11: 13-15; I Jo. 4: 1).
    Com certeza não é o mesmo Espírito que estava atuando em Paulo (I Tm 6: 3-10). O Espírito que estava atuando em Paulo era o mesmo que atuou em Jesus (Jo. 15: 26- 27; Mt 6: 19-24;  Lc 12: 13-21; Mt 19: 16-21). Veja que Paulo continua: mas nas coisas que se não vêem. Ao contrario do que muitos pregam, a fé é acreditar no invisível (Hb 11: 1-13), e não no visível. Eu não preciso ver acontecer para provar que tenho fé (Jo. 20: 24-29), ao contrario eu preciso crer naquilo que eu não vejo (II Co 5: 7). A fé de Paulo estava no futuro estava naquilo que ele não via naquele momento (Hb 11: 1- 16), mas ele sabia que iria alcançar (II Co 4: 17; Rm 8: 15-18). Porque arriscar? Porque colocar tudo em jogo? Porque dar ouvido á estes espíritos enganadores? (I Tm 4: 1). Não vale o preço a ser pago (I Co 9: 15; Ap. 20: 11-15). O mundo passa (Is 65: 17-25; Jo 2: 15- 17 ). As coisas que se vêem são temporais (passageiros). Justamente as que eu não vejo é que são eternas (I Tm 1: 17; Hb 11: 24-27; Ex 3: 1-17). Então eu tenho que buscar as que eu não vejo? Sim! Como que eu faço para buscar as coisas que eu não vejo? (Jr 33: 3). Olhos espirituais, ouvidos espirituais, vida em espírito (Jo. 4: 23-24; Jo. 3: 1-8; I Co 2: 9-15). Veja nossos estudos: nos temas “Batalha Espiritual e Vida em Espírito”.



  • Pr. Sérgio Lopes - prsergio@palavrasdavida.com.br

  • II Coríntios - Capítulo 5


    A esperança do crente


    II CORÍNTIOS 5: 1 - Sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos da parte de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus.

    Paulo fala; se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer. Que casa é esta, que o apostolo Paulo esta falando? Será que Paulo esta falando da nossa residência, de uma casa linda, de um lindo apartamento na beira de uma praia, ou até mesmo a uma casa simples em um bairro residencial qualquer? Paulo não esta falando nada disso. Paulo esta falando da morte do nosso corpo, do fim de um ciclo (Jo. 12: 23-25; Ec 12: 1-7; Sl 90: 1-10; II Pd 1: 13- 14). Veja que Paulo fala: “se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer”, ou seja, o tabernáculo não vai desfazer, mas somente a casa. Que tabernáculo é este; e a onde ele está? Dentro da casa, dentro de você (Lc 17: 20- 21). Tabernáculo é o templo, o santuário (II Co 6: 16; I Co 6: 19).  O lugar sagrado (Hb 9: 1-3). O lugar escolhido por Deus para a manifestação da sua glória (Nm 9: 15). Você que aceitou Jesus, você que é crente em Jesus (Rm 10: 4- 13), você foi escolhido por Deus para ser um tabernáculo a morada de Deus em Espírito (Ef 2: 11-22). Você pela sua própria vontade decidiu aceitar Jesus como seu Senhor e Salvador e com esta sábia decisão você ganhou a sua alma e uma nova vida (II Co 5: 17). Esta vida se deu no seu espírito (Rm 7: 1-22; Rm 8: 1-2; II Co 3: 3).
    O seu espírito é o tabernáculo, o lugar sagrado (Hb 9: 1-3), o lugar escolhido para manifestação da glória de Deus (Nm 9: 15- 16; Lc 17: 20-21; Lc 1: 46-47). Como assim não estou entendendo? Você vive dentro de um corpo, mas você não é o corpo, você é mais que o corpo. Você é uma pessoa, tem vida dentro deste corpo, dentro deste corpo tem uma alma. Você não é o corpo, você é a alma (Gn 2: 7; I Co 15: 45). O corpo é pó, e pó volta para a terra, o espírito é de Deus e para Deus voltará (Ec 12: 7; Gn 3: 1- 19). A alma é sua, você é que decide o que você vai fazer com ela (Lc 12: 13-20). Por isso nós dizemos, temos que salvar uma alma (Pv 11: 30; Tg 5: 19-20). Você é a alma a ser salva. Quando tudo isto acabar, quando este corpo se desfizer, você não terá com o que se preocupar (Is 53: 1-11; Jo. 3: 16). Temos a certeza que teremos da parte de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus (Jo. 14: 1-3; I Ts 4: 13-17; Ap 19: 1-9). Veja nosso estudo: “Espírito, Alma e Corpo do que somos formados”.    

    II CORÍNTIOS 5: 2 - E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu;

    Veja que Paulo esta falando do homem interior (II Co 4: 16). É o homem interior que deseja ser revestido desta habitação. É o homem interior que geme, deseja, busca e adora Deus em espírito e em verdade (Jo. 4: 23-24; Jo. 3: 1-8; I Co 2: 15). Este desejo ardente, essa busca que parece insana pelas coisas de cima (Cl 3: 1-3); é o desejo de ser revestido desta habitação (Fp 3: 12-21; I Co 15: 53). Tudo que vivemos, e vemos tudo àquilo que os nossos olhos podem contemplar é maravilhoso, mas não pode se comparar com aquilo que nos aguarda (Rm 8: 18; I Co 2: 9; II Co 12: 1-4; Rm 11: 33-36). Veja que Paulo fala; revestido da habitação do céu. Paulo fala, revestido e não vestido. Por quê? No dia do revestimento (I Co 13: 12; I Co 15: 52- 53) será necessário estar vestido (Ap 3: 18). Paulo não esta falando de algo relacionado com este mundo. Paulo esta falando algo diferente das mensagens e dos ensinos de hoje (Jo. 3: 12). As mensagens e os ensinos de Paulo eram para produzir espiritualidade (I Co 2: 9; II Co 3: 18; I Co 13: 11- 12), as mensagens e os ensinos de Paulo tinham o objetivo de levar o homem a Deus (Rm 12: 1-2; II Co 10: 4-5). As mensagens e os ensinos de hoje é para satisfazer carne. As mensagens e os ensinos de hoje tem como objetivo levar o homem aos bens materiais, dinheiros, riquezas (Lc 4: 1-7; Mt 6: 24; I Tm 6: 3-10). Boa parte das mensagens de hoje tem como objetivo levar o crente a desviar o os olhos do alvo (Sl 34: 5; Hb 12: 1-2). Desviar o crente do foco (I Ts 4: 13-17; Ap 19: 1-9).       

    II CORÍNTIOS 5: 3 – porque, estando vestidos, não seremos achados nus.

    Por que estando preparados naquele dia não seremos pegos de surpresa (Mt 25: 1-13). O objetivo das mensagens e os ensinos de hoje e deixar você despreparado, para que naquele dia você seja pego de surpresa (Amós 4: 12). Agora quem tem esse interesse? (Lc 4: 1-7). O Espírito Santo através da palavra de Deus esta ai, para ensinar e preparar você (Jo. 14: 26). A obra do Espírito Santo é preparar você para que naquele  grande dia, você não fique de fora (II Co 11: 2; Ap 22: 17; Ap 19: 1-9).

    II CORÍNTIOS 5: 4 - Pois também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos angustiados; não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida.

     Pois nós que estamos neste tabernáculo. Nós que vivemos no espírito, o nosso homem interior (Rm 7: 22; II Co 4: 16) geme angustiado (Rm 7: 24); não porque queremos tirar estas vestes, voltar a traz, negar a fé (Hb 10: 38-39; II Co 5: 7; II Co 4: 16-18). Têm muitos que por dinheiro, riquezas estão votando atrás negando a fé (Ap 3: 17-18; Pv 14: 12). Paulo não estava nem um pouco preocupado em ajuntar riquezas, bens materiais (Mt 6: 24; Pv 28: 20), Paulo desejava ardentemente estar com Cristo (Fp 1: 15-23). Paulo não queria ser despido, mas revestido. Revestido de que? Do imortal (I Co 15: 51-53; Fp 3: 20-21). A imortalidade começa aqui (II Co 3: 18; I Co 13: 12). A vida eterna começa aqui (Rm 10: 4-13; Jo. 3: 16). Você pode começar a experimentar este revestimento já aqui e agora (Rm 8: 1). Como assim não estou entendendo? Basta que o seu mortal, (homem natural) seja absorvido pela Vida (Jo. 14: 6); deixa Jesus te possuir (Gl 2: 20), fazer morada em você (Jo. 14: 15- 23).   

    II CORÍNTIOS 5: 5 - Ora, quem para isto mesmo nos preparou foi Deus, o qual nos deu também o penhor do Espírito.

    Não tenha duvida, foi Jesus que te escolheu (Jo. 10: 16; Jo. 15: 16; Jo. 3: 16). Quem te preparou foi Deus. Você não vai ficar de fora da festa (I Ts 4: 13- 17; Ap 19: 1- 9). Como você pode me garantir que eu não vou ficar de fora? Se você aceitou Jesus, você esta dentro. Se você crer em Jesus não só você, mas toda a sua casa (Atos 16: 31). O Espírito Santo é a garantia, O Espírito Santo é o penhor que Deus deu a você (Ef 1: 13-14). O Espírito é seu (Atos 2: 38-39). Cuide bem dele, ele tem ciúme (Tg 4: 4- 5); Se entristece (Ef 4: 27-30); Se irrita (Mq 2: 7ª), e se afasta (I Ts 5: 19; Lm 1: 16; II Co 5: 3).

    II CORÍNTIOS 5: 6 – Pelo que estamos sempre de bom ânimo, sabendo que, enquanto estamos presentes no corpo, estamos ausentes do Senhor.

    O Espírito Santo não é somente a garantia; ele também é o consolador é ele que nos da vigor, restaura a nossa energia e renova a cada dia o nosso animo (Sl 143: 10). O animo de Paulo, vinha de um longo trabalho que Jesus vinha fazendo em seu espírito (II Co 12: 1-10; Rm 7: 1-25; Fp 4: 10-13). Paulo sabia as dificuldades de se servir a Cristo (II Tm 3: 10-12). A batalha se trava no corpo (Gl 5: 16-17), é a carne que sofre (Rm 8: 18). Somente com os olhos no invisível (II Co 4: 18), lutando em outro nível (Ef 6: 10-12), você consegue passar por esta batalha (II Co 10: 3- 4). Vai passar pela fornalha da aflição (Is 48: 10), mas vai sair com os ânimos renovados (II Co 3: 18). Sabemos que enquanto estamos presente no corpo, estamos ausentes do Senhor.
    Enquanto estamos presente no corpo, vivemos pela fé (Hb 10: 38). Somente pelos olhos da fé, nós vamos entrar na terra prometida (Gl 3: 7; Rm 5: 1-11; II Co 5: 7). Somente pelos olhos da fé nós iremos alcançar a promessa (Jo. 14: 1- 3; II Co 5: 1). Somente pela fé nos vamos vencer esta batalha (Hb 11: 1-6). Esta batalha se vence olhando para o invisível (II Co 4: 18), só vence olhando com olhos espirituais (I Co 2: 15). Estamos ausentes do Senhor no corpo, mas no espírito não (Jo. 4: 23-24; Jo. 3: 1-8). Paulo queria ver Jesus, Paulo queria estar com Jesus (Fp 1: 15-23). Paulo já tinha estado lá (II Co 12: 1-4), Paulo sabia que era algo incomparável (Rm 8: 18; II Co 4: 16-17; Rm 11: 33-36).   

    II CORÍNTIOS 5: 7 - (Andamos por fé, e não por vista).

    Andamos pó fé, e não por vista. Não sou eu que estou dizendo é a palavra de Deus que esta dizendo; mas não é isto que se prega por ai. Damos o dizimo por queremos ver e resposta de Deus, bem dentro do nosso bolso. Vamos à igreja porque nos fazem promessa de bens materiais e riquezas (Pv 28: 20; I Tm 6: 3-10). Não esta á fé, que Paulo tinha e ensinava (II Co 4: 18). Paulo fala da mesma fé que Jesus pregava e ensinava (Mt 6: 24- 33; Mt 19: 16- 22; Mt 6: 24). A fé que nos ensina a Bíblia é a fé no invisível, e não no visível (Hb 11: 1; Rm 1: 18 -25; Rm 5: 1). 

    II CORÍNTIOS 5: 8 - Mas temos confiança, preferindo deixar este corpo, para habitar com o Senhor.

    Faço esta pergunta a você: você prefere deixar este corpo, para habitar com Cristo? Você prefere deixar este mundo, família, parentes, amigos, os prazeres, os lazeres tudo de bom que você vê neste mundo, por causa de Cristo? Este tipo de fé não é para qualquer um (Cl 3: 1-4). Desejar deixar este corpo para habitar com Cristo é somente para os que o ama (Jo. 14: 15-23; Jo. 12: 23-26; Jo. 21: 15-19). Paulo fala: mas temos confiança, preferindo deixar este corpo (Fp 3: 12-14; Fp 1: 15-22). Paulo estava convicto daquilo que tinha alcançado (II Tm 4: 6-8). Paulo tinha certeza da sua salvação, e que tinha cumprido bem o seu ministério (II Tm 4: 6-7). Paulo não tinha nada a temer (I Jo. 4: 18). Não amava o mundo (Tg 4: 4- 5; I Jo. 2: 15-17), amava Cristo (I Co 8: 3; II Tm 4: 8; I Co 16: 22). Veja que Paulo esta falando no plural; a palavra esta colocando você no contexto (Jo. 6: 63-68; II Co 3: 3-6; Jo. 14: 15-23). 

    II CORÍNTIOS 5: 9 – Pelo que muito desejamos ser-lhe agradáveis, quer presentes, quer ausentes.

     Paulo fazia de tudo para agradar a Cristo. Antes de conhecer Jesus Paulo já amava a Deus. Paulo por falta de conhecimento perseguiu a igreja (Atos 9: 1-16); Paulo perseguiu a igreja por zelo das coisas de Deus (Fp 3: 5- 6). Segundo a justiça Paulo foi irrepreensível (Jr 9: 23-24). Antes de conhecer Jesus Paulo já era um verdadeiro adorador. Na presença ou na ausência Paulo era um verdadeiro adorador (Gl 2: 20; Jo. 4: 23-24; Jo. 3: 1-8). Jesus conhece os corações. Jesus conhece aqueles que erram querendo acertar. Paulo errava querendo acertar, por isso Deus o escolheu (Mq 4: 13; I Co 15: 58). Se você tem errado querendo acertar, não se preocupe as promessas do Senhor vão te alcançar (Is 49: 14-16; Am 8: 7; II Sm 9: 1-13).

    II CORÍNTIOS 5: 10 - Pois todos devem comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.

     Fazendo bem, ou fazendo mal, todos terão que prestar conta a Deus. Se Você esta fazendo o mal, você vai receber pelo mal que você esta fazendo (Jd 12-15). Se você esta fazendo o bem, você vai receber pelo o bem que você esta fazendo (Lc 10: 25-37). Se você esta fazendo a obra de Deus de qualquer jeito, você vai receber pela obra mal feita que você esta fazendo (Jr 48: 10ª; Pv 18: 9; I Co 3: 10-17). Se você esta fazendo a obra com zelo, com amor assim como Paulo fez, você vai receber pelo seu zelo e pelo seu amor (I co 15: 58). Se você esta pregando a palavra de Deus você vai receber por estar pregando a palavra de Deus (Sl 126: 6; Is 52: 7), se você está só sentado ouvindo você vai receber, por estar só sentado ouvindo (17: 6-10; Mt 10: 32-33; Mt 7: 24- 25; Mc 16: 15).  

    O ministério da reconciliação

    II CORÍNTIOS 5: 11 - Assim que, conhecendo o temor do Senhor, tentamos persuadir os homens. O que somos é manifesto a Deus; e espero que nas vossas consciências sejamos também manifestos.

    Paulo conhecia a palavra de Deus sabia o quão perigoso é andar fora dos caminhos do Senhor (I Co 10: 1-11; Hb 10: 26-31). A salvação das almas era prioridade na vida de Paulo (Pv 11: 30). Paulo fez de tudo para livrar o homem, daquilo que espera aqueles que não aceitam Jesus (Jd 22-23ª). Paulo usa a palavra persuadir nesse texto: Á palavra persuadir nesse texto tem outro contexto: não significa iludir enganar, enrolar ou usar a palavras para seduzir os homens por interesses pessoais (Atos 20: 28-30; I Tm 6: 3-10; Jd 12-16). Paulo amava o necessitado, Paulo amava o perdido (I Co 9: 19- 27; Mc 12: 28-31). Veja o que Paulo fala: Assim que conhecendo o temor do Senhor, tentamos persuadir os homens. Paulo procurava persuadir os homens a seguir a Cristo (II Co 10: 3-5).
    Paulo através de seus ensinos procurava tirar de dentro do homem tudo que estava enraizado no seu raciocínio (II Co 10: 4- 5; Rm 12: 1- 2; I Pd 1: 13- 16). Tudo aquilo que impedia o homem de ver a luz (Jo. 8: 12), e o impedia de enxergar a Cristo (II Co 4: 3- 6; Cl 3: 1- 3; II Co 4: 18). O que somos é manifesto a Deus. O que Paulo esta dizendo é: nós não temos nada que esconder, a nossa vida, o que somos, e o que pregamos esta claro diante de Deus (II Co 4: 1-2; Gl 1: 9-16; Lc 12: 1-3). Paulo continua: e espero que nas vossas consciências sejamos também manifestos. Pela palavra pregada, e ensinada, você quem crê no que está escrito na Bíblia; sabe quem vem em nome do Senhor e quem não vêm (Atos 17: 10-11; Sl 119: 105; Jo. 14-26. Is 34: 16). O que Paulo esperava da igreja de Corinto era o reconhecimento de que ele era um homem de Deus (I Co 9: 1-3; I Co 2: 1-5; I Co 11: 1).

    II CORÍNTIOS 5: 12 - Não nos recomendamos outra vez a vós; mas damos-vos ocasião de vos gloriardes por nossa causa, para que tenhais que responder aos que se gloriam na aparência e não no coração.

     Paulo não via tanta necessidade de dar tantas explicações. A sua obra o seu testemunho, sua mensagens falavam por si (Rm 15: 18-19; I Co 1: 18; I Co 3: 10-11; I Co 2: 1-5). A igreja era abençoada justamente por causa do alicerce. O fundamento era a razão de a igreja ser bem estruturada (Mt 7: 14- 27). E quem, pois o fundamento? (I Co 3: 10-11; I Co 2: 1-5; Jo 14: 15-23). Como é hoje; naquele tempo também tinha os que só viviam de aparências. Paulo não ensinou a igreja de Corinto a viver de aparências (Gl 6: 1-14; Rm 2: 24-29). Paulo ensinou à igreja de Corinto a vida e não a letra. A vida está dentro do coração (II Co 3: 3-6), e não nas aparências (I Sm 16: 1-7; I Cr 28: 9; Sl 119: 11). Esta palavra esta escrita para que você venha se gloriar em Cristo Jesus e não nas aparências (Gl 2: 20; Jo 3: 30; Pv 13: 7).

    II CORÍNTIOS 5: 13 - Se enlouquecemos, é para Deus; e, se conservamos o juízo, é para vós.

     O que fazemos aos olhos do homem natural (I Co 2: 14) parece loucura (I Co 1: 18, 28). Se enlouquecermos é para Deus. Se fizermos loucuras, se enfrentamos a morte, se enfrentamos as feras (homens maus), se passamos fome, se não temos lugar certo para morar ou dormir é para a glória de Deus (II Co 4: 16-17; Rm 8:18); e se conservamos o juízo, é para vós; ou seja, se mantemos o raciocínio, se nos guardamos se renunciamos o nosso ego, a nossa vida é para vós (I Co 8: 13; I Co 10: 32-33; Fp 1: 15-26). O enlouquecer de Paulo não é o enlouquecer que muitos pregam Por ai. O que pregam por ai, é utopia. Usam a palavra de Deus para enganar o crente (Rm 4: 17). Como assim irmão explique? Andante (andarilho), pobre maltrapilho vira milionário do dia para a noite (Jó 34: 14-19; Tg 2: 1-5; Dt 10: 17; Dt 15: 11). Para estes pregadores todos os dias caem milhões de dólares do céu (Ag 2: 8; Mt 6: 24; I Tm 6: 3-10).

    II CORÍNTIOS 5: 14 – Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos, logo todos morreram.

    Se olharmos para o amor de Cristo nós vamos ficar constrangidos; julgamos nós isto: Jesus não pensou nele (Fp 2: 1-8) Jesus pensou em nós (Mc 14: 32-36). Jesus aceitou morrer na cruz por minha causa, por sua causa, por nossa causa (Is 53: 1-11). Por que nós ficaríamos constrangidos? Por que vamos à igreja; qual motivo que vamos à igreja? Estou respondendo uma pergunta com outras perguntas para você entender. Vamos à igreja só para pedir? Jesus não pediu nada se entregou, se ofereceu de graça, para que a graça de Deus abundasse sobre a nossa vida (Rm 5: 12-17-20). Existe uma maneira de retribuirmos esta graça. Como? Morrendo (Jo. 12: 23-26). Como assim não estou entendendo? A palavra responde (Rm 6: 1-8; Cl 3: 1-10; Ef 4: 17-32; Ef 2: 1-10)

    II CORÍNTIOS 5: 15 - E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou.

    Porque Jesus morreu por todos nós? Alguma coisa aconteceu para que Jesus tivesse que morrer por nós (Gn 3: 1-15). Nós, eu quero dizer o homem, Jesus morreu por todos (Jo 3: 16). O homem sem Jesus já está condenado (Rm 5: 12). Qual a forma de retribuirmos a Jesus, por este tão grande amor? (Ct 8: 7). Não vivendo mais para nós, mas sim para ele (I Co 6: 20; Cl 3: 1-3). O texto fala de renuncia (Gl 2: 20; Lc 14: 33). Aqueles que tomam esta decisão recebem bem mais de Jesus (Sl 101: 6; Jo 4: 23-24). Estes demonstram com um coração sincero que amam verdadeiramente a Deus (Jo 14: 15-23), são recompensados por isso (I Co 2: 9; Pv 8: 17; Jr 33: 3). 

    II CORÍNTIOS 5: 16 - Assim que daqui por diante a ninguém conhecemos segundo a carne. Ainda que tenhamos conhecido a Cristo segundo a carne, contudo agora já não o conhecemos deste modo.

     Paulo esta falando daquele homem velho, daquele que morreu (Cl. 3: 1-3). A igreja e lugar da habitação de novas criaturas (I Co 5: 17); cidadãos do céu (Fp. 3: 20; I Pd. 2: 9-10). Agora se você não é deste mundo (Jo. 15: 1- 19) você não pode viver na carne (Rm 8: 1). Deus é Espírito não tem como se relacionar com ele vivendo na carne (Jo. 4: 24), portanto chegou há sua hora (Jo. 4: 23; Sl 101: 6). Agora é o momento de você ter um encontro com Deus (Amós 4: 12). Ainda que tenhamos conhecido a Cristo segundo a carne. Todos nós, só tivemos conhecimento da pessoa de Jesus Cristo através da Bíblia e a Bíblia fala de Jesus homem segundo a carne. Jesus Cristo veio em carne (I Jo. 4: 1- 2). Jesus seguiu todos os procedimentos de um homem normal desde o seu nascimento (Lc 1: 26-38; Mt 1: 18-25) na adolescência (Lc 2: 39- 48), e depois adulto (Lc 3: 21-22; Lc 4: 1-19). Contudo agora já não o conhecemos deste modo, através da letra e da história. Agora como nova criatura, como homens espirituais (Jo 3: 1-8; I Co 2: 15), não podemos ver desta maneira (II Co 4: 18; Mt 18: 20). Jesus está vivo (Mc 16: 1-6; Atos 18: 9-10). Jesus esta presente na nossa vida (Jo 14: 15-23 Ef 2: 11-22; Mt 28: 18-20).  

    II CORÍNTIOS 5: 17 – Portanto, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram tudo se fez novo.
    Ninguém consegue ser nova criatura se não estiver em Cristo. Estar em Cristo Jesus vai além do conhecimento humano. Somente uma vida de verdadeiro adorador nos leva a entender isto (Jo 4: 7-24). Estar em Cristo Jesus vai além da religião (Mt 23: 1-28; Is 29: 13). Quem esta em Cristo Jesus ganha uma nova vida (Jo. 10: 10) e não uma nova religião (Jo. 6: 22- 68). Quem está em Cristo Jesus ganhou uma nova oportunidade (Jo. 3: 16). Que oportunidade? Acesso ao Pai (Jo 14: 6; Hb 10: 19-21) através de uma vida em espírito (Rm 8: 1; Jo. 3: 1-12). Quem está em Cristo Jesus sua dívida foi paga, não deve mais nada para o diabo (Cl 2: 4-15; I Co 18). As coisas velhas passaram (Is 43: 25; Jr 31: 33- 34; Rm 5: 12-21). Tudo se fez novo (II Co 4: 4-6; Gn 1: 1- 3). Você é um novo homem; ganhou uma vida nova e um novo companheiro (Ef 1: 13). Cuide bem deste novo companheiro (Tg 4: 4-5). É este companheiro quem vai te ensinar e lembrar você das palavras do seu mestre (Jo. 14: 15-26), e te guiar em toda verdade (Jo. 16: 7- 14; II Co 3: 3). É ele quem vai limpar a casa (Lc 11: 14-25), substituir o velho pelo novo (Mt 9: 14-17; Gn 1: 1- 4). Muitas coisas que fazem parte do velho homem, o novo homem tem que entender que passou (Rm 6: 3- 10). O Espírito Santo vai falar na mente deste novo homem (I Co 2: 16). Vai ensiná-lo (Jo. 14: 26). Vai ensinar este novo homem a separar o que é velho do que é novo (I Co 2: 15; I Co 5: 7; Atos 10: 9- 15; Gn 1: 4).  

    II CORÍNTIOS 5: 18 - E tudo isto provém de Deus que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação,

    Ser nova criatura é muito mais do que regras, doutrinas; é mais, muito mais do que uma mudança externa provocada pela força humana e religiosa (Mt. 23: 1-28; Is 29: 13). Se entendermos o que Deus fez por nós, então saberemos o que é ser nova criatura.

    Deus nos reconciliou com ele mesmo. O Que Jesus fez por nós La na cruz foi trocar a sua vida pela a nossa (Is 53: 5; Cl 2: 13-14; I Co 1: 18). Por que Jesus fez isso? Nova criatura mencionada pelo apostolo Paulo neste texto significa uma nova oportunidade (Hb 10: 19-20) uma nova vida (Rm 8: 1-2),um novo caminho (Jo. 14: 6; I Tm 2: 1- 5). Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo (Lc 4: 18- 19; II Co 5: 19; Jo. 3: 16). O Homem estava morto, mas morto não por causa dos seus pecados (Rm 5: 18- 19). Como assim irmão? O pecado de Adão passou a todos os homens e separou o homem de Deus (Rm 5: 12; Is 59: 1,2). Tudo isto provém de Deus. Foi da vontade de Deus, era plano de Deus era promessa de Deus (Gn 3: 1-15). Foi um acordo entre o Pai e o Filho antes de tudo (Cl 1: 15-20; Fp 2: 5-11; Rm 11: 33-36). Cristo veio desfazer a obra do diabo (I Jo. 3: 8; Gn 3: 1-24). E restabelecer a paz entre Deus e os homens (Ef 2: 11-14; Rm 5: 1- 11). Paulo continua: e nos deu o ministério de reconciliação. Deus deu a Paulo, deu a mim e deu a você o ministério de reconciliação (I Co 2: 1-5). A obra que temos que fazer é uma só: levar o filho perdido de encontro ao Pai (Lc 15: 11-32; Lc 14: 21- 23; Lc 19: 10). Deus nos chamou para fazer a mesma obra que ele fez através da vida de Jesus (Lc 4: 18-19). Qual obra? Reconciliar os homens com Ele (Jo. 10: 16; Atos 1: 8; Mc 16: 15). Cada vez que levamos um pecador arrependido aos pés de Cristo, e ele o aceita como seu Senhor e Salvador (Rm 10: 4-13), estamos exercendo o ministério de reconciliação (Tg 5: 13-20; Pv 11: 30; Lc 15: 1-10).   

    II CORÍNTIOS 5: 19 - Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação.

    Paulo diz: Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo. Jesus era homem (Mt 13: 53-56), por isso a bíblia o chama de o filho do homem (Mc 13: 24-26; Ap 1: 13; Mc 8: 38; I Tm 2: 5). O Cristo veio como homem em carne e sangue, morreu como homem e ressurgiu como homem (Hb 4: 14-15; I Jo 4: 1- 3; Jo. 20: 19-27; Atos 7: 54-56). Assim como nós precisamos do Espírito Santo para fazer a obra, Jesus também precisou (Lc 3: 21- 22; Lc 4: 1- 19. Nós recebemos parte do Espírito, Jesus recebeu a plenitude do Espírito (Jo. 3: 34-35; Cl 1: 15-19). A plenitude que estava em Cristo Jesus era Deus reconciliando o mundo consigo mesmo. Deus estava em Cristo Jesus através do Espírito Santo. O homem Jesus aceitou a missão que Deus lhe entregou não foi rebelde (Fp 2: 5-8; Is 53: 1-11). Foi recompensado por isto (Fp 2: 9-11; Atos 7: 54-56). Jesusaceitou a missão de ser o preço pago pelos nossos pecados (Cl 2: 4- 14; Mt 27: 1- 6). Deus estava no mundo através de Seu filho Jesus, tirando a divida que pesava sobre nossas costas (Rm 5: 1-21; Ef 2: 1-9; Atos 16: 31). A palavra que temos, a palavra que recebemos, é a palavra que temos que pregar (II Tm 4: 1-2). Deus pôs em nós a palavra da reconciliação (Rm 10: 8-13). É esta palavra que temos que levar ao perdido (I Co 2: 1-5). O que é a palavra da reconciliação? A palavra da reconciliação é Jesus (I Jo. 1: 1; Jo. 1: 1-13; Ap 19: 11-13; Ef 2: 11-16; Cl 1: 15-20; Jo. 3: 16; I Co 3: 10-11).    

    II CORÍNTIOS 5: 20 - De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamos-vos da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus.

     Paulo diz que somos embaixadores de Cristo: Somos os representantes de Cristo na terra. Estamos aqui para representar Cristo. A nossa missão não é representar a placa, a denominação ou o ministério. Veja que Paulo nos chama de embaixadores de Cristo. É Cristo que tem que ser exaltado é Cristo que tem que ser pregado (Atos 1: 8; Atos 8: 1-5; Mc 16: 15). É Cristo que tem que crescer (Jo. 3: 28-30; Fp 2: 9- 11; Dn 2: 1-35). Paulo continua: Como se Deus por nós rogasse. Deus intercedeu ao nosso favor. A nossa divida era muito alta, Deus nos justificou pelo sangue de filho amado (Rm 4: 23-25; Rm 5: 1-9). Deus fez a sua parte; restabeleceu o caminho (Jo. 14: 6) o acesso (Hb. 10: 19-20). Caminho e acesso antes interrompido pelo pecado de Adão (Rm 5: 12-21). A missão agora é nossa, somos nós que temos que rogar em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, para que os homens se reconciliem com Deus (Tm 2: 1-5; Tg 5: 13-20; Atos 4: 11-12). Você que se desviou ou se afastou dos caminhos do Senhor. Volte para ele; se reconcilie com o Senhor (Jó 14: 7- 9). O Pai te espera (Lc 15: 11- 24; Lc 15: 1- 7). Veja nossa pregação em texto: “Cidadãos do céu”.

    II CORÍNTIOS 5: 21 - Àquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus.

    Aquele que não conheceu o pecado: Paulo esta falando de Jesus. Jesus não participou do pecado, não aceitou o pecado, não cometeu o pecado. Jesus não cedeu às ofertas de satanás, venceu o pecado (Lc 4: 1-12). Jesus não teve nada haver com o pecado, mas ele o fez pecado por nós. Quem o fez pecado por nós? Deus, o Pai. Por quê? Para que nele fossemos feitos, justiça de Deus. Um homem; um ser humano de carne e osso, por um ato de rebeldia desobedeceu á Deus (Gn 2: 15-17; Gn 3: 1-19). Por esse ato inconseqüente este homem condenou toda humanidade (Rm 5: 12). Só outro homem; um ser humano de carne e osso teria que salvar á humanidade.

    O homem não foi feito para morrer, Deus colocou o homem no Éden para ele viver eternamente. Como assim irmão; não estou entendendo? Se Adão não comesse da árvore do conhecimento do bem e do mal ele não morreria (Gn 2: 16-17). O pecado de Adão condenou o homem à morte (Rm 5: 12). Satanás seduziu Eva (Gn 3: 1-5), Eva seduziu Adão (I Tm 2: 14) e Adão pecou (Gn 3: 6). Com o pecado de Adão á morte entrou (Gn 3: 7-19). Satanás conseguiu seu objetivo (Jo. 8: 44). Com Jesus ele se deu mal. Jesus venceu o pecado e como conseqüência venceu também a satanás (Lc 4: 1-12). Faltava agora Jesus vencer a morte. E como Jesus enfrentaria a morte se ele não pecou? (Hb 4: 15). A sentença pelo pecado é a morte (I Co 15: 56; Tg 1: 13-15). Todos os homens estavam debaixo do pecado, todos os homens estava condenados a morte (Rm 5: 12; Rm 3: 10). Jesus tomou o pecado de toda humanidade (Is 53: 1-5). Fez-se pecado e enfrentou a morte na cruz (I Co 1: 18-24). Pela desobediência de um homem entrou o pecado no mundo e pelo pecado a morte. Pela ofensa de um homem a morte reinou na vida de todos os homens. Pela obediência de um homem, todos ganharam direito a vida (Jo 3: 16) todos foram feitos justiça de Deus (Rm 5: 15-21; Fp 2: 5-11; Rm 5: 1-11; Ef 2: 13-16). Graças a Deus que nos dá vitória através de nosso Senhor Jesus Cristo (I Co 15: 55-57; Rm 8: 1-2; Jo. 3: 16). Se você não aceitou Jesus, aceite agora (Jo. 10: 4-13; Jo. 1: 9-13), ganhe a vida (Jo. 1: 1-4) e tome posse da justiça de Deus (Rm 3: 21-26; Atos 16: 31; Jo. 10: 16).



  • Pr. Ev. Sérgio Lopes - prsergio@palavrasdavida.com.br

  • II Coríntios - Capítulo 6


    II CORÍNTIOS 6: 1 - E nós, cooperando também com ele, também vos exortamos a que não recebais à graça de Deus em vão.

    Paulo fala de sua participação como cooperador no ministério de reconciliação (I Co 3: 9; II Co 5: 18,19). A reconciliação é a aceitação da graça (Rm 10: 4-13; Rm 5: 1-11; Ef 2: 11-16). Todos que tem o conhecimento da verdade foram chamados para serem cooperadores do ministério da reconciliação (Mc 16: 15-16; I Tm 2: 1-6). Paulo exorta a igreja a não receber a graça de Deus em vão. Esta palavra é para aqueles que estão vivendo o momento de decisão e também para aqueles que já são crentes. A graça de Deus não é algo sem serventia sem utilidade, algo para ficar inútil na sua vida. A graça de Deus na sua vida é para você fazer a diferença, é para você ser luz nesta terra (Mt 5: 13-16). Se graça de Deus esta na sua vida alguma coisa tem que acontecer (II Co 5: 17; Rm 8: 1; Ef 2: 1-9).  

     II CORÍNTIOS 6: 2 (Pois ele diz: Ouvi-te em tempo aceitável e socorri-te no dia da salvação. Digo-te, agora é o tempo aceitável, agora é o dia da salvação).

    O apóstolo Paulo usa a vida que esta na palavra (Is 49: 8ª) para explicar aos irmãos de Corinto que quando alguém aceita á Cristo, na verdade, não é ele que esta aceitando á Cristo, mas sim é Cristo que O está aceitando (Jo. 15: 16; Mt 11: 28). Aquele que se converte, ele se converte porque está dentro do tempo aceitável de Deus. A porta da graça desde Jesus que ela está aberta (Jo. 10: 9; Jo. 10: 16; Mt 25: 1-13). O tempo aceitável é agora o dia da salvação é hoje (Rm 13: 11). Ele é o seu socorro no presente, á solução para seus problemas agora, á resposta para sua vida hoje (Ap 3: 20; Mt 11: 25-30). Este é o seu momento, aproxime dele (Lc 8: 40-46; Lc 18: 35-42). Veja o que diz a palavra: socorri-te no dia da salvação. O dia da salvação e o dia do seu socorro foi o dia que Jesus levou os seus pecados lá na cruz (Is 55: 1-1; I Co 1: 18; Cl 2: 13-15). Tome posse daquilo que já é seu (Jo. 3: 16; Jo. 1: 1-13; Ef 2: 13-16).  

    II CORÍNTIOS 6: 3 - Não dando nós escândalo em coisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado;

    Paulo recebeu o ministério de Jesus (Gl 1: 11,12), Paulo teve um encontro pessoal com Jesus (Atos 9: 1-16; Atos 26: 1- 8). Quando alguém recebe o ministério por revelação de Jesus, recebe um tesouro (Mt 13: 44- 46), não pode desperdiçar (Hb 12: 16-17). Paulo sabia que com as coisas de Deus não se brinca (Gl 6: 7). O diabo não perdoa (Ef 4: 27; I Pd 5: 8).

    II CORÍNTIOS 6: 4 - Antes, como ministros de Deus, tornando-nos recomendáveis em tudo; na muita paciência, nas aflições, nas necessidades, nas angústias,

    Paulo se identifica como ministro de Deus, por quê? Porque estamos cercados de ministros que não são de Deus (II Co 11: 13-15; II Pd 2: 1-3). A vida de Paulo o seu sofrimento por causa do evangelho (II Tm 3: 10-12) tornavam recomendável o seu ministério. Veja o que ele fala: na muita paciência. É muita paciência (Pd 2: 19- 21); não é pouca não (Tg 5: 11). Nas aflições e na fornalha das aflições que o verdadeiro guerreiro é forjado (Is 48: 10). Nas necessidades. É nas necessidades que aprendemos a depender de Deus (Fp 4: 10-13). Nas angústias. Nos momentos difíceis de muitas tristezas que observamos a batalha (Sl 121: 1) é esta mesma batalha que nos mostra que o Senhor esta conosco (Sl 121: 2; II Tm 4: 9-18; Dn 6: 1-23; Dn 3: 1-28).        

    II CORÍNTIOS 6: 5 - Nos açoites, nas prisões, nos tumultos, nos trabalhos, nas vigílias, nos jejuns,

    Paulo apanhou muito, Paulo sofreu muito por causa do evangelho. Sofrer pelas causas do Senhor Jesus tem que ser prazerosos (Atos 13: 44-52). Quando somos lançados nas prisões por causa do Senhor Jesus, não devemos se preocupar (Atos 18: 9- 10), só louvar (Sl 9: 1,2), de forma tremenda o Senhor nos tirará dela (Atos 16: 9-26; Atos 12: 1-11). Paulo não se intimidou (Mt 10: 32-33) por isso ele diz. Nos tumultos (Atos 13: 42-50; Atos 16: 9-22; Atos 17: 1-8). Paulo não ficou parado esperando cair do céu, recebeu a unção e foi á campo (Atos 9: 1-20; Atos 13: 1-5). Paulo sabia que encontrar com o Senhor a noite é bem melhor que dormir (Pv 8: 17), por isto ele buscava o Senhor nas vigílias. O jejum é uma arma muito poderosa no combate contra a carne por isso Paulo jejuava. O crente tem que jejuar (Mt 6: 16-18; Lc 5: 33-38).     

    II CORÍNTIOS 6: 6 - Na pureza, na ciência, na longanimidade, na benignidade, no Espírito Santo, no amor não fingido,
    Podemos interpretar de duas maneiras o sentido da palavra pureza: Primeiro Paulo pode estar falando de seu caráter, sem malicia (I Co 14: 20). Segundo ele pode estar falando do caráter de sua pregação, pois o caráter de sua pregação era puro e genuíno (I Co 2: 1-5). Na ciência, ou seja, no conhecimento profundo da graça de Deus (II Pd 3: 15-18; Cl 2: 1-3). Na longanimidade; paciência de Deus; capacidade de suportar afrontas, injúrias e sofrimentos; Paulo estava vacinado contra estes vírus (II Co 11: 24-30). Na benignidade; ausência de maldade; bondade de Deus, bondade sem interesse (Lc 10: 25-27). No Espírito Santo; dentro do tabernáculo (II Co 5: 1; Hb 10: 19-20); morada de Deus (Ef 2: 11-22; I Co 6: 20). No Amor não fingido; o evangelho que Paulo conheceu é expressão do verdadeiro amor (Jo. 3: 16). Quem vive o verdadeiro evangelho expressa o verdadeiro amor (Jo. 15: 12-14; Mc 12: 28-31; Rm 13: 8; I Jo. 3: 18- 21).   

    II CORÍNTIOS 6: 7 - Na palavra da verdade, no poder de Deus, pelas armas da justiça, à direita e à esquerda,

     Veja que o texto fala: Na palavra da verdade. O texto não diz palavra de verdade, palavra verdadeira, ou palavra do Espírito da verdade, mas sim palavra da verdade. Quem é a verdade? Jesus é a verdade. É a palavra de Jesus que tem que ser pregada e ensinada (Mt 7: 24- 27; Jo. 7: 16- 17). No poder de Deus. Revestido da pessoa de Cristo (Gl 3: 27; Jo. 14: 15- 23; Gl 2: 20). Jesus Cristo é o poder de Deus (I Co 1: 24). Pelas armas da justiça. Que armas são estas, onde eu encontro estas armas? Armas espirituais (II Co 10: 3,4), armas da luz (Rm 13: 12), armas que você só encontra na palavra de Deus (Sl 119: 105; Is 34: 16). Vejas as armas (Ef 6: 10- 18). Quanto mais você se revestir da verdade (Gl 3: 26- 29), quanto mais você conhecer o evangelho (Jo. 17: 17), exercer a sua fé (II Co 5: 7), tomar posse da salvação (Atos 16: 31), mais próximo do Senhor você vai estar (Ef 2: 1- 22), ai é só memorizar a palavra de Deus e ter uma vida de oração (Sl 55: 17; Dn 6: 1- 10; I T 5: 17), Que você estará pronto para a batalha (Is  Sl 110: 1- 3; Is 13: 1- 4; Ez 37: 1- 10). Á direita e á esquerda. Você não estará sozinho. Você não mais decidirá o seu caminho (Jo. 3: 1- 8; Jo. 4: 23,24). Não sou eu que escolho o caminho (Atos 9: 1- 16; Jo. 15: 16) Seja á  direita ou á esquerda (Atos 16: 1- 7), o importante é  ser escolhido pelo caminho (Jo. 14: 6). O importante estar na posição de servo (Jo. 15: 15; Atos 26: 1- 19).  

    II CORÍNTIOS 6: 8 - Por honra e por desonra, por infâmia e por boa fama; como enganadores, e sendo verdadeiros;

    Por honra e por desonra; o importante é ser servo de Cristo. Por infâmia ou por boa fama; o importante é ser servo de Cristo. Como enganadores, e sendo verdadeiros; o importante é ser servo de Cristo. Basta o servo se posicionar como menor, menor que o seu Senhor, que ele vai ser honrado, vai ser honrado, mas também vai ser desonrado. Vai ter boa fama, mas também vai sofrer com á infâmia. Para muitos como enganador, mas não sendo enganador para com o seu Senhor (Jo. 15: 20,21; Atos 13: 13- 52; Atos 14: 1- 22; Atos 17: 1- 9).

    II CORÍNTIOS 6: 9 - Como desconhecidos, mas sendo bem conhecidos; como morrendo, e eis que vivemos; como castigados, e não mortos;

     A pregação do evangelho não tem como objetivo tornar conhecido o pregador (Jo. 3: 29- 30; I Co 1: 10- 13). Veja o que Paulo diz: Como desconhecidos, mas sendo bem conhecidos; desconhecidos das multidões, mas bem conhecido do seu Senhor (Atos 18: 9- 10; Mt 28: 18- 20). Como morrendo, e eis que vivemos. Estamos entregues a morte todos os dias por causa do evangelho, estamos sofrendo o peso da batalha (Jo. 12: 24- 26; I Co 4: 9). O desafio de enfrentar a morte todos os dias, traz beneficio. Como assim? Aquele que tem a chave da morte (Ap 1: 17- 18) se manifesta em nossa vida todos os dias (II Co 4: 11). Como castigados, e não mortos. Paulo sofreu e apanhou muito por causa do evangelho, mas a vida de Cristo que se manifestava na vida dele (Gl 2: 20; Gl 6: 17), o fazia vencer a morte todos os dias (Atos 14: 1- 20; Jo. 11: 11: 25,26; I Co 15: 55- 57).

    II CORÍNTIOS 6: 10 - Como contristados, mas sempre alegres; como pobres, mas enriquecendo a muitos; como nada tendo, e possuindo tudo.

    Ainda que com o espírito angustiado, entristecido por dentro não deixamos transparecer; o nosso semblante está sempre alegre (Sl 126: 3). Não somos ricos, não somos milionários, não possuímos ouros, não possuímos prata, mas aquilo que temos pode enriquecer á muitos (Atos 3: 1- 6). Aos olhos deste mundo nada temos, mas possuímos tudo (Pv 13: 7; I Co 1: 27- 29). “Muita paciência” é a recomendação para os servos de Deus (II Co 6: 4). Melhor que qualquer discurso, a maneira como Paulo suportava as provações demonstra o valor do seu ministério (II Co 4: 1- 11). Que estranha pessoa o cristão é! De certo modo pode se- dizer que ele tem duas faces. Aos olhos do mundo pode estar em opróbrio, sendo enganado, desconhecido, entristecido, pobre sem nada. Mas o que ele é diante de Deus? Serás bem conhecido, sempre alegre, em fim, possuindo tudo (Fp 4: 10- 13; II Co 12: 1- 10; Pv 13: 17).

    Exortação a santidade

    II CORÍNTIOS 6: 11 - Ó coríntios, a nossa boca está aberta para vós, o nosso coração está dilatado.

    O apostolo Paulo abre a boca e o coração nesta carta. A boca esta aberta para corrigir, exortar e ensinar; o coração está dilatado. Paulo abre o coração, trazendo a memória toda sua vida, suas experiências e seu sofrimento (II Co 6: 4- 10). Paulo parece estar sendo severo, mas ele esta sendo sincero. A igreja de Corinto tinha entrado por um caminho que não estava de acordo com aquilo que o apostolo ensinava e vivia (Pv 14: 12; I Co 8: 1- 2; I Co 10: 14- 21).

    II CORÍNTIOS 6: 12- Não estais estreitados em nós; mas estais estreitados nos vossos próprios afetos.

    Quando não estamos de acordo com a luz, criamos uma barreira. Uma barreira entre nós e Deus (Is 59: 1,2), entre nós e o Espírito Santo (Tg 4: 4,5), entre nós e a igreja (I Co 11: 28- 30). Era isto que estava acontecendo aqui na igreja de Corinto (II Co 6: 14). Estava existindo uma barreira entre a igreja e Paulo (I Co 4: 9- 21). O coração da igreja estava apertado (II Co 1: 3- 23). A luz na igreja de Corinto estava fraca (II Co 4: 3,4). Paulo exorta a igreja não estreitar o relacionamento com ele (II Co 13- 14). A igreja estava se calando e aceitando a obra do diabo (II Co 11: 1- 15). É o que esta acontecendo em muitas igrejas, e com muitos crentes; estão deixando o diabo dominar (Ef 4: 27; I Pd 5: 8; Lc 19: 40; Atos 18: 9- 10).  

    II CORÍNTIOS 6: 13 - Ora, em recompensa disto, (falo como á filhos) dilatai-vos também vós.

    A igreja de Corinto foi gerada no coração de Paulo (Atos 18: 1- 11), boa parte dos membros da igreja era filho na fé de Paulo (I Co 4: 14). Paulo chama a igreja a se abrir. O coração da igreja de Corinto estava fechado, preso, debaixo de um jugo. Falsos apóstolos (II Co 11: 13- 15) tinham introduzidos doutrinas de demônios na igreja (I Co 10: 14- 20). Alguns irmãos não concordavam, mas também não estavam fazendo nada; estavam se calando (Lc 19: 40). Quem cala consente (I Rs 18: 21; Gl 5: 1).

    II CORÍNTIOS 6: 14 - Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?

    Quem são os infiéis mencionados no texto o qual não devemos fazer aliança? Quem são as trevas á qual não devemos ter comunhão? Será que texto fala do relacionamento do crente com os incrédulos? Será que o texto esta falando do relacionamento do crente com as pessoas do mundo? Não. O texto esta falando de alguns que se diziam crentes, mas as suas obras não eram boas (I Co 5:7- 11). Não prendais a um jugo desigual. Os irmãos de Corinto tinham um coração muito afetivo e não sabiam dizer não (II Co 6: 13; II Co 11: 1- 4). O não; foi feito para servir de resposta (Ne 6: 1- 4). O não; foi feito para ser dado. Diga não as doutrinas estranhas; não concorde com aquilo que não esta de acordo com a palavra de Deus (Atos 17: 10,11). Não existe sociedade entre os fieis e os infiéis. Quem são os infiéis que estão na igreja? Os infiéis são o joio no meio do trigo (Mt 13: 24- 28ª). Dizem ser fiéis, dizem que estão com Cristo até a morte, mas basta o diabo oferecer o mundo que eles correndo se entregam (I Jo. 2: 19 Lc 4: 1-7; Mt 6: 24; I Tm 6: 3- 10). Olhe para Jesus (Sl 34: 5; Fp 2: 5- 11; Lc 4: 8- 12).
    Não existe sociedade entre aqueles que amam a justiça e aqueles que vivem na pratica da injustiça (Jo. 12: 46; Ef 5: 7- 11; Sl 1: 1- 3). Quem são os que estão na igreja e vivem na pratica da injustiça? (I Co 5: 7- 11; Ef 5: 12,13). São aqueles que trazem para dentro da igreja tudo que pertence a este sistema injusto (Tg 4: 4,5). Que comunhão tem a luz com as trevas? (Ez 44: 23). O que são as trevas dentro da igreja? As obras de Satanás. Que obras são estas? Doutrinas que estão fora da palavra de Deus, doutrinas de demônios (I Co 10: 14- 21; I Tm 4: 1). Doutrinas que vão contra os evangelhos do Senhor Jesus (Cl 2: 4- 23; Rm 1: 16- 32; Mt 7: 24- 27; Jo. 7: 16- 17; Jo. 12: 47- 50).  

    II CORÍNTIOS 6: 15 - E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel?

    Belial é um demônio. Na mitologia canaanitas determinava se como inimigo do povo de Deus. Que concórdia há entre Cristo e este demônio. A obra de Cristo e feito na luz Jõ 3: 16- 21 na luz da palavra (Sl 119: 105). Belial é o demônio responsável pelas loucuras doutrinaria em algumas igrejas evangélicas (igrejas evangélicas de gay). Na época da igreja de Corinto ele já se fazia presente era responsável por induzir alguns irmãos da igreja a comer do sacrificado a ídolos (I Co 10: 14- 28 I Co 8: 1- 7; II Co 6: 16). Este demônio é um castigo de Deus aos idolatras. A onde á idolatria, ele se ele se faz presente (Rm 1: 18- 28). Na igreja, é ele o responsável pelas luxurias e pelos homossexualismos no meio dos evangélicos (Pv 6: 12,13; Jz 1- 22). Os servos deste demônio estão infiltrados dentro das igrejas distorcendo a palavra com um único objetivo levar crente á concordar com Suas obras (Rm 1: 27- 32; Ef 5:7- 12; I Co 8: 1- 12; II Co 11: 13- 15). Concordar com suas obras é andar na direção contrária a vontade de Deus (II Co 6: 17,18). Que parte tem o fiel com o infiel. Jesus não te chamou para fazer aliança com os infiéis, Jesus te chamou para fazer uma aliança com ele (I Co 11: 24,25; Hb 7: 22). Os filhos de Belial estão em nosso meio, mas nós não precisamos fazer aliança com eles (I Pd 1: 15,16; I Pd 2: 1- 10; Ex 19: 5,6).

    II CORÍNTIOS 6: 16 - E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.

     Não existe comunhão entre Deus e os ídolos (I Jo 5: 21). Aqueles que adoram ídolos estão separados de Deus (Rm 1: 18- 26; Is 44: 9- 20). Alguns irmãos da igreja de Corinto estavam completamente envolvidos por doutrinas de demônios que já não tinham nem noção do que era justiça e injustiça; o que era trevas e o que era luz. Eles já não conseguiam diferenciar o precioso e o vil (Jr 15: 19) o santo e o profano (Ez 44: 23). Estavam completamente cegos (II Co 4: 3,4); comer do sacrificado a ídolos era uma coisa normal (I Co 8: 1- 10; I Co 10: 14- 28). Quantos crentes ainda come do sacrificados aos demônios (Is 30: 1,2). Como assim? Muitos ainda por falta de conhecimento participam das festas de Cosme e Damião. Que consenso tem o templo de Deus com os ídolos. Crente não pode participar destas coisas (II Co 6: 17). O crente é o templo do Deus vivente, o crente é a morada do Espírito do Deus vivo (Ef 11- 22), o crente é o santuário do Espírito Santo (I Co 6: 19,20), o crente é a residência do Pai e do Filho (Jo. 14: 15- 23).

    Como alguém que tem esta consciência pode participar da mesa dos demônios? (I Co 10: 14- 21). Participar da mesa dos demônios não esta só no comer do sacrificado a ídolos; comer da mesa dos demônios envolve muito mais coisas (Rm 1: 26- 32). O crente tem que ser santo (I Pd 1: 16). O crente é o lugar da habitação de Deus. Deus é santo. Deus só habita em lugar santo. Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei e serei seu Deus e eles serão o meu povo. O populacho está no meio povo de Deus induzindo- os a comer da mesa dos demônios (Nm 11: 4- 6; I Tm 4: 1; I Tm 6: 3- 10). O alimento do povo crente vem de Deus e não do mundo (Tg 4: 4,5; I Jo. 2: 15 17). Você faz parte do povo de Deus (I Pd 2: 9,10), você é santo, você foi santificado pelo sangue de nosso Senhor Jesus Cristo (Rm 5: 1- 9; Hb 10: 19,20). Se você quiser viver em santificação você vai ter que exigir que o seu alimento seja puro genuíno vindo do alto, vindo da glória (Dn 1: 1- 8; I Co 2: 1- 5; Jo. 14: 26; Hb 12: 14).   

    II CORÍNTIOS 6: 17 - Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; E não toqueis nada imundo, e eu vos receberei;

     A santidade tem um preço a pagar. Se você quiser se aproximar de Deus, você vai ter que pagar este preço (Hb 12: 14). Quando Deus falou a Abraão sai da tua terra; Abraão não pensou duas vezes obedeceu (Gn 12: 1- 5; Rm 4: 3). Deus diz: Sai do meio deles (Gl 3: 9). Sai do meio dos idolatras, sai do meio dos corruptos, sai do meio dos injustos, sai do meio dos infiéis. Apartai- vos, diz o Senhor: Apartai- vos de tudo que impuro, de tudo que é ilícito, de tudo que é profano (Rm 1: 18- 32; Ez 44: 23).  Deus chama você crente: Não toqueis em nada imundo, e eu vos receberei. Deus quer ter receber, mas você tem que fazer a sua parte (I Pd 1: 16). Os irmãos de Corinto precisava se afastar do erro, do engano. Irmãos que se diziam ter conhecimento estavam se envolvendo com a idolatria (I Co 8: 1- 10), e ensinando os mais novos a comer do sacrificados a ídolos (I Co 10: 14- 28). O que estão ensinando para você; estão te ensinando a profanar o templo? (II Co 6: 16; I Co 6: 19,20; Ef 2: 11- 22).

    II CORÍNTIOS 6: 18 - E eu serei para vós Pai, E vós sereis para mim filhos e filhas, Diz o Senhor Todo-Poderoso.

    A palavra era: “Se a igreja de Corinto se apartasse da idolatria Deus os receberia, eles seriam filhos e filhas de Deus”. O que vocês estão esperando para serem filhos e filhas de Deus? Quer ser filho de Deus; quer ser filha de Deus? Abandone já a idolatria (Is 44: 1- 22). Você aceitou Jesus, você é filho (a) de Deus (Jo. 1: 1- 12; Rm 10: 4- 13). Se você é filho, mas se apartou espiritualmente do Pai, se você não sente mais á presença do Pai; volte para a palavra (Sl 119: 105; Sl 1: 1- 3) volte para á casa Pai (Sl 122: 1). Se você, assim como filho pródigo, está distante do pai (Lc 15: 11- 16); faça como ele, ouça a vós do Espírito Santo (Lc 15: 17). Volte logo, o Pai te espera (Lc 15: 18- 24). O Pai não quer que você fique com um pé na igreja e outro no mundo (Tg 4: 4- 5; I Jo. 2: 15- 17). O pai não quer, que na luta entre a carne e o Espírito você fique do lado da carne (Gl 5: 16- 17; Mc 14: 38). O pai não quer que você seja uma hora santo e outra hora profano (Ez 44: 23). O Pai te chama para ser filho (a), mas filho (a) santo (a) (I Pd 16; Hb 12: 16; I Ts 4: 1- 4). Assim diz o Senhor, O Todo Poderoso (Mt 7: 24- 27; Jo. 7: 16- 17; Jo. 12: 46- 50; Ap 3: 11).



  • Pr. Ev. Sérgio Lopes - prsergio@palavrasdavida.com.br

  • II Coríntios - Capítulo 7


    I CORÍNTIOS 7: 1 Ora, amados, visto que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza tanto da carne, como do espírito, aperfeiçoando a nossa santificação no temor de Deus.

     A promessa é nossa, ser filho ou não ser filho de Deus nós é que decidimos. Deus quer ser nosso pai, Deus quer nos receber como filho (II Co 6: 18; Jo. 1: 1-13; Rm 10: 4-13). Mas para isso precisamos pagar o preço(II Co 6: 17); precisamos aprender com Abraão. Deus disse: Abraão sai de sua terra; Abraão saiu (Gn 12: 1-4; Rm 4: 1-3). Para tomarmos posse da promessa temos que sair (Gl 3: 9-14; II Co 6: 14-16). E como vamos sair?Purificando-nos de toda impureza tanto da carne, como do espírito, aperfeiçoando a nossa santificação no temor de Deus(Pv 9: 10). Vamos pela ordem: Primeiro eu tenho que saber quais são ás obras da carne e do espírito que são impuras. Descobrindo-as o que faço? Afaste- se delas. Como farei isso? Observando a Palavra. A santificação é a separação; eu me separo de tudo que desagrada a Deus, e procuro fazer a sua vontade (Rm 6: 19-22; I Ts 4: 1- 7; Hb 12: 14). Aperfeiçoar a santificação no temor de Deus é ver na palavra tudo que não agrada a Deus. Vendo as que não agradam á Deus, me afasto delas (Sl 1: 1-3; Sl 119: 11; Jo. 6: 63; Jo. 7: 16-17). O que desagrada á Deus na minha carne e no meu espírito? Na carne (Gl 5: 19-21; I Co 3: 1-3; Cl 3: 5- 8; Ef 4: Ef 4: 22- 30; Rm 7: 18-20; Mc 14: 38); No espírito (I Jo. 5: 21; I Co 10: 14-21; I Co 6: 17-20; II Co 6: 11-17; Is 44: 1- 25). Se você obedecer à palavra de Deus, você não vai ser um crente carnal, mas sim um crente espiritual (Gl 6: 8; I Co 2: 15; Jo. 3: 1-8; Jo. 4: 23,24; Rm 8: 1). Vejanosso estudo:“Espírito, Alma e Corpo de que somos formados”.

    A alegria de Paulo


    II CORÍNTOS 7: 2 – Recebei-nos em vossos corações. A ninguém agravamos, a ninguém corrompemos, a ninguém exploramos.

    Paulo pede aos irmãos de Corinto que o receba em seus corações. Por que Paulo está falando desta maneira? A igreja havia se envolvido com alguns infiéis (II Co 6: 11-17; I Co 5: 7-11; I Co 10: 12), pessoas que não tinham o temor de Deus (I Co 8: 2) e isto trouxe um prejuízo espiritual muito grande (I Co 10: 14- 21; Ef 4 27; I Pd 5: 8), o coração endureceu e eles se apartaram dos ensinos de Paulo (I Co 11: 1,2). Paulo procura trazer a consciência dos irmãos que ele sempre agia de boa fé, com sinceridade. Paulo usa a sabedoria do Espírito Santo. Dêem um lugar para nós no coração de vocês. Não causamos dano, não prejudicamos ninguém, a ninguém tentamos levar vantagens (Is 1: 17-19; Rm 12: 16-18; I Co 10: 24).

    II CORÍNTIOS 7: 3 –Não digo isto para vossa condenação; já antes tinha que estais em nossos corações para juntos morrermos e vivermos.

     Paulo endureceu na palavra, mas foi por amor (Rm 13: 8). O povo tinha abandonado a santidade entraram pelo caminho da religiosidade, aceitaram a idolatria, passaram a participar da mesa dos demônios (I Co 10: 14-21). A Palavra de Paulo não era para a condenação, era justamente o contrário (II Co 7: 9- 10). Paulo esta dizendo: Vocês são tão amados por nós; vocês estão presentes em nossos corações todos os dias que estamos juntos tanto para morrer como viver(I Sm 18: 1; Sl 133; Atos 4: 32; I Co 12: 26).

    II CORÍNTIOS 7: 4 – Grande é a ousadia da minha fala para convosco; e grande a minha jactância a respeito de vós; estou cheio de consolação, transbordo de gozo em todas as nossas tribulações

    Paulo tinha intimidade com aquela igreja; por isso ele falava com ousadia. Paulo confiava naqueles irmãos, Paulo tinha orgulho daquela igreja. A palavra de Paulo vinha do consolador (Jo. 14: 26), o objetivo era consolar (Jo. 14: 15,16). Entendemos á mensagem de Paulo; ele está dizendo para aquela igreja: “no meio de todas as nossas afliçõeseu continuo animado”. Paulo vivia em lutas, Paulo vivia em combate e ele sabia que para alcançar o alvo ele não podia desanimar. Abandonar a igreja de Corinto naquela hora era fazer o que o diabo queria (II Co 11: 1-15). Paulo tinha uma aliança de alma com aquela igreja (II Co 2: 1-4; I Sm 18: 1).

    II CORÍNTIOS 7: 5 e 6 Pois mesmo quando chegamos a Macedônia, a nossa carne não teve repouso algum, mas em tudo fomos atribulados: por fora combates; por dentro, temores. Mas Deus, que consola os abatidos, consolou-nos com a vinda de Tito,

    Paulo fala de um momento muito difícil de sua vida (II Co 2: 12,13). No meio de tantas aflições Paulo continuava muito animado e cheio de alegria. Depois de ter chegado a Macedônia Paulo não teve descanso, estava constantemente em de perigo de morte, combate no mundo físico e grande medo por dentro, na alma.Não foi fácil para Paulo, Paulo apanhou de mais, foi perseguido em todos os lugares por onde passou. Paulo não encontrou a morte nesta região (Atos 14: 1-21; Atos 20: 1,2), porque estava dentro da promessa de Deus (II Tm 4: 6-18; Atos 26: 1-18; Atos 18: 9-10). Você ainda não encontrou a morte porque você esta dentro da promessa (Jr 29: 11-13). Paulo esta mostrando aos irmãos de Corinto Que Deus não abandona os seus escolhidos, em um dos momentos mais difícil de sua vida Deus envia Tito para alegrar o seu coração (II Co 7: 13; II Co 8: 23; II Co 12: 16-18). Deus que consola os abatidos enviou Tito para alegrar o coração de Paulo, Deus que consola os abatidos enviou o Espírito Santo para alegrar o seu coração(Rm 14: 17; Atos 8: 1-8; Sl 30: 5; Rm 8: 18).

    II CORÍNTIOS 7: 7 e não somente com a sua vinda, mas também pela consolação em que foi consolado de vós, contando- nos as vossas saudades, o vosso choro, o vosso zelo por mim, de maneira que muito me regozijei.

     Paulo não se alegra somente com a presença de Tito, mas também pela consolação da igreja. Paulo esta falando do tratamento honroso da igreja para com Tito e das informações com respeito à igreja, informações que foram trazidas por Tito. Tito trouxe boas informações para Paulo, a igreja o tinha tratado bem e que estava com muita saudade de Paulo, chorando muito e o defendo das acusações dos obreiros fraudulentos (II Co 11: 1-15). Por esta razão Paulo muito se alegrou.

    II CORÍNTIOS 7: 8 – Ainda que vos tenha entristecido com a minha carta, não me arrependo, embora já me tivesse se arrependido por ver que aquela carta vos entristeceu, ainda que por pouco tempo.

    Boa parte dos assuntos mencionados pelo apóstolo Paulo em suas cartas era direcionada à igreja (I Co 1: 10,11). Paulo exortava a igreja através de suas cartas (I Co 5: 9), e muitas vezes a palavra era dura e entristecia (I Co 10: 1-22; Hb 12: 5-13). Paulo diz: Não me arrependo de ter escrito aquela carta. Você meu irmão que é pregador, você se arrepende? Não se arrependa de um dia ter feito a vontade do Senhor, se arrependa de não ter feito (I Rs 13: 1-26). Havia um combate muito grande no coração de Paulo. Paulo amava de mais aquela igreja (I Co 2: 1- 4). Quando Paulo soube que a carta os deixou triste por algum tempo, Paulo ficou muito triste (II Co 2: 4). Paulo tinha que ser duro nas palavras (I Co 2: 4; I Co 4: 18-21), por isto Paulo fala aqui “embora já me tivesse arrependidos por ver que aquela carta vos entristeceu”. Que carta? Paulo fala da carta anterior (Primeiro Coríntios). A carta de primeiro Coríntios revelava muitos problemas dentro da igreja. Havia contendas (I Co 1: 10-11), espírito mundano, vida carnal (I Co 3: 1-3; I Co 5: 9-11; Tg 4: 4-5), imoralidades (I Co 5: 1-8; I Co 6: 12-18), injustiças (I Co 6: 1-8, idolatrias I Co 8: 1-10; I Co 10: 14-21; II Co 6: 11-17), bagunças (I Co 11: 17-22), desorganizações (I Co 12: 14-30; I Co 14: 1-40), e o pior faltava AMOR (I Co 13: 1-13).

    II CORÍNTIOS 7: 9 – Agora folgo, não porque fostes entristecidos, mas porque fostes entristecidos segundo Deus, de maneira que por nós não padecestes dano em coisa alguma.

    Paulo se alegra porque ele viu que era Deus que estava operando (Is 43: 13), ele viu que foi o Espírito Santo quem o direcionou a escrever a carta (Jo. 14: 26). Paulo não era diferente de nós, ele também tinha dúvidas. Quantas vezes você ficou na dúvida se aquilo que você falou ou pregou tinha realmente vindo do Senhor? Não se preocupe é assim mesmo. O resultado daquilo que você fala de Jesus, ou o que você prega, você só vai ver mais à frente (Jo. 13: 7). Veja o que Paulo fala: Alegro-me porque agora sei que o que estava no meu coração, aquilo que escrevi não vinha de mim, não era do homem, mas era Deus, era o Espírito Santo agindo em meu coração. Vocês foram entristecidos, não pela palavra do homem, mas segundo Deus, de maneira que por nós não padecestes dano em coisas alguns. A palavra dirigida pelo Espírito Santo não causa dano (I Co 2: 1-5; Pv 15: 23; Pv 25: 11; Pv 10: 22). A palavra do homem, da vontade da carne, esta sim, causa dano machuca, e às vezes até mata (Tg 3: 10-15; Pv 12: 18; Mt 12: 35-37).

    II CORÍNTIOS 7: 10A tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, o qual não traz pesar, mas a tristeza do mundo operaa morte.

    A carta continha palavras duras e produziu tristeza, produziu tristeza para o arrependimento. A palavra vinda da parte de Deus, muitas vezes produz tristeza. A tristeza produzida pela palavra de Deus, produz o arrependimento da parte do homem, e o arrependimento da parte do homem produz o perdão da parte de Deus (II Cr 7: 14,15) e o perdão da parte de Deus produz a salvação (Rm 5: 1-11; Ef 2: 11-22; Hb 10: 19-22). A palavra da parte de Deus por mais dura que seja é ela só tem um objetivo. Que objetivo? A salvação do homem. A salvação não traz pesar (Rm 8: 1,2); o que traz pesar é a carne o mundo, estes sim trazem pesar (Tg 1: 13-15; Tg 4: 4-5; I Jo. 2: 15-17; Gl 5: 16-26).

    II CORÍNTIOS 7: 11 – Quanto cuidado não produziu isto mesmo em vós, que segundo Deus foi entristecido! Que defesa, que indignação, que temor, que saudades, que vingança! Em tudo provastes estar inocentes neste assunto.

    Veja que a palavra por certo tempo os entristeceu, mas esta tristeza produziu arrependimento. Qual o fruto do arrependimento? Passaram a levar á serio as coisas de Deus e isto os serviu de defesa. Ouve indignação, medo, saudade e vingança, mas não ouve dolo (intenção). A igreja estava inocente neste assunto. Provavelmente o assunto que levou Paulo a escrever a carta mencionada neste texto, à igreja estava inocente (I Co 9: 1-15; II Co 11: 6-15),e isto entristeceu a igreja, e a tristeza da igreja entristeceu a Paulo, mas outros assuntos mencionados na carta era obra do Espírito Santo e a tristeza produzida pela revelação de Deus na carta trouxe benefício para a igreja, produziu arrependimento e isto trouxe paz e alegria ao coração de Paulo (II Co 7: 9; Jo. 14: 27; Atos 18: 9-10).

    II CORÍNTIOS 7: 12 Portanto, ainda que vos escrevi, não foi por causa do que fez o agravo, nem por causa do que sofreu o agravo, mas para que o vosso grande cuidado por nós fosse manifesto diante de Deus.

    Veja: O assunto que serviu de motivo para Paulo escrever a carta mencionada no texto; não foi o verdadeiro motivo, mas sim a brecha que Paulo precisava para alertar á igreja. Houve um agravo, houve uma acusação (I Co 9: 1-15; II Co 11: 6-15), mas o motivo da carta de Paulo era outro: Qual? Trazer as revelações do senhor, revelações que se encontram na primeira carta. Havia contendas (I Co 1: 10,11),espírito mundano e vida carnal (I Co 3: 1-3; I Co 5: 9-11; Tg 4: 4-5),todo tipo de imoralidade (I Co 5: 1- 8; I Co 6: 12-18), injustiças I Co 6: 1- 8, idolatrias I Co 8: 1- 10; I Co 10: 14- 21; II Co 6: 11- 17, bagunças (I Co 11: 17-22), desorganizações (I Co 11: 1-16; I Co 12: 14-30; I Co 14: 1-40), e o pior faltava AMOR (I Co 13: 1-13). Paulo diz escrevi esta carta porque Deus sabe o cuidado que tenho de vós, e me alegrei por que isto fez manifestar em vós o grande cuidado que vocês também têm por nós na presença de Deus (II Co 7: 6-7; I Co 12: 26).

    II CORÍNTIOS 7: 13Por isso fomos consolados pela vossa consolação, e muito mais nos alegramos pela alegria de Tito, porque o seu espírito foi recreado por todos vós.

    Talvez Paulo não esperasse que a igreja recebesse bem Tito (Tt 1: 5), e que á primeira carta não tivesse produzido bons frutos (Jo. 15: 16). Quando Tito chegou Paulo estava muito triste, e não esperava boas notícias relacionadas à igreja II Co 7: 5- 9. As informações de Tito eram boas e a igreja tinha recebido a carta com tristeza, mas a tristeza segundo Deus, só produz coisas boas e em Corinto não foi diferente (II Co 7: 9-10). Esta consolação da parte de Deus para a igreja de Corinto produziu consolação também em Paulo. Produziu alegria em Tito e descanso para o espírito de Paulo. Veja a obra do Espírito Santo: O Espírito Santo impulsionou Paulo a escrever a carta, revelou a Paulo o caminho errado que a igreja tinha tomado (Pv 14: 12), a igreja se entristeceu e Paulo também. A igreja se arrependeu e alegrou a Tito, e Tito trouxe boas novas para Paulo e Paulo se alegrou. Esta é a obra do Espírito Santo (II Co 7: 6; Rm 14: 17; II Co 3: 6).

    II CORÍNTIOS 7: 14 – Se nalguma coisa me gloriei de vós para com ele, não fiquei envergonhado. Pelo contrário, como em tudo vos falamos com verdade, também a nossa glória para com Tito se achou verdadeira.

    Tito era um parceiro, era um companheiro e grande amigo de Paulo (II Co 2: 13; II Co 8: 23), era um homem de Deus, alguém enviado por Deus para que Paulo em seus momentos difíceis tivesse alguém para confortá-lo (II Co 7: 6-7).O Espírito Santo é o parceiro, o companheiro o grande amigo do Crente, é ele que foi enviado para que nos momento difícil o crente tenha o consolo de Deus (Jo. 14: 15-16). Paulo cobriu a igreja de Corinto de elogios, quando Tito voltou confirmou a Paulo que tudo que Paulo tinha dito da igreja era verdadeiro (Jo. 15: 16; Mt 7: 24-25; I Co 3: 10-11).

    II CORÍNTIOS 7: 15 – E o seu entranhável afeto para convosco é mais abundante, lembrando-se da obediência de todos vós, e de como o recebestes com temor e tremor.

     Paulo fala aos irmãos da igreja de Corinto: Tito se apegou de mais a vocês, o amor dele por vocês aumenta cada dia mais. O Espírito Santo se apegou de mais á igreja, nestes últimos dias o amor dele que já era incalculável aumenta cada vez mais (Ap 22: 17). Tito voltou tão alegre por ver a grande obra de Deus em Corinto, que Tito lembrava a obediência dos irmãos e de como eles o receberam com temor e tremor. Tito era um pregador, um homem de Deus (Tt 1: 5; II Co 12: 17-18). A igreja de Corinto vinha de momentos difíceis. Contendas (I Co 1: 10,11);carnalidades (I Co 3: 1- 3); imoralidades (I Co 5: 1-12; I Co 6: 12-18); litígios entre os irmãos (I Co 6: 1-11); idolatrias (I Co 8: 1- 10; I Co 10: 1-21; II Co 6: 11- 17; desorganizações nos cultos (I Co 11: 1-16; I Co 14: 1- 40); bagunça na hora de servir a Santa Ceia (I Co 11: 17-22); falta do AMOR (I Co 13). Os irmãos de Corinto lembravam bem da última carta de Paulo, por isto a razão do temor e tremor (I Co 4: 16-21; I Co 2: 1-5; I Co 5: 1- 5).

    II CORÍNTIOS 7: 16 – Regozijo-me de em tudo poder confiar em vós.

    Paulo esperava com ansiedade a volta de Tito, Paulo queria muito ter noticia dos irmãos e de toda igreja de Corinto (II Co 7 : 5-7). Tito chegou e trouxe boas novas, a carta anterior tinha dado bons frutos (II Co 7: 8-10). Paulo se alegrou por que viu que a semente em Corinto tinha caído em terra boa (Mt 13: 1- 8 e 23). Os irmãos de Corinto não estavam brincando de ser crentes,erraram como todos erram, tiveram problemas como em todas as igrejas tem; o temor de Deus é oprincípio da sabedoria (Pv 9: 10) Eles produziram frutos de arrependimento (Lc 3: 1- 8).Por produzirem frutos de arrependimento eles receberam bênçãos e mais bênçãos. Receberam a salvação, e a honra de serem á carta de Cristo lida por todos os homens (II Co 3: 2- 3; Mt 24: 14). Esta carta é para você, você é a carta de Cristo (Ef 2: 1-10; Cl 3: 1-17; Rm 6: 3-14; Mt 5: 13-16).

     


  • Pr. Ev. Sérgio Lopes - prsergio@palavrasdavida.com.br

  • II CORÍNTIOS - Capítulo 8

     

    A COLETA PARA OS CRISTÃOS POBRES DA JUDÉIA


    II CORÍNTIOS 8: 1 – E agora, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus dada às igrejas da Macedônia.

     A graça de Deus é algo tremendo, em cada situação ela se manifesta diferente. Como assim? Veja: a igreja de Corinto estava acabando de passar por um período de tempestades, ela vinha de um tempo difícil (I Co 1: 10,11; I Co 3: 1-3; I Co 5: 9-11; I Co 5: 1-8; I Co 6: 12-18; I Co 6: 1-8; I Co 8: 1-10; I Co 10: 14-21; II Co 6: 11-17; I Co 11: 17-22; I Co 12: 14-30). Uma carta reveladora de Paulo tirou o véu (II Co 3: 13-18), abriu os olhos da igreja, ouve arrependimento do homem, e o arrependimento do homem trouxe o perdão de Deus (II Co 7: 8-10), o perdão de Deus trouxe a salvação (II Co 3: 3-10). O que é isto? Graça, abundante graça (Jo. 3: 16). Agora Paulo fala de outra manifestação abundante da graça de Deus. A graça de Deus nas igrejas da Macedônia (Atos 20: 1,2; I Co 16: 5; Atos 16: 6-10).  

    II CORÍNTIOS 8: 2 – Em muitas provas de tribulação houve abundância do seu gozo, e a sua profunda pobreza transbordou em riquezas da sua generosidade,

    Houve muitas provas e muitas tribulações nas igrejas da Macedônia, mas foi bem no meio das provas e tribulações que a graça superabundou. Veja em Corinto superabundou o pecado. O que aconteceu? Superabundou a graça (II Co 7: 5- 10; Rm 5: 20). Na Macedônia houve provas, lutas em que campo e que nível? Pobreza, escassez e misérias. O que aconteceu? Superabundou a graça (II Co 8: 1). Em qual área da sua vida você esta precisando da graça de Deus? Tem algumas áreas especifica tipo; Conjugal, física (saúde), financeiras, espiritual? Seja qual for à situação que você esteja vivendo, se você crer em Jesus Cristo a graça de Deus vai superabundar sobre a sua vida (Ef 2: 1-9; Atos 16: 31; Jo 14: 27). Na Macedônia, do fundo da pobreza, ou seja, da miséria elas tiram a riqueza (Pv 13: 7). Eles não tiram a riqueza do fundo da pobreza, acreditando em ministério da prosperidade (I Tm 4: 1; I Tm 6: 3-10), eles não barganharam com Deus, eles ofertaram sem exigir nada em troca (Jo. 3: 16), eles cooperaram com um coração voluntário (II Co 9: 7; I Cr 28: 9). O coração deles estava totalmente tomado pelo amor de Deus (Rm 5: 1-5). Esta foi à razão da riqueza brotar do fundo da pobreza (Lc 21: 1-4; Atos 4: 32-37; II Co 9: 7).  

    II CORÍNTIOS 8: 3 – Pois segundo as suas posses (o que eu mesmo testifico), e ainda acima delas, deram voluntariamente.

     Veja que o segredo não esta nas exigências dos pastores, não esta nas ofertas, não esta em ofertar por interesse (II Co 9: 7). O segredo é o amor de Deus no coração do crente (Lc 10: 25- 37). Os crentes da Macedônia amavam a obra de Deus, amavam os irmãos de outras igrejas, eles contribuíam por amor, eles eram voluntários no contribuir e isto fez com que eles contribuíssem com mais do que eles possuíam. O que é isto? Milagre: como é que pode contribuir com mais do que possui? (II Co 9: 8-11; Jr 32: 27). Hoje pode; naquele tempo não tinha como. Como assim me explique? Hoje você pode pagar seus dízimos doar suas ofertas, fazer tudo no cartão. Com isso diante da pressão dos opressores, mercenários e gananciosos (Lc 10: 3; Atos 20: 28- 29); você parcela. Parcelando: o que vai acontecer? Você vai doar mais do que possui, isto não é milagre. Se não é milagre o que é então? Satanás agindo na sua vida (Ef 4: 27; I Pd 5: 8; II Co 11: 13-15).

    II CORÍNTIOS 8: 4 – Pedindo-nos com muitos rogos o privilégio de participarem desse serviço, que se fazia para com os santos.

     A igreja de Corinto agora livre do jugo, das situações adversas que enfrentaram, estava crescendo na graça e no conhecimento do Senhor Jesus (II Pd 3: 15-18). Paulo vê a oportunidade de fazer da igreja de Corinto participante desta mesma graça (II Co 8: 1). Paulo usa a estratégia de contar a grande obra que Deus estava fazendo nas igrejas da Macedônia. Paulo não usa nenhum artifício mentiroso de prosperidade, tais como correntes e campanhas em busca de riquezas e bens financeiros (Mt 6: 19- 21 e 24; I Tm 6: 3- 10). Quantos pregadores passam por nossas igrejas contando coisas maravilhosas que Deus esta fazendo por ai? No coração de uma grande maioria nada acontece, mas é só falar em dinheiro, riquezas e bens materiais o coração se alegra Ez 33: 31. Veja que Paulo não pediu aos irmãos da Macedônia que contribuíssem com as coletas para aos irmãos pobres da Judéia (I Co 16: 1- 4; Atos 11: 27-30). Eles se ofereceram, imploraram a sua participação. Isto é graça de Deus. Quando Deus esta no negócio não precisa ficar insistindo, só falando em dinheiro o tempo todo. Os irmãos da Macedônia ouviram uma vez e livremente se dispuseram a contribuir (I Jo 3: 16-19; II Co 3: 17; II Co 9: 7). Não somente dispuseram a contribuir como entenderam que era um privilégio cooperar com a obra do Senhor (Pv 13: 7; Lc 8: 4-15; II Co 9: 6).   

    II CORÍNTIOS 8: 5 – E não somente fizeram como nós esperávamos, mas a si mesmos se deram primeiramente ao Senhor, e depois a nós pela vontade de Deus.

    É impossível calcular a profundidade da graça. Eles não só fizeram o que Paulo e Tito imaginavam que fizessem, como se deram primeiramente ao Senhor,ou seja, a graça que estava sobre as igrejas da Macedônia era muito mais abundante que Paulo imaginava. As igrejas da Macedônia já estavam entregues ao Senhor. Quando Paulo passou por lá (Atos 20: 1- 2) Tito estava fazendo um grande trabalho (Tt 1: 5; II Co 8: 16-23). As igrejas estavam vivendo o Grande amor, estavam vivendo a graça abundante, estavam experimentando o que igreja de Jerusalém havia experimentados anos antes (Atos 4: 32-37; Atos 8: 1-4). O objetivo de Paulo era colocar Cristo no coração do crente (I Co 2:1-5; I Co 3: 10-11; Cl 2: 1-3; I Co 1: 18-24), quando Paulo observou o trabalho de Tito ele viu que o trabalho estava dando frutos (Jo. 15: 16), o discípulo tinha seguido as pegadas do mestre (Tt 1: 1- 4; II Co 12: 14-18; I Co 11: 1). Tito assim como Paulo pregava Cristo (II Co 12: 18). Tito vinha ensinando as igrejas a colocar o Senhor em primeiro lugar (Tt 1: 5; Jo. 3: 30; Mc 12: 28-30; I Co 11: 1).

    II CORÍNTIOS 8: 6 – De maneira que exortamos a Tito que, como começou, assim também acabe esta graça entre vós.

     A graça que estava sobre Tito e sobre o trabalho que ele vinha fazendo era algo tão abundante que Paulo achou por bem exortar- lo a não sair do foco, a não perder o objetivo. Veja o que Paulo fala: assim como começou acabe esta graça. Não mude nada, siga na mesma visão, aquele que começou esta boa obra em você não vai te deixar (Fp 1: 6; Atos 18: 9-10). Quantas obras que no começo a graça veio em abundancia pecadores aceitaram a Cristo, novos convertidos experimentaram o poder de Deus; e tudo ficou pelo caminho. O que aconteceu? Alguém que ocupava a liderança saiu do foco e mudou o objetivo (Ap 2: 4; Is 30: 1,2; Mt 6: 24).

    II CORÍNTIOS 8: 7 – Portanto, assim como em tudo tendes abundância: em fé, em palavra, em ciência, em todo o zelo e no vosso amor para conosco, assim também sobressai nesta graça.

     A igreja de Corinto estava desfrutando da graça, tinha passado por dificuldade e lutas, mas era uma igreja rica em tudo; ela tinha abundancia em fé, palavras e ciência (I Co 1: 4-7). A fé, a palavra e a ciência eram em grande quantidade, mas ela precisava de algo mais, para sobressai nesta mesma graça também. Ela precisava ser liberal e demonstrar pelo zelo como era grande o seu amor por Paulo. Na verdade Paulo esta preparando o coração da igreja para as ofertas de ajuda aos irmãos de pobres da Judéia (Atos 11: 27-30). Alguns irmãos da igreja de Corinto cultuavam dois tipos de idolatrias (Cl 3: 5). Adoravam ídolos (I Co 10: 14-21; II Co 6: 11-16), e adoravam o dinheiro (II Co 9: 1-5; I Tm 6: 3-10; I Co 6: 1- 11).    

    II CORÍNTIOS 8: 8 – Não digo isso como quem manda, mas para provar, pelo zelo dos outros, a sinceridade do vosso amor.

    A igreja de Corinto tinha produzido frutos de arrependimento, tinha passado por provas e tinha sido aprovada (II Co 7: 8-10), mas havia uma área a qual ela não tinha sido provada ainda (I Co 13). Por isso Paulo diz: “não digo isso como quem manda”, ou seja, não era uma ordem ou uma doutrina, mas sim para provar, para ver se eles já estavam aptos para amar outros (Mc 12: 28- 31; Rm 13: 8). No melhor entendimento se eles já estavam prontos para deixarem de ser mão de vaca (II Co 9: 5,6). Quantos que estão dentro das igrejas ocupando os púlpitos que são poderosos em fé, Palavras e ciências, mas também são avarentos, não abrem a mão nem para cumprimentar (Cl 3: 5; Lc 16: 13,14; Lc 12: 15). A liberalidade não esta só relacionada com dízimos e ofertas, a liberalidade é para ser em tudo que está relacionado com o social (Lc 10: 25-37; Lc 16: 19-25). Não adianta você ser liberal no que diz respeito só aos dízimos e ofertas; e ai fora o que você esta fazendo para mudar a situação? (Mt 23: 23; I Jo 3: 17; Lc 10: 25- 32).

    II CORÍNTIOS 8: 9 – Pois já conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que sendo rico, por amor de vós se fez pobre, para que pela sua pobreza vos tornásseis ricos.

     Eles já eram participantes da graça do Senhor Jesus Cristo, eles já tinham experimentados o favor de Deus (II Co 7: 8-10). Agora eles precisariam crescer tanto na graça como no conhecimento (II Pd 3: 15-18). Crescer no conhecimento é superar a fase da criancice (I Co 13: 11; I Co 14: 20); crescer na graça é ter a graça em superabundância. A graça em superabundância atinge todas as áreas da igreja; espiritual e social (Ap 22: 17; Is 55: 1-3). Um crente que está superabundando na graça é firme e constante no trabalho espiritual, e no trabalho social da igreja (I Co 15: 58). A graça de Cristo é completa, ela tem que atingir todas as áreas da igreja e da vida do crente. Jesus Cristo sendo rico (Jo. 17: 5; Cl 1: 15); se fez pobre (Lc 2: 1-7), por amor de vós. Por amor a mim, a você a nós (Jo. 3: 16). O modo de pensar e agir de alguns crentes estão mais ligados com a religião, do que com o cristianismo. Os crentes precisam urgentemente passar por uma transformação no raciocínio (Rm 12: 1,2; II Co 10: 4,5). Jesus sendo rico se fez pobre, para que pela sua pobreza nós nos tornássemos ricos (Pv 13: 7). Temos que tomar cuidado que o rico aqui não é a riqueza deste mundo, Paulo esta falando de graça em superabundância, veja que os irmãos das igrejas da macedônia não eram ricos em posse, mas a graça estava em superabundância e isto trouxe para a igreja uma riqueza divina, o dom de doar (II Co 8: 1-3; Jo. 3: 16; I Jo. 3: 16-18).       

    II CORÍNTIOS 8: 10 – E aqui dou o meu parecer sobre o que vos convém: No ano passado fostes os primeiros, não só a dar, mas também a querer dar.

    Parece que Paulo procurou estimular certa competição no dar. Veja que ele no início do texto que estamos estudando Paulo fala do grande interesse por parte dos irmãos da Macedônia em cooperar com as ofertas aos irmãos de Jerusalém (I Co 16: 1-4; Atos 11: 27-30). Agora aqui ele da o seu parecer: Tipo; olha no ano passado vocês foram os melhores cooperaram com um coração voluntário, não só cooperaram como foram os primeiros a querer dar, este ano os da Macedônia estão nadando de braçada na graça (II Co 8: 1-4; Ez 47: 1- 7). Paulo gostava de estimular á competição (I Co 9: 24-27; I Co 11: 18,19). Se for para competir: No dar, ninguém vence Deus. Ninguém da mais para Deus do que recebe Dele (Jo. 3: 16; Gn 1: 1-30; Mt 5: 45b).     

    II CORÍNTIOS 8: 11 – Agora, porém, completai o já começado, para que, assim como houve a prontidão de vontade, haja também o cumprimento, segundo o que tendes.

    Paulo chama a igreja de Corinto para completar a obra começada um ano antes (II Co 8: 10), já que segundo Tito havia prontidão de vontade, ou seja, os irmãos estavam prontos e com boa vontade em cooperar. Estão-se com boa vontade para cooperar, que seja feito, que se cumpra segundo o que tendes. Vejamos que houve prontidão por parte da igreja, não precisou ninguém ficar falando de dinheiro e de oferta o tempo todo. Onde a graça esta superabundando à obra é completa (Rm 5: 12-20; Jo 3: 16; Lc 10: 25-37; II Co 8: 1-3).  

    II CORÍNTIOS 8: 12 – Pois se há prontidão de vontade, será aceita segundo o que qualquer tem, e não segundo o que não tem.

    Veja que Paulo instrui aqueles que vão recolher as ofertas, a recolher só dos que tem, e não recolher dos que não tem. Diferente de muitos que vemos nos púlpitos, que vemos na televisão, que tiram tudo, até ultimo centavo de quem tem, e de quem não tem (Atos 20: 28-29; Jd 12-16).

    II CORÍNTIOS 8: 13 – Mas, não digo isto para que os outros tenham alívio, e vós aperto,

     O Que aconteceu na Macedônia foi um milagre muitos que não tinham posse conseguiram cooperar, por isso que Paulo fala: da sua profunda pobreza transbordou em riquezas da sua generosidade (II Co 8: 2). Paulo toma cuidado na mensagem para que ela não venha ser interpretada de forma errada (I Co 2: 1-5), pois na Macedônia os que não tinham nada contribuíram. O que aconteceria se os irmãos de Corinto que não tinham nada resolvessem cooperar só por interesse (II Co 9: 7). Eles poderiam pensar, os pobres da Macedônia transformaram pobreza em riquezas vamos fazer a mesma coisa, pois vai acontecer aqui conosco como aconteceu Lá. O que iria acontecer se eles agissem desta maneira? Os pobres da Judéia iriam ter alívio, mas são eles os irmãos mais pobres de Corinto é quem iriam ficar apertados. Isto é amor pelas ovelhas. Paulo pensou nos irmãos da Judéia, mas cuidou com carinho dos pobres de Corinto (Jr 3: 15; Jr 23: 4; II Co 2: 4).

    II CORÍNTIOS 8: 14 – mas para igualdade. Neste tempo presente, a vossa abundância supra a falta dos outros, para que também a sua abundância supra a vossa falta, e haja igualdade,

     A visão da igreja no principio era cuidar do corpo (I Co 12: 18-26), e o corpo não é a congregação ou a igreja local (I Co 12: 12-14 e 27). O povo a igreja de Corinto estava vivendo um tempo de prosperidade um período de abundância. Paulo insistia para que a igreja não perdesse a simplicidade (II Co 11: 2,3). A simplicidade da igreja se manifestava pelo amor ao próximo (Atos 4: 32; Mc 12: 31). Veja o que Paulo fala: vós que tendes em abundância supra as necessidades daqueles que neste momento não tem, e também a sua abundância possa suprir a vossa falta, ou seja, ajudam a os da casa, os irmãos mais pobres da congregação, os mais próximos. Fazendo assim? Vai haver igualdade; vai cumprir- se a Palavra (II Co 8: 15; Ex 16: 18; Jo 6: 63; II Co 3: 6).

    II CORÍNTIOS 8: 15 – como está escrito: O que muito colheu não teve demais, e o que pouco, não teve falta.

     A visão é sempre pensar no próximo, o próximo é o alvo o próximo é o objetivo. A palavra vai sempre nos conduzir a doar (Jo. 3: 16). Aquele que muito colheu não teve de mais; por quê? Porque ele pensou naquele que pouco colheu, ele pegou o muito dele e repartiu com aquele que tinha pouco, assim o que tinha pouco não teve falta. E hoje o que aconteceu? A visão esta invertida. O próximo não é o alvo, o próximo não é o objetivo. O alvo e o objetivo é o dinheiro do próximo. Quantos que você conhece que repartiu o muito que tinha com aqueles que tinham pouco? Agora, quantos vocês conhecem que tem muito e mesmo assim continua tirando o pouco que resta no bolso de quem não tem quase nada? (Jr 6: 13-15; Jr 23: 11,12; Ez 34: 1-4).

    II CORÍNTIOS 8: 16 – Dou graças a Deus, que pôs a mesma solicitude por vós no coração de Tito.

     A visão de Tito era a mesma visão de Paulo (II Co 12: 18). Quando Tito foi enviado por Paulo para ministrar nas igrejas (Tt 1: 5); á Corinto ele foi com a missão (Tt 1: 10,11) Tito durante o tempo que esteve ministrando em Corinto seguiu as mesmas pisadas do seu mestre; Tito era discípulo de Paulo (Tt 1: 4; II Co 2: 12,13). Tito era zeloso, cuidou bem da igreja de Corinto. (II Co 8: 17). Paulo confiava em Tito (Tt 2: 7-8; II Co 8: 23). É muito importante para a obra, para o trabalho dá igreja, você ter ao seu lado pessoas de confiança, pessoas que tenha a mesma visão que a sua (Amós 3: 3; Mt 18: 18-20; Atos 16: 9-26).

    II CORÍNTIOS 8: 17 – Pois ele aceitou a nossa exortação. E mais ainda, sendo muito zeloso, partiu voluntariamente para vós.

    Tito sabia que Paulo era um homem de Deus, ele sabia que obedecer a um homem de Deus é sabedoria (Pv 9: 10). Veja o que Paulo diz: ele aceitou a nossa exortação, não reclamou, não murmurou, obedeceu. Tito estava sempre pronto para a obra, quando recebeu de Paulo a missão de recolher a coleta em Corinto, para pobres da Judéia (I Co 16: 1-4; Atos 11: 27- 30), ele viu uma ordem de Deus; não perdeu tempo, muito zeloso partiu voluntariamente. Não cobrou nada não pediu nada, simplesmente ouviu a vós de Deus e partiu (Hb 4: 7; Mt 4: 18-20; Jo. 10: 1-4).

    II CORÍNTIOS 8: 18 e 19 – E com ele enviamos o irmão cujo louvor no evangelho está espalhado por todas as igrejas- E não só isto, mas foi também escolhido pelas igrejas para ser nosso companheiro de viagem, no desempenho desta graça que por nós é ministrada para glória do Senhor,

     As coisas de Deus são feita com transparência. Paulo era um homem guiado pelo Espírito de sabedoria, não passou esta responsabilidade para um homem só. Foi enviado como companheiro de Tito um irmão cujo nome não é mencionado no texto (II Co 12: 17-18); se sabe que era um homem que tinha um trabalho no evangelho, um trabalho bem conhecido pelas igrejas. Este irmão pelo seu bom trabalho no evangelho foi escolhido pelas igrejas para fazer parte da equipe de Paulo (II Tm 4: 6-13) na dura missão (II Tm 3: 10-12) que Paulo recebeu do Senhor Jesus Cristo (Atos 9: 1-20), espalhar esta graça (II Co 5: 11-19; Rm 5: 1-11) por toda terra (Atos 26: 1-18; Mt 24: 14; Dn 2: 1-35).

    II CORÍNTIOS 8: 20 – e para provar a nossa boa vontade. Queremos evitar que alguém nos censure por esta abundância, que por nós é ministrada.

    Paulo querendo evitar falatório, junto com as igrejas da Macedônia escolheu este irmão para acompanhar Tito no trabalho de recolher a coleta para os irmãos pobres da Judéia. Porque Paulo fez desta maneira; ele não confiava em Tito? Não, Paulo não queria dar motivo para que os inimigos viessem semear mais duvida a respeito do seu caráter (II Co 12: 11-18; I Co 9: 1-15; II Co 11: 8-15). Paulo queria evitar que um descuido, uma falta de vigilância o inimigo encontrasse a brecha para atingir o seu ministério (I Co 2: 1-5; II Co 5: 11-19; Rm 5: 1-11; Jo 3: 16), por isso ele não permitiu que Tito fosse nesta missão sozinho (Lc 10: 1; Ec 4: 9-12; Mt 10: 16).  

    II CORÍNTIOS 8: 21 – Pois zelamos o que é honesto, não só diante do Senhor, mas também diante dos homens.

    Veja no tempo de Paulo os homens de Deus também viviam sob suspeita de serem ladrões, e de usar a palavra de Deus para roubarem os dinheiros dos fiéis (II Co 12: 18; II Co 11: 7-15; I Co 9: 3-15). É a mesma coisa hoje o tempo passou e nada mudou, a batalha espiritual ela existe, ela é a mesma coisa não mudou nada, satanás os demônios são os mesmos (Ef 4: 27; I Pd 5: 8). Assim como existia o joio os servos de satanás naquela época, hoje é mais ainda, hoje a corrupção no nosso meio é maior (Mt 13: 24-30). Mercenários, aventureiros, pessoas disposta a tudo para enriquecer, antigamente também tinha (I Tm 6: 3-10; Jd 11- 16). Homens que causam escândalos, que envergonham o evangelho e a Palavra de Deus na época de Paulo também tinham (I Co 5: 9-12; Mt 18: 4-9; Atos 5: 34-38; Mt 13: 36-41). Esta era a razão do cuidado de Paulo, Paulo estava vigiando, ele não queria ser confundido com alguém deste caráter (Mt 5: 13-16; I Ts 5: 5-9; Cl 4: 5).     

    II CORÍNTIOS 8: 22 – Com ele enviamos outro nosso irmão, os quais muitas vezes, e em muitas coisas, já experimentamos ser zeloso e agora muito mais zeloso ainda muito confiança que em vós tem.

    Paulo envia um irmão de sua confiança para se ajuntar a Tito (II Co 8: 16-17), e a outro irmão que foi escolhido pela igreja (II Co 8: 18), mas o nome deles não é mencionado no texto. Por que será que Paulo omitiu o nome dos irmãos na carta? (Dt 29: 29). O Nome dos irmãos não importava; para as igrejas o que importava era obra que eles vinham fazendo. E para estes homens o que importava era quem Os estava usando (Mc 9: 38-41; I Co 15: 58). A forma de Deus trabalhar é diferente da forma do mundo, no mundo muitas vezes o homem não é recompensado por aquilo que ele faz, no mundo opera a injustiça (II Ts 2: 7; Rm 1: 18). No Reino de Deus opera a justiça (Rm 1: 16,17; Mt 5: 6); não tem como: no Reino de Deus você recebe conforme você aplica o coração na obra (I Cr 28: 9). Este irmão estava sendo recompensado pelo trabalho que vinha fazendo na divulgação do evangelho (II Co 8: 18,19). Veja que Paulo fala deste homem, como um homem zeloso e experimentado na obra de Deus (I Tm 3: 1-6). O fato de ele ser o escolhido para acompanhar Tito nesta missão II Co 12: 17- 18, deixando-o muito mais zeloso e confiante na igreja; (Sl 122: 1; Sl 69:9; Sl 101: 6).   

    II CORÍNTIOS 8: 23 – Quando a Tito, é meu companheiro e cooperador para convosco; quanto a nossos irmãos, são embaixadores das igrejas, e glória de Cristo.

    Tito aceitou Jesus através de uma pregação do apóstolo Paulo (Tt 1: 1-4). Tito cresceu no evangelho andando lado a lado com Paulo, era seu companheiro, ministro na Palavra e no ensino (Tt 1: 5; II Co 12: 18). Tito se destacou como um grande homem de Deus seguiu passo a passo os ensinos de Paulo (I Co 11: 1). Foi um discípulo importante para o ministério de Paulo. A obra era grande e trabalho era muito e Tito teve papel importante no inicio da igreja foi responsável por estabelecer lideranças nas igrejas da Macedônia e por recolher as coletas para os irmãos pobres da Judéia (II Co 8: 6). Quanto a outros irmãos enviados por Paulo para acompanhar Tito (II Co 12: 17- 18), Paulo os trata como embaixadores. O que é um embaixador? É um funcionário diplomático do mais alto escalão, representante de uma nação em suas questões internacionais. Estes homens eram representantes das igrejas, eles estavam representando as igrejas envolvidas na coleta para os irmãos da Judéia. Nós somos embaixadores de Cristo (II Co 5: 20) a igreja é a embaixada (Ap 22: 17). Nós crentes salvos em Cristo Jesus somos os representante do reino de Deus aqui na terra (Ap 5: 1- 10; Lc 17: 20- 21; Lc 22: 29). Somos nós que tratamos das questões de Deus aqui na terra (Is 44: 8; Atos 1: 8; Lc 22: 29). Veja nossa pregação em texto: “Cidadão do céu”.

    II CORÍNTIOS 8: 24 – Portanto, mostrai para com eles, perante as igrejas, a prova do vosso amor, e da nossa glória a vosso respeito.

    Paulo enviou esses irmãos citados aqui no fim deste capitulo para evitar alguns constrangimentos mais tarde. Eles ajudariam os corintos a se prepararem e não passarem vergonhas depois com a chegada de outros irmãos (II Co 9: 1-4). Paulo conhecia a situação dos corintos sabia da dificuldade de se organizar (I Co 11: 20-22; I Co 14: 26-40). Paulo pede aos irmãos de Corinto que de o Maximo possível no tratamento aos irmãos perante as igrejas, dando prova de amor. Paulo tinha orgulho da igreja de Corinto. No ano e meio que Paulo passou nesta barulhenta e vulgar cidade portuária Paulo fundou esta maravilhosa igreja (Atos 18: 8-11), igreja escolhida por Deus para ser a carta de Cristo escrita para ser lida por todos os homens (II Co 3: 2,3; Jo. 6: 63; Jo. 7: 16-17).

     

     

     

  • Pr. Ev. Sérgio Lopes - prsergio@palavrasdavida.com.br

  • II Coríntios - Capítulo 9


    ESTÍMULOS PARA A COLETA


    II CORÍNTIOS 9: 1 - Ora, quanto á assistência que se faz a favor dos santos, não a necessidade escrever-vos

    Paulo continua sua carta estimulando os irmãos de coríntios a cooperar com os irmãos pobres da Judéia. A Judéia vinha passando por uma grande fome (Atos 11: 27- 30). Paulo e Tito movidospor esta graça abundante, já estavam no segundo ano desta coleta de ajuda (II Co 9: 2; II Co 8: 7- 10; I Co 16: 1,2). Neste ano a coleta começou pelas igrejas da Macedônia (II Co 8: 1- 4), mas ano anterior a coleta havia começado pelos os irmãos da região da Acaia onde ficava igreja de Corinto (Corinto cidade da região da Acaia) (Rm 15: 21- 26; Atos 18: 4- 27; II Co 11: 10). A igreja de Corinto precisava de estimulo? Os irmãos de Corinto sabiam das necessidades dos irmãos pobres da Judéia. E porque Paulo os estava estimulando? Por dois motivos. Primeiro: eles eram dados a avareza (II Co 9: 3- 5). Segundo: obreiros do mal, falsos apóstolos semearam duvida a respeito do caráter de Paulo, isto trouxe muita tristeza para Paulo e para a igreja (II Co 2: 1- 5; I Co 9: 1- 15; II Co 11: 7- 15). Veja o que Paulo fala: Ora, quanto á assistência que se faz a favor dos santos, não necessita escrever-vos. E por que Paulo escreveu? Tem coisa que não precisava ser escrito, mas como o povo era duro de coração, o Espírito Santo inspirou o apóstolo a escrever. Você precisa de estimulo para cooperar com a obra do Senhor? Você só coopera por interesse; você só coopera por necessidade? (II Co 9: 7; I Cr 28: 9; II Co 8: 1- 3; Atos 4: 32- 37).

    II CORÍNTIOS 9: 2 – Pois bem sei a vossa prontidão, pela qual me glorio de vós para com os macedônios, dizendo-lhes que a Acaia está pronta desde o ano passado, e o vosso zelo tem estimulado a muitos.

     Paulo foi informado por Tito que a igreja estava disposta a cooperar (II Co 8: 11,12). Isto trouxe muita alegria para Paulo, e Paulo alegrou as igrejas da Macedônia contando as bênçãos na região da Acaia. Paulo falava muito bem da igreja de Corinto. A igreja do Corinto era uma pedra preciosa na coroa de Paulo, muito zelosa por isso Paulo diz: a Acaia está pronta desde o ano passado. Paulo se orgulhava muito desta igreja, mas também se preocupava muito com ela (Atos 18: 1- 11). A igreja de Corinto não é diferente das igrejas de hoje, não é diferente de você. A igreja de Corinto era criança e era adulta, era grande e era pequena, era fraca e era forte, era carnal, mas também era espiritual, tinha o Espírito Santo e tinha os dons espirituais (I Co 1: 1- 7; I Co 12: 1- 11) tinha bons momentos, e também tinha maus momentos era o corpo de Cristo, assim como a sua igreja é. Os irmãos desta eram membros do corpo de Cristo assim como você é (I Co 12: 12- 27; Jo. 8: 7; I Co 11: 28; Jo. 7: 24).    

    II CORÍNTIOS 9: 3 – Mas enviei estes irmãos para que a nossa glória a vosso respeito não seja vã nesta parte, mas para que (como já disse) possais estar prontos.

    A igreja de Corinto estava pronta, os irmãos eram zelosos, mas não eram liberais na ora de ofertar. Paulo enviou Tito (II Co 8: 6 e 23; II Co 12: 17,18), um irmão escolhido pelas igrejas da Macedônia (II Co 8: 18) e outro que era de sua confiança (II Co 8: 16,17). Paulo estava muito alegre com liberalidade dos irmãos da Macedônia (II Co 8: 1- 3), mas muito preocupado com a falta de liberalidade dos irmãos de Corinto (II Co 9: 5). Paulo estava preocupado, ele falou muito bem dos coríntios, mas ele temia passar vergonha (II Co 9: 4). É horrível, igreja mesquinha e miserável, povo pão duro; liberal só na ora de contribuir por interesse. Da o dizimo de medo do devorador, coopera com as ofertas só na ora de multiplicar, ganhar mais, prosperar. Veja o que Paulo fala: “Mas enviei estes irmãos para a nossa glória a vosso respeito não seja vã nesta parte”, ou seja, que vocês não sejam reprovados no que diz respeito ao ser liberal (Atos 4: 32- 37; Atos 20: 35; Pv 13: 17).

    II CORÍNTIOS 9: 4 – Pois se acaso os macedônios vierem comigo, e vos acharem despreparados, nós nos envergonharemos (para não dizermos vós) deste firme fundamento de glória.

     A missão de Tito e mais estes dois irmãos era preparar espiritualmente os irmãos de corinto para esta obra. Pode parecer simples. Era só preparar a coleta, os irmãos da Macedônia junto com Paulo passar La (Corinto) II Co 1: 15- 16, pegar a oferta e ir para Jerusalém (Rm 15: 15- 26). Não era assim; Paulo havia falado muito bem dos irmãos de Corinto. Paulo espalhou nas igrejas da Macedônia que eles eram liberais (II Co 9: 1,2). Paulo estava preocupado com a igreja e com os irmãos, Paulo estava com medo de passar vergonha. Paulo e os irmãos da Macedônia poderiam chegar a Corinto e não haver oferta nenhuma. A igreja de Corinto era rebelde, gostava de andar por maus caminhos (I Co 10: 14- 21; I Co 8: 1,2; I Co 5: 6- 9; I Co 5: 1- 11; I Co 3: 1,2). Quem gosta de andar por maus caminhos não oferece segurança á ninguém. Você confia em uma pessoa que anda por maus caminhos? Nas questões relacionados a dinheiro Paulo não confiava na liderança desta igreja (I Co 6: 1- 8; I Co 9: 1- 15; II Co 11: 8- 15).

    II CORÍNTIOS 9: 5 – Portanto, julguei necessário exortar a esses irmãos, para que primeiro fossem ter convosco, e preparassem de antemão a vossa dádiva, já antes anunciada, para que esteja pronta como expressão de generosidade, e não de avareza.

    Para Paulo julgar necessário enviar os irmãos primeiro, tinha que haver um motivo tinha que haver uma causa! A causa era a avareza II Co 12: 14. Paulo enviou Tito e os irmãos para preparar o coraçãodeles. Os irmãos de Corinto viviam um bom momento, eles estavam prosperando, e a vida estava boa, eles tinham muito dinheiro (I Co 8: 11- 15). Diferente de Corinto, a Judéia estava passando por uma grande fome (Atos 11: 27- 30). Não temos como saber o que nos espera, só Deus sabe o nosso futuro (Gn 41: 1-31). Os irmãos de Corinto sabiam das necessidades dos irmãos da Judéia, um ano antes, eles sob o comando de Tito começaram esta coleta (II Co 8: 6- 11). Paulo enviou Tito e alguns irmãos espirituais para ensinar eles a ofertar com expressão de generosidade e não de avareza. Como assim irmão me explique?A quantia que você oferta, não diz se você é generoso ou avarento, o que diz se você é generoso ou avarento é a intenção do coração (Lc 21: 1- 4). Aquele que contribui por interesse é avarento. Por quê? Porque ele esta pensando no retorno, seja financeiro na saúde em qualquer área se contribuímos esperando o retorno; somos avarentos. A prosperidade não está em contribuir por interesse (II Co 9: 7), é justamente ao contrário (II Co 9: 8; Atos 4: 32- 34; I Cr 28: 9). Pense nisso! (I Rs 3: 11- 13). A prosperidade faz parte da vida do crente (Mt 6: 25- 26). Suprir a necessidade do crente faz parte das promessas de Deus (Mt 6: 31- 31). Jesus disse que o crente não teria falta de nada (Mt 27- 30). E como temos em nossos meio muitos passando necessidade? Porque estão buscando errado. Como assim? O homem faz parte da criação de Deus, como toda natureza (Gn 1: 1- 27; Mt 6: 25- 30) é só obedecer a Deus fazendo o que ele manda a prosperidade não esta em buscar ela, mas sim em obedecer á Deus (Dt 28: 1- 13). Deus não chamou o crente para buscar aquilo que já é dele, mas sim para alcançar aquilo que ainda não é dele (Mt 6: 33; Mt 7: 21; Mt 11: 12- 25; Mt 13: 1- 17; Pv 13: 7).

    CORÍNTIOS 9: 6 – E digo isso: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará, e o que semeia com fartura, com fartura também ceifará.

    Paulo não esta induzindo ninguém a dar o que não tem (II Co 8: 11,12), e nem esta ensinando ninguém a contribuir por interesse (II Co 9: 7). Muitos por falta se conhecimento ou por ganância torcem a Palavra para a sua própria perdição (II Pd 3: 16). Paulo estava assegurando aos irmãos de Corinto que as ofertas deles não lhes faria falta alguma, se eles fossem generosos e contribuíssem com um coração voluntário eles estariam agradando a Deus (II Co 9: 7). Agradandoa Deus a prosperidade é certa (Js 1: 8). Aquele que tem muito, mas oferta pouco, esta com o coração endurecido, endurecer o coração para a obra de Deus não é um bom negócio (Hb 3: 8). Paulo usa a lei da semeadura por quê? Porque aquele que é avarento no trabalho de lançar semente não vai aproveitar a generosidade da terra (Gn 1: 26- 29). A terra é generosa. Aqueles que semeiam com fartura é que fazem a diferença (Atos 4: 32- 37). Aqueles que semeiam com fartura com fartura ceifará. Só semeia com fartura quem tem em abundância (II Co 8: 11- 14). A igreja de Corinto estava passando por um período de abundância, mas eram avarentos (II Co 12: 14), sabiam que os irmãos de Jerusalém estavam passando por necessidade e não tinham interesse em ajudar. Foi necessário Paulo enviar Tito mais dois irmãos e a carta (II Co 9: 5; II Co 8: 10- 23; II Co 1: 1,2); precisava tudo isto? Aquele que semeia pouco, pouco vai colher. A colheita depende da quantidade que é lançada na terra. Não depende de Deus, não depende da terra, depende do homem (Atos 5: 1- 9; Jr 17: 9; Lc 21: 1- 4).

    II CORÍNTIOS 9: 7 – Cada um contribua segundo propôs no seu coração, não com tristeza ou Por necessidade, pois Deus ama o que dá com alegria.

    Como isso acontece? É o propósito que vem no coração. Não é a quantia que interessa para Deus, mas sim o propósito do coração (Atos 5: 1- 10; Lc 21: 1- 4). Veja que Paulo é cuidadoso no ensinar. “Cada um contribua segundo propôs no seu coração, nem mais, nem menos, não com tristeza, pois Deus conhece os corações”, Deus sabe os pensamentos do coração (Atos 5: 1- 3; Jr 17: 9). Tipo: vai fazer falta, se eu contribuir com esta quantia talvez eu venha á passar necessidade. Paulo fala também de contribuir por necessidade. O que é contribuir por necessidade? É dá mais para receber mais e também pode ser: o crente tira o ultimo centavo que tem no bolso e dá na igreja na esperança daquele pouco mover o coração de Deus e ele venha receber bem mais do que deu (Mt 11: 28- 30). O Segredo não é dar mais ou dar tudo que tem; o segredo é dar por prazer, é dar com alegria, pois Deus ama quem dá com a alegria (Zc 4: 6b; Atos 4: 1- 31; II Co 8: 1- 3; Sl 122: 1).

    I CORÍNTIOS 9: 8 - E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda a obra.

    O evangelho é uma obra social, Deus vendo a vida miserável do homem, faz uma doação àhumanidade, Deus buscou o seu melhor, seu filho amado e doou em resgate de toda humanidade (Jo. 3: 16). Todos que estão no evangelho já estão no lucro (Rm 3: 10). Tudo que temos veio de Deus; porque endurecer o coração na hora de repartir? (Lc 6: 36; Mt 5: 7). Paulo fala aos irmãos de Corinto: Não tenha medo de contribuir, Deus não vai deixar faltar; Deus é poderoso para fazer abundar em voz toda graça. A graça de Deus ela tem que ser completa, não adianta a igreja ter dons espirituais, cura, libertação, palavra ungida se ela não tiver amor (I Co 13: 1- 10; Lc 10: 25- 37). A igreja de Corinto tinha dons espirituais, palavra ungida cura libertação, mas o coração estava endurecido pela avareza (II Co 9: 4,5; II Co 12: 14), eles ainda não tinham experimentados a graça abundante que os macedônios tinham experimentado (Atos 4: 32- 34). Por quê? Porque os macedônios eram liberais no contribuir (II Co 8: 1- 3). Você tem medo de contribuir; tem medo de faltar? (I Jo. 4: 18). Veja o que Paulo fala aos irmãos de Corinto: “E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda graça”, ou seja, Deus não vai fazer abundar somente financeiramente, mas em tudo, principalmente na obra (Atos 10: 1- 4; Hb 6: 10; I Co 15: 58).

    II CORÍNTIOS 9: 9 – Conforme está escrito: Espalhou, deu aos pobres; a sua justiça permanece para sempre.

    Paulo usava muito a palavra escrita (II Co 4: 6; II Co 6: 2; II Co 8: 15); por quê? Porque a Palavra de Deus é viva, ela tem vida em todos os momentos em que houver a leitura (Atos 10: 34- 44). Paulo usava a vida que está na Palavra (Sl 112: 1- 9; II Co 3: 6; Jo. 6: 63). Conforme está escrito: Espalhou; Espalhou o que? Os pobres, Deus espalhou o pobres no mundo. Por isso Ele mesmo diz: Não deixará de haver pobres na terra (Dt 15: 11). O sustento do pobre vem de Deus (Pv 13: 7; Sl 132: 15). A sua justiça permanece para sempre (Jr 9: 23- 24). Deus é justo: Deus é justo com o homem, com a natureza, com a terra (Gn 3: 17- 19). Se não existisse os pobres; se todos fossem ricos? A terra e a humanidade necessitam do pobre e do rico (II Sm 12: 1; Pv 22: 1,2). Quando Deus criou tudo, Ele pensou em tudo (Jó 34: 18,19; Rm 11: 33- 36).

    II CORÍNTIOS 9: 10 – Ora, aquele que dá a semente ao que semeia e pão para o alimento, também multiplicará a sua sementeira, e aumentará os frutos da vossa justiça.

    Aquele que dá a semente ao que semeia e pão para o alimento. É Deus que dá a semente; se alguém esta semeando está semente esta vindo de cima, se o pobre esta semeando, está semente esta vindo de Deus, se o pobre tem o pão para comer este pão também vêm de Deus (Is 45: 5- 7). Paulo esta dizendo aos coríntios: Se vocês estão vivendo uma situação de abundância são bênçãos de Deus, se você tem o pão para o alimento isto também vem de Deus. Deus aquele que dá a semente e pão para alimento é poderoso para multiplicar tudo isso; então por que razão da avareza? Os irmãos de Corinto estavam endurecendo o coração na hora de ofertar, na hora de ajudar os irmãos pobres (I Co 11: 18- 22; II Co 9: 3- 5). Fazer justiça com aqueles que estavam passando fome era o objetivo desta coleta (Atos 11: 27- 30). Estimular o que tem muito, a doar um pouco do seu muito, com aqueles que não têm nada é objetivo desta mensagem do apóstolo Paulo (Os 6: 6; Mq 6: 8). Aquele que abre o coração para o pobre e o necessitado, na hora de sua necessidade recebera de Deus a ajuda (Mt 5: 7; Atos 10: 1- 4; Mt 25: 31- 46).

    II CORÍNTIOS 9: 11 – Em tudo sereis enriquecidos para toda a generosidade, a qual faz que por nós se dêem graças a Deus.

    Quando o crente encontra o favor de Deus, ele é abençoado em todas as áreas da sua vida. Veja que o apóstolo Paulo fala: “Em tudo sereis enriquecidos para toda generosidade”. Vai receber mais de Deus, em saúde, em paz, em poder e vai prosperar financeiramente (Rm 8: 31- 33); para que? Para ajudar os pobres (Dt 15: 5- 11). É assim que o pobre vive, o pobre vive da ajuda daqueles que prosperam (Atos 10: 1- 4). Aqueles que prosperam, prosperam por que são enriquecidos pelo Senhor (II Co 9: 10; I Co 1: 5). E por que estes são enriquecidos pelo Senhor? Por que sempre contribuíram com um coração alegre (II Co 9: 6,7). Paulo queria fazer a igreja de Corinto entender que a prosperidade deles tinha um objetivo Divino. Qual? Ajudar os irmãos pobres da igreja de Jerusalém (Rm 15: 25,26; I Co 16: 1- 4; II Co 9: 1,2). O qual faz que por nós se dêem graças a Deus. Quando o objetivo é Divino e o homem de Deus entende assim, Deus é glorificado (Jo. 3: 30; Cl 1: 15- 19; Jo. 15: 1- 5).

    II CORÍNTIOS 9: 12 – A ministração deste serviço, não só supre as necessidades dos santos, mas também transborda em muitas graças, que se dá a Deus.

    Obra social: Pensar no próximo, amar o próximo e ajudar o próximo é obrigação da igreja, faz parte da doutrina de Cristo (Mc 12: 31; Lc 10: 25- 37). Veja que Paulo fala: “A ministração deste serviço”, ele esta falando de um serviço social, uma obra que igreja tem que fazer (Is 55: 1; Atos 4: 32- 35). Deus espalhou os pobres (II Co 9: 9); e quem vai cuidar deles? O mundo? Dos pobres que estão no mundo o governo tem que fazer a parte dele (Tg 5: 1- 4) e a igreja, a sua (Ap 22: 17). Já os pobres da igreja não têm como, somos nós que temos que cuidar (Dt 15: 11; Mt 25: 31- 46). A obra social feita pela igreja ela não só supre as necessidades dos pobres, mas também transborda em muitas graças, que se dá a Deus, ou seja, quando você coopera com a obra social da igreja; melhor quando você esta sendo liberal na hora de contribuir você esta fazendo aquilo que Deus quer que você faça. Você esta fazendo a obra de Deus (II Co 9: 13). Aquele que esta recolhendo as ofertas de ajuda também esta fazendo aquilo que Deus quer que ele faça. Ele esta fazendo a obra de Deus. Quando o corpo e todos os membros (I Co 12: 12- 27) entendem que a obra é de Deus, todos ganham (II Co 8: 15; Atos 4: 32- 35), e Deus é glorificado (Mt 5: 16; I Pd 2: 12; Jo. 15: 1- 8).

    II CORÍNTIOS 9: 13 – Visto que esta ministração prova que sois obedientes, e seguis o evangelho de Cristo, eles louvarão a Deus. E também louvarão a Deus pela liberalidade das vossas dádivas para com eles, e para com todos.

    Contribuir na igreja, ajudar os pobres é mandamento de Deus, faz parte do evangelho de Cristo. Como encontrar Deus em uma igreja que não faz obra social? Como encontrar Deus em um crente que não se compadece com os pobres? Como encontrar Deus em um povo que não ama o próximo (Mc 12: 28- 31; I Jo. 3: 16- 18; Rm 13: 8). “Esta ministração prova que sois obedientes, e que é seguidor do evangelho de Cristo”. Veja que Paulo fala do evangelho de Cristo. Por quê? Tem evangelho que não é de Cristo? Tem muitos evangelhos por ai que não é de Cristo. Evangelho são boas novas; cuidado com as novidades? (Pv 14: 12; I Tm 4: 1; I Tm 6: 3- 10; Mt 6: 24). A sua liberalidade na obra de Cristo trará louvores a Deus (Atos 20: 35; Atos 4: 33- 35).

    II CORÍNTIOS 9: 14 – E orarão com grande afeto por vós, por causa da excelente graça que Deus vos deu.

    A ajuda dos irmãos de Corinto era de suma importância; a igreja era grande, tinha muitos membros, e alguns irmãos tinham um alto poder aquisitivo (I Co 11: 18- 22). Paulo fala aos corintos: “A liberalidade de vocês trará muita alegria à igreja de Jerusalém (Rm 15: 25,26), e os santos que lá estão (Atos 15: 1- 13) orarão com grande afeto por vós, por causa da excelente graça que Deus vos deu” (Tg 5: 17,18). Se você tem uma vida estável financeiramente, um bom emprego, a sua casa a sua família esta em paz; o que te impede de ser liberal? Tudo que nós temos, é graça de Deus (Ef 2: 1- 8). O que nós fizemos para merecer isto? (Jo. 3: 16). Você já parou para pensar; que você poderia ser um pobre e miserável? (Dt 15: 11). Antes de você vir ao mundo, o seu destino estava nas mãos de Deus (Is 45: 5- 7; Jo. 15: 16; Is 44: 1- 8).  

    II CORÍNTIOS 9: 15 Graças a Deus pelo seu dom inefável.

    Não há como explicar; as muitas palavras jamais poderão explicar o tamanho da graça e aquilo que ela pode proporcionar.  As igrejas da Macedônia da sua pobreza produziram riqueza (II Co 8: 1,2). Não tinham nada, mas queriam doar muito (II Co 8: 3; Pv 13: 7). A igreja de Corinto tinha muito, mas queria doar pouco (II Co 9: 1- 5). Os pobres da Judéia não tinham nada e estava esperando a ajuda de ambas (Rm 15: 25- 26). Deus fez abundar em prosperidade os corintos,transformou a pobreza dos macedônios em riqueza, para que? Para ajudar os pobres da Judéia. A igreja de Cristo tem os que estão prosperando financeiramente, tem também os que do fundo de sua pobreza estão produzindo riqueza, mas também têm os que estão como os irmãos da Judéia, uma pobreza tremenda (Dt 15: 11; I Jo. 3: 16- 18; Rm 13: 8; Atos 4: 32- 35). Leia a “Primeira Igreja”. Atos dos Apóstolos comentados.

     


  • Pr. Ev. Sérgio Lopes - prsergio@palavrasdavida.com.br

  • II Coríntios - Capítulo 10


    A COLETA PARA OS CRISTÃOS POBRES DA JUDÉIA


    II CORÍNTIOS 10: 1 – Ora, eu mesmo, Paulo, rogo - vos pela mansidão e benignidade de Cristo, eu que, na verdade, quando presente entre vós, sou humilde, mas quando ausente, ousado!

    Uma grande parte dos irmãos de Corinto estava bem financeiramente (II Co 8: 10- 14). Onde se está vivendo uma vida de abastança e abundância, a vida espiritual está em perigo. Perigo de que? Da soberba, da vaidade, da ganância e da avareza (II Co 9: 1- 5). Paulo esta explicando aos corintos o motivo de sua carta conter palavras fortes (palavras duras) (II Co 7: 8). A igreja de Corinto era carnal (I Co 3: 1- 3), e tinha dificuldade de entender este assunto (I Co 2: 14,15). Paulo roga pela mansidão e benignidade de Cristo que haja uma mudança de raciocínio na igreja (Rm 12: 1- 2; I Co 6: 20). O texto me faz entender que Paulo, quando presente e vendo a dificuldade da igreja procurava mostrar o seu lado mais paizão (I Co 9: 1,2), menos ousado, mais amoroso (II Co 2: 1- 4), mas quando estava distante só se comunicando por carta ele era mais rigoroso, mais exigente (II Co 11: 6; I Co 11: 1). Muitas vezes o nosso sentimento de compaixão (Jr 17: 9), nos impede de dizer a verdade para pessoas que amamos e que estão tão próximas (I Sm 2: 27- 29; Gl 1: 10; Mt 10: 37).    

    II CORÍNTIOS 10: 2 Rogo-vos que, quando estiver presente, não me veja obrigado a usar com confiança da ousadia que espero ter com alguns que nos julgam como se andássemos segundo a carne.

    O fato de Paulo quando estava presente ter mensagens mais suaves e já por carta as mensagens ser mais duras, isto trouxe contendas por parte da igreja (I Co 1: 10- 11), mais propriamente da liderança que eram idolatras (I Co 8: 1- 10) e avarentos (II Co 9: 1- 5) torciam a Palavra (II Pd 3: 15- 17) e colocavam dúvidas sobre o seu caráter (II Co 11: 7- 15;  I Co 9: 9- 15), e pregação (I Co 2: 1- 5). Dá a entender que a liderança da igreja dizia: “Ele não tem coragem de dizer pessoalmente e fica enviando carta através de Timóteo e também de Tito”. Esta maneira de pensar por parte de e alguns irmãos da igreja desagradava Paulo. Paulo esta dizendo: “Olha para aqueles que julgam como se andássemos segundo a carne, breve irei ter convosco, então este que nos julgam irão, conhecer não a letra mais o poder de Deus” (I Co 4: 14- 21; II Co 3: 6; I Co 2: 1- 5; Rm 15: 18- 19).Batalha espiritual, isto era o que Paulo vivia (Ef 6: 10- 12; II Tm 2: 1- 5; Atos 16: 9- 26; Atos 19: 1- 17).     

    II CORÍNTIOS 10: 3 – Pois embora andando na carne, não militamos segundo a carne.

     Paulo esta falando de milícia; milícia está relacionada com a vida militar e vida militar está relacionada com servir a pátria, proteger a nação contra os inimigos (II Tm 2: 1- 5). Então estamos falando de guerras, combates e batalhas? (Is 13: 1- 4; Sl 110: 3; Ez 37: 1- 10). Veja que Paulo fala: “Pois embora andando na carne, não militamos segundo a carne”; ou seja, nós andamos na carne, mas o nosso combate não é com armas carnais (II Co 10: 4). Paulo observou que o que estava alojado no púlpito em Corinto era uma fortaleza (II Co 11: 13- 15; Ef 6: 10- 12). Satanás estava atuando com liberdade na igreja (I Co 5: 1- 13; I Co 6: 1- 20; I Co 8: 1- 10; I Co 10: 14: 21; II Co 6: 11- 17; I Co 10: 1- 12; I Co 14: 33). Diante de tantos sinais e manifestações satânicas dentro da igreja, Paulo usou armas espirituais no combate ao mal (I Co 4: 18- 21; I Co 2: 1- 5; II Co 4: 3- 7).

    II CORÍNTIOS 10: 4 – As armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus, para destruição das fortalezas.

    Veja que as armas usadas por Paulo eram para derrubar as fortalezas e não as pessoas (II Co 2: 5- 11; Ef 6: 10- 12). As armas usadas por Paulo não era humana, não tinha nada do homem, não tinha fabricação, tecnologia e ciência humana. Que armas eram estas? Primeira arma usada por Paulo foi o amor. A segunda foi à verdade, escrita por cartas (II Co 13: 8; II Co 4: 2). Paulo amou a igreja de Corinto (II Co 2: 4), Por isso ele não escondeu a Verdade  (Jo 17: 17). Você pode orar muito, jejuar e ler muito a Bíblia, mas nesta guerra o amor e verdade são as maiores e mais poderosas armas no combate ao mal. Por quê? O Amor usado nesta batalha (Gl 2: 20; I Co 11: 1), só atinge o mal, não atinge as pessoas (Mt 5: 43- 48; Lc 9: 52- 56; Jo. 3: 16). A Verdade só atinge o mal não atinge as pessoas (Jo. 8: 31- 32 e 36; Jo 14: 6; Jo. 16: 12- 14).  

    II CORÍNTIOS 10: 5 – Derrubamos raciocínios e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levamos cativo todo pensamento à obediência de Cristo.

    A batalha acontece na mente. Não se deixe enganar (Mt 24: 4; Ef 5: 6). Onde aconteceu o engano? Foi na mente (II Co 11: 3; Gn 3: 1- 6). É na mente que Satanás trabalha (Mt 16: 20- 23), é a mente que o diabo cega (II Co 4: 3,4).  É na mente que esta a má interpretação da Bíblia (Mt 22: 29; Os 4: 6ª). É na mente do homem que está à soberba, a vaidade, a ganância e a avareza (Gl 5: 16- 21). É na mente do homem, que ele mesmo conhecendo as escrituras (I Co 8: 2) se desviam para o mau (Pv 14: 12; Gn 3: 1- 6). A mente do homem é apaixonada pelo mundo (Tg 4: 4,5), e realizam os desejos da carne (I Co 3: 1- 3; Mc 14: 38). A igreja de Corinto foi fundada e fundamentada nos ensinos de Paulo (I Co 3: 10,11) bastou Paulo se afastar por alguns anos (missões) que Satanás implantou seu servos dentro da igreja (II Co 11: 6- 15; I Co 15: 33). Conseqüências: Dúvidas, desconfianças, incredulidades, pecados (I Co 10: 1- 13; Tg 1: 13- 15; I Ts 4: 3,4); pensamentos contrários a vontade de Deus (I Co 3: 20). Se você ganhar a sua mente para Cristo (II Co 2: 15- 16; Cl 3: 1- 3) você vai desfrutar do Amor e da Verdade de Deus (Gl 2: 20); poderá então invadir outros territórios, territórios que estão controlados pelos inimigos (Is 58: 11,12; Is 35: 1- 4).  Se você não tiver o Amor, você não prega á Verdade, e se você não pregar a Verdade você não liberta os raciocínios cativos pelo mal (Lc 9: 52- 56; Jo. 4: 3- 38). Primeiro você liberta os raciocínios pelo poder da Verdade (Rm 1: 16,17; Rm 10: 17; Rm 12: 1,2); depois com o Amor você leva os pensamentos, agora cativos pela verdade (Jo. 17: 17) á obediência de Cristo (Jo. 7: 16,17; Jo. 14: 15- 23; Gl 2: 20; I Co 11: 1).  

    II CORÍNTIOS 10: 6 – E estaremos prontos para punir toda desobediência, quando for cumprida a vossa obediência.

     A desobediência e obediência esta na mente, faz parte do livre arbítrio (Gn 2: 15- 17; Gn 3: 1- 6). É na sua mente que você escolhe se obedece ou se não obedece a Deus (Dt 28: 1- 15; Dt 30: 19). Quando você na sua mente decidir a obedecer a Deus então você vai estar pronto para receber a repreensão (Hb 12: 5- 7). Como assim? A repreensão não faz efeito nos rebeldes (Ez 33: 30- 32; Hb 12: 8). Paulo esta dizendo: Estes que nada sabem de nossas vidas, e falam que andamos na carne (II Co 10: 2), breve eles vão saber a diferença entre obedecer a Deus e não obedecer (II Co 10: 3- 4 e 11; I Co 4: 18- 21; Atos 18: 9,10).

    II CORÍNTIOS 10: 7 – Olhais para as coisas segundo a aparência. Se alguém confia se si mesmo que é de Cristo, pense outra vez isto consigo que, assim como ele é de Cristo, também nós de Cristo somos.

     Aqueles que achavam que Paulo andava na carne, o julgavam pelas as aparências (Jo. 7: 14; I Sm 16: 1- 7), e o analisavam  pelo o que ele falava, pessoalmente e por cartas (II Co 10: 9,10). Para alguém Paulo não era de Cristo. Este que pensava isto de Paulo era alguém que estava com inimigo infiltrado na cabeça (Ef 6: 10- 12). Esta pessoa era um dos fariseus que haviam crido, estes divulgavam que Paulo não era de Cristo (Atos 15: 1). Veja que a batalha acontece na mente: Ele tinha base bíblica que o fazia pensar isto (Atos 15: 5). Paulo esta batalhando em outro território; veja que ele chama o seu acusador a pensar: Se alguém confia que é de Cristo, pense outra vez isto consigo (Rm 10: 6- 8). Vamos esmiuçar o texto: Se alguém confia. A onde esta a confiança? Na mente. Paulo o, manda repensar isto. A pregação dele mostrava que não era de Cristo Rm 10: 4, mas Satanás o fazia pensar que era. Fora da Palavra de Deus com a vida toda errada, só fazendo o mal (Rm 2: 17- 24), mas pensando que era de Cristo (Mt 5: 13). Paulo que tinha o testemunho de Cristo na sua vida era perseguido (I Co 9: 1- 15). Alguns obreiros do mal procuravam confundir os ouvintes usando a Palavra e o Velho Testamento, deturpando e torcendo o que Paulo pregava e ensinava (II Pd 3: 15- 17; I Co 2: 1- 5; Atos 18: 9- 10; Rm 15: 18,19). Paulo fala de um crente que se gabava dizendo que era de Cristo, e lançava dúvidas a seu respeito. Paulo sabendo o nível da batalha foi cuidadoso (Ef 6: 10- 12). Olha se alguém confia que é de Cristo, pense nisto! Nós também somos de Cristo (I Jo. 4: 6). Se você quiser vencer o Inimigo, ofereça amor aos seus inimigos (II Co 2: 5- 11; Mt 5: 43- 48; Is 35: 3).

    II CORÍNTIOS 10: 8 - Pois ainda que eu me glorie um pouco mais a respeito da nossa autoridade, a qual o Senhor nos deu para edificação, e não para a vossa destruição, não me envergonharei.

    Paulo se alegrava muito com sua carreira, tinha prazer em ser de Cristo, amava a igreja e a obra de Cristo (II Tm 4: 6- 8); Paulo tirava alegria do meio do sofrimento (Atos 13: 42- 52; Atos 16: 9- 25). Paulo recebeu o ministério e autoridade das mãos do Senhor Jesus (Gl 1: 11,12; Atos 9: 1- 16; Atos 26: 1- 18), e ele não iria se intimidar (II Co 10: 1,2 e 6; I Co 4: 14- 21). Alguns irmãos estavam criando polemica a respeito da carta anterior (I Coríntios), achavam que quando ele escreveu, ele estava na carne e se exaltando (II Co 10: 2,3). Eles não estavam entendendo nada. O ministério que Deus deu a Paulo era paraedificação e não para a destruição (II Co 12: 14; II Co 6: 3). Aquilo que Paulo escreveu era revelação de Deus (II Co 3: 6). As palavras eram duras (I Co 5: 9 - 13; I Co 6: 8- 11; I Co 10: 1- 12; I Co 10: 14- 21; II Co 6: 11- 17), mas necessária (Hb 12: 5- 8), tão necessária que trouxe salvação (II Co 7: 8- 10). Satanás é astuto, toda esta pressão sobre Paulo era para que ele se sentisse triste, culpado e humilhado por escrever aquela carta (II Co 2: 4; II Co 7: 8). Paulo sabia que comentavam na igreja, que ele não tinha coragem de falar pessoalmente o que pensava, por isso escrevia as cartas (II Co 10: 9- 11). Houve outras cartas de Paulo para a igreja de Corinto, alem das que temos na Bíblia? Tudo indica que sim (I Co 5: 9; II Co 10: 10).

    II CORÍNTIOS 10: 9 – Para que não pareça como se quisera intimidar-vos por cartas.

    Na verdade esta pressão que estava sobre Paulo, estava fazendo bem para ele e para os irmãos de Corinto (Rm 8: 28). Por quê? Porque a igreja de Corinto estava precisando ouvir umas verdades (Jo. 16: 13). E Paulo estava muito paizão (II Co 2: 4; I Co 9: 1,2). Paulo precisava ser despertado, precisava de algo para levantar o animo (I Co 10: 1,2). Por quê? Para que não parecesse que ele só era ousado quando estava distante (II Co 10: 11; I Co 4: 14- 21; II Co 10: 3- 5).  

    II CORÍNTIOS 10: 10 - Pois as suas cartas, dizem, são graves e fortes, mas a presença pessoal é fraca, e a palavra desprezível.

    Alguns da igreja se achavam amigo do Todo Poderoso (II Co 10: 7); eram estes que estavam desafiando Paulo. Satanás estava usando todos os meios para irritar Paulo (Atos 15: 1- 5; Atos 9: 23- 24; Atos 17: 1- 5; Atos 13: 44- 50). Veja o que eles diziam: “através de carta ele nos mete medo, mas quando está presente é fraco, e palavra desprezível”. Havia grupos, facções e divisões na igreja de Corinto (I Co 11: 18). Na igreja de Corinto havia os fãs clube de Paulo, Apolo, Pedro (I Co 1: 10- 14; I Co 3: 1- 4). Estes que perseguiam Paulo eram membros de algumas facções qualquer (II Co 11: 13- 15). Veja que Paulo comenta o pensamento deles a respeito de sua palavra (desprezível) (II Co 4: 3,4). O mesmo pensamento dos filhos de Israel no exílio nos tempos do profeta Ezequiel (Ez 33: 31,32). A Batalha Espiritual é antiga (Gn 3: 1- 13; II Co 11: 3; Jó 1: 6- 11; Jd 9;  Zc 3: 1- 3; Ap 10: 12; Ef 4: 27; I Pd 5: 8).

    II CORÍNTIOS 10: 11 – Pense o tal isto, que, quais somos no falar por cartas, estando ausentes, tais seremos no fazer, estando presente.

    Veja que Paulo continua invadindo territórios controlados pelo inimigo: Pense o tal isto, ou seja, pense no que você esta falando. Neste caso seria melhor ficar quieto e esperar o agir de Deus. Bater de frente com um ungido do Senhor não é uma boa coisa a se fazer (I Sm 24: 1- 10; I Sm 26: 1- 9). A carta anterior trazia revelações que mostravam a presença de Satanás na liderança da igreja (Ef 4: 17; I Pd 5: 8); pois tudo que acontecia na igreja tinha a aprovação da liderança (II Co 11: 13- 15). Havia grupos, facções e divisões na igreja; a liderança não só sabia como participava (I Co 1: 10- 13). Os membros eram carnais e a liderança também (I Co 3: 1- 4). Havia imoralidade dentro da igreja (I Co 5: 9- 11), a liderança sabia (I Co 5: 1,2). Havia litígios entre os irmãos a liderança ignorava (I Co 6: 1- 9). Havia idolatria dentro da igreja e a liderança, liderava (I Co 8: 1- 10; I Co 10: 14- 21; II Co 6: 11- 16). A liderança era fraca não sabiam nem organizar um culto (I Co 11: 1- 34; I Co 14: 1- 40). Imagina! Você ouvir tudo isto vindo do púlpito através de um profeta doSenhor (Mt 21: 13). Era o que Paulo estava falando para eles. “Vocês querem ouvir tudo de novo só que agora pessoalmente”? (II Co 10: 2- 6; I Co 4: 14- 21; II Co 13: 8).

    II CORÍNTIOS 10: 12 – Não ousamos classificar-nos, ou comparar-nos com alguns, que se louvam a si mesmos. Mas estes que se medem a si mesmos, e que se comparam consigo mesmos, estão sem entendimento.

     Paulo não estava se colocando no mesmo nível dos seus acusadores (I Co 15: 33). Veja que os acusadores de Paulo tinham o costume de achar que sabiam mais, eram soberbos (I Co 8: 2; I Co 3: 18; I Co 1: 26- 29). Gostavam de aparecer e buscavam glórias de homens (Mt 23: 1- 7). Aqueles que se julgam os sabichões; que estão neste caminho, só para fazer números; cujo objetivo é ocupar púlpito, aparecer e receber elogios dos homens estão sem entendimento. São fracos e estão perdendo o confronto com o inimigo dentro do seu próprio campo de batalha, a sua mente (II Tm 3: 1- 7; Rm 12: 1,2). Veja o que Paulo fala: “aqueles que se medem a si mesmo, e que se comparam consigo mesmo, está sem entendimento”. Aquele que está sem entendimento; está sem entendimento, por que ele quer? Lógico que não. O homem tem o seu entendimento cegado pelo maligno (II Co 4: 3- 5). O homem não quer ficar sem entendimento, por isso permite que o diabo domine a sua mente (Gn 3: 1- 5; II Co 11: 3). Como isto acontece? Soberba, veja que Pedro logo após ser exaltado por Jesus (Mt 16: 13- 19), a soberba entrou em seu coração (Mt 16: 20- 23). A onde há soberba está, Satanás também está (I Pd 5: 5- 8; Tg 4: 6- 7). A soberba é um dos ministérios de Satanás (Is 14: 11- 15; Ef 4: 27; Pv 14: 3).

    II CORÍNTIOS 10: 13 – Porém não nos gloriaremos além da medida, mas conforme a reta medida que Deus nos deu, para chegarmos até vós.

     O homem espiritual discerne bem todas as coisas (I Co 2: 15). Até no momento de se alegrar e falar de si, o crente tem que ser cuidadoso (II Co 13: 1- 7) e racional (Rm 2: 1,2). Lutar nesta batalha sem ter o controle das emoções, é como estar em uma batalha completamente perdido, desarmado e sem entender nada (Is 43: 8; II Rs 6: 8- 20). Quem entra nesta batalha sem saber separar a razão da emoção, pode em um determinado momento da batalha não saber de que lado está (Mt 16: 20- 23). Veja o que Paulo fala: “Porem nós, não nos gloriaremos além da medida”, ou seja, “nós sabemos separar aquilo que é nosso, e aquilo que é do Senhor” (II Co 10: 12 e 17; Jr 9: 23,24). Continua: “Mas conforme a reta medida que Deus nos deu”. O homem de Deus que tem discernimento saber se está se exaltando ou não. Por quê? Porque ele sabe que é, apenas barro (Is 45: 9- 12). Paulo entendeu bem este assunto; e assim nós também podemos entender (Dt 29: 29). Sem Jesus ninguém pode fazer nada na obra de Deus (Jo 15: 1- 5). Como assim? Obras de homens; feita por homens sem direção nenhuma do Espírito Santo tem muitas por ai (I Tm 4: 1; Is 30: 1,2). Para alcançar os perdidos e fazer uma grande obra de Deus só com a ajuda do Espírito Santo (Jo. 14: 12 e 26). Quem entende desta maneira não edifica em cima de trabalho alheio (II Co 10: 15; Rm 15: 18- 20; Atos 26: 1- 18).

    II CORÍNTIOS 10: 14 – Não nos estendemos além do que convém, como se não houvéssemos de chegar até vós, pois já chegamos também até vós no evangelho de Cristo.

     Paulo era sábio, era espiritual e tinha muita comunhão com o Senhor (Atos 9: 1- 6; Atos 18: 9- 10), ele não iria além do permitido por Deus, portanto ele sabia discernir o seu relacionamento com a igreja de Corinto (I Co 2: 15). A igreja de Corinto foi gerada pelo evangelho de Paulo (Rm 2: 16). Como assim? Pelo evangelho pregado pelo apóstolo Paulo        (I Co 3: 10- 11; I Co 1: 18- 24; I Co 2: 1- 5 naquela região II Co 11: 10; II Co 9: 1,2).

    CORÍNTIOS 10: 15 – Nem nos gloriamos além da medida nos trabalhos alheios. Temos esperança de que, crescendo a vossa fé, seremos abundantemente engrandecidos entre vós, conforme a nossa medida,

    Paulo esta fazendo uma defesa, ele estava sendo acusado de ser um pregador carnal (II Co 10: 2) e criticavam suas cartas (II Co 10: 9- 11), os que o acusavam eram justamente os carnais da igreja, os que faziam contendas (I Co 1: 11) e dividiam a igreja (I Co 11: 18) em grupos e facções (I Co 1: 10); participavam dos fãs clube, e eram fãs de Apolo (I Co 1: 12,13). A igreja não é lugar de divisões, grupos, facções e fãs clube. Paulo esta usando o momento para libertar mentes cativa pelo diabo (II Co 4: 3,4; I Co 3: 1- 4), e aproveitando o momento para cativar estas mentes cativas pelo diabo a obediência de Cristo (II Co 10: 3- 5; II Co 4: 5,6; I Co 2: 1-5). Quem é Paulo, Quem é Apolo? (I Co 3: 5). Paulo esta introduzindo na mente da igreja, que o homem é barro (Is 45: 9- 12) e sendo barro ele só serve para ser usado como vaso (II Co 4: 6,7). Qual o objetivo de Paulo usar esta estratégia? Despertar na igreja a fé (Hb 11: 6). Quem entende deste jeito, não tem necessidade de se gloriar além da medida (II Co 10: 18). O próprio Senhor Jesus encarrega- se do reconhecimento do pregador (Mt 10: 32; Hb 6: 10). A igreja se encarrega do reconhecimento do pregador. Como? Crescendo a vossa fé, seremos abundantemente engrandecidos entre vós. Quando a igreja cresce na fé (Rm 10: 17; II Pd 3: 15- 18), a congregação, os membros, os dirigentes, os necessitados, os perdidos e os pregadores, todos ganham (Ap 22: 17). O evangelho faz o que lhe apraz (Rm 1: 16,17; Is 55: 11- 13; Atos 16: 31).

    II CORÍNTIOS 10: 16 – para anunciar o evangelho nos lugares que estão além de vós, e não em campo de outrem, a fim de não nos gloriarmos no que já estava preparado.

    O objetivo do evangelho de Cristo é alcançar o mundo todo (Mt 24: 1- 14). Paulo sabia que a sua missão não era só Corinto (Atos 26: 1- 18), mas sim a mesma missão que os apóstolos que andaram com Cristo receberam (Gl 1: 11- 12; Atos 9: 1- 16; Mc 16: 15). Alguns apóstolos fraudulentos (II Co 11: 10- 15), enciumados pela dura carta escrita por Paulo (II Co 7: 8); passaram a idéia de que Paulo estava querendo dominar a igreja (II Co 10: 9- 11). O que Paulo esta querendo dizer?A missão de quem prega o evangelho é sempre alcançar novos lugares (Atos 1: 8). Lugares não evangelizados (Lc 14: 15- 23). Paulo não estava buscando glória em lugares já preparados (Atos 26: 1- 18). Tem pastor, presbítero que querem pegar o lugar já preparado, ou seja, pegar a igreja já prontinha, equipada e repleta de membros, com grupos de louvores,músicos, membros ricos e liberais. Pregadores não! O púlpito é só para ele. Que glória, que honra, que louvor? A maior glória está em pegar vazia, e entregar cheia (Is 58: 11,12; Mt 25: 14- 23; II Co 11: 10).

    II CORÍNTIOS 10: 17 – Aquele, porém, que se gloria, glorie-se no Senhor.

    Quando o Pastor ou um presbítero começa ou recomeça um trabalho, e este trabalho cresce, ele não fez nada de mais (Lc 17: 7- 10; Lc 14: 21- 23). Como assim irmão, me explique? Ele preparou a terra e lançou a semente; mas quem deu o crescimento? (I Co 3: 6,7; Atos 2: 37- 47; Atos 6: 1- 7). Não que ser um servo inútil? Glorie- se no Senhor (II Co 10: 18; Jr 9: 23,24; Ap 4: 11). Na sua vida, no seu trabalho, na obra que você está fazendo, só um tem que aparecer (Jo. 3: 30; Gl 2: 20; I Co 10: 31;I Co 11: 1).

    II CORÍNTIOS 10: 18 – Pois não é aprovado quem a si mesmo se louva, mas sim aquele a quem o Senhor louva.

    Qual ensinamento que podemos tirar? Ganhar a sua mente para Cristo (II Co 10: 4,5). Você é quem tem que ganhar a sua mente para Cristo (II Co 4: 3- 6). Em quanto você andar no seu ego buscando a sua própria glória, atraindo os louvores para si, você esta sendo dominado pelo inimigo nesta batalha (Atos 12: 21- 23). Por quê? Por que aquele que a si mesmo se louva está reprovado pelo Senhor (Sl 115: 1). Não deis lugar ao diabo (Ef 4: 27). É na mente que ele trabalha (Mt 16: 20- 23; Lc 22: 31- 34 e 54- 62; I Pd 5: 8). Mente vazia é oficina do diabo (Tg 1: 13- 15; II Co 11: 3). Encha a sua mente com a palavra de Deus (Sl 1: 1- 3; Cl 3: 1- 3). Encha a sua mente com o Espírito Santo (Ef 5: 18; Jo. 14: 26). Encha a sua mente de Jesus (I Co 1: 18- 24; Cl 2: 1- 3; I Co 2: 1- 5).

     


  • Pr. Ev. Sérgio Lopes - prsergio@palavrasdavida.com.br

  • Table of Contents